Busca pela fortuna de US $100 bilhões de Kadafi chega a Nova Iorque

Kadafi supostamente roubou mais de US $100 bilhões durante seu tempo como governante da Líbia

Por Ken Silva 

A busca pela fortuna ilícita do falecido líder líbio, Muammar Gaddafi, supostamente no valor de US $100 bilhões, chegou à Big Apple.

Um pedido apresentado pelo governo líbio em um tribunal federal em Manhattan pede registros de oito grandes bancos relacionados às finanças de Gaddafi “no que poderia se tornar o maior esforço internacional de recuperação de ativos de todos os tempos”, de acordo com os advogados envolvidos.

Gaddafi supostamente roubou mais de US $100 bilhões durante seu tempo como governante da Líbia, de 1969 a 2011, quando foi derrubado por rebeldes apoiados pelos EUA.

“Embora o montante total roubado por Gaddafi, sua família e seus agentes seja desconhecido, e alguns calculem o número em US $200 bilhões, [o governo líbio] atualmente estima que pelo menos dezenas de bilhões de dólares em ativos pertencentes ao povo da Líbia foram roubados por Gaddafi e seus agentes”, declara a solicitação de recuperação de ativos, apresentada no dia 9 de dezembro pelo Gabinete de Recuperação e Gestão de Ativos da Líbia (LARMO).

A Líbia mergulhou no caos desde a queda de Gaddafi, tornando difícil para os investigadores pesquisarem seus supostos ganhos ilícitos, explicou a solicitação.

“Entre outras coisas, entre 2014 e 2020, a Líbia experimentou uma guerra civil multifacetada na qual facções regionais concorrentes lutaram pelo controle, muitas vezes com o apoio de potências estrangeiras rivais e mercenários”, afirmou a solicitação.

“Durante este período difícil, várias entidades tentaram recuperar e repatriar os bens desviados por Gaddafi e sua família. Esses esforços foram geralmente mal sucedidos devido à instabilidade política da Líbia e à falta de uma estrutura administrativa clara para gerenciar o processo de recuperação de ativos”, afirma a solicitação.

No entanto, a LARMO declara acreditar que os registros mantidos pelos bancos de Nova Iorque fornecerão evidências que ajudarão a identificar e rastrear ativos, e auxiliar em seu esforço para identificar os indivíduos que possuem tais ativos indevidamente. A LARMO acredita que Gaddafi transferiu suas finanças em transações denominadas em dólares usando o Sistema de Pagamentos Interbancários da Câmara de Compensação (“CHIPS”). O sistema CHIPS é usado para a maioria das transações em dólares, bem como para transações em que o dólar é usado como moeda intermediária para facilitar o câmbio.

“Os bancos correspondentes com sede nos Estados Unidos que executam essas transações de compensação mantêm registros detalhados que mostram a origem e o destino de todas essas transações”, afirma a solicitação.

Ao anunciar o pedido, os advogados da LARMO do escritório BakerHostetler declararam que o litígio é parte “do que pode se tornar o maior esforço internacional de recuperação de ativos de todos os tempos”.

“Este pedido é o primeiro passo para determinar onde os bens roubados foram escondidos e para trabalhar para seu eventual retorno ao povo líbio”, afirmou Oren Warshavsky, parceiro do BakerHostetler, em um comunicado à imprensa.

Mas o procedimento de Nova Iorque encontrou um obstáculo logo após o pedido ser apresentado. No dia 16 de dezembro, o CEO da LARMO, Mohamed Ramadan, escreveu uma carta ao juiz norte-americano, John Koeltl, alegando que a BakerHostetler e os advogados co-gerentes da Holland & Knight não tinham autoridade para iniciar litígios em Nova Iorque.

“Infelizmente, os escritórios de advocacia que abriram este caso, que foram contratados por meu antecessor na LARMO, agiram sem a devida autoridade legal, apesar da carta que lhes enviei. Esta carta claramente ordenou que cessassem “toda e qualquer atividade”, sujeito à minha autorização para qualquer outra atividade, que eles ignoraram e que, infelizmente, não foi comunicada a vocês”, declarou Ramadan na carta.

“A LARMO não apoia sua apresentação, pois é contrária à nossa estratégia de engajamento positivo com bancos e outras instituições financeiras, e pedimos que você rejeite ou exclua a solicitação.”

A BakerHostetler respondeu, em uma carta de 20 de dezembro, na qual Warshavsky afirmou ao juiz Koeltl que ele e seus colegas estavam investigando o assunto.

Nenhum outro detalhe foi incluído nos arquivos do tribunal de Nova Iorque, mas a Africa Intelligence relatou que uma disputa entre Ramadan e o presidente da LARMO, Anwar Arif, deixou o governo líbio paralisado sobre o que fazer com o caso.

“Tanto Anwar Arif quanto Mohammed Ramadan Mensli reivindicam a liderança da entidade encarregada de rastrear os ativos líbios no exterior”, relatou a Africa Intelligence no dia 21 de dezembro, referindo-se à LARMO. “Essa rivalidade está colocando em risco o processo judicial iniciado nos Estados Unidos contra oito dos maiores bancos do mundo”.

Em um artigo de acompanhamento em 24 de dezembro, a Africa Intelligence afirmou que o BakerHostetler e o Holland & Knight suspenderam suas investigações enquanto tentam entender as lutas dentro da LARMO.

Nem Warshavsky nem seu co-editor da Holland & Knight responderam ao pedido de comentários do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas