Brennan informou Obama sobre suposto plano de Clinton para ligar Trump à Rússia

Por Ivan Pentchoukov

O então diretor da CIA, John Brennan, informou ao presidente Barack Obama no final de 2016 sobre a inteligência russa que alegava um plano da candidata democrata à presidência, Hillary Clinton, para provocar um escândalo sobre seu oponente eleitoral, Donald Trump, ao ligá-lo ao suposto hacker do Democratic National Comitê pelos serviços de inteligência russos, de acordo com uma carta (pdf) do Diretor de Inteligência Nacional, John Ratcliffe.

Depois que os serviços de inteligência dos EUA obtiveram informações sobre a análise da inteligência russa no final de julho de 2016, Brennan informou Obama e outros oficiais de segurança nacional sobre o suposto plano de Clinton, incluindo a “suposta aprovação por Hillary Clinton em 26 de julho de 2016 de uma proposta de seus assessores de política externa para difamar Donald Trump, provocando um escândalo, alegando interferência dos serviços de segurança russos”.

Em 7 de setembro de 2016, funcionários da inteligência dos EUA encaminharam o assunto ao então diretor do FBI James Comey e ao então vice-diretor assistente Peter Strzok, de acordo com Ratcliffe. A referência foi intitulada “Aprovação da candidata presidencial dos EUA, Hillary Clinton, de um plano relativo ao candidato presidencial dos EUA Donald Trump e hackers russos que dificultam as eleições nos EUA como forma de distrair o público de seu uso de um servidor de e-mail privado”.

“A [comunidade de inteligência] não sabe a exatidão desta alegação ou até que ponto a análise da inteligência russa pode refletir exagero ou fabricação”, escreveu Ratcliffe.

O candidato presidencial republicano Donald Trump faz um discurso durante a sessão da noite no quarto dia da Convenção Nacional Republicana na Quicken Loans Arena em Cleveland, Ohio, em 21 de julho de 2016 (John Moore / Getty Images)
O candidato presidencial republicano Donald Trump faz um discurso durante a sessão da noite no quarto dia da Convenção Nacional Republicana na Quicken Loans Arena em Cleveland, Ohio, em 21 de julho de 2016 (John Moore / Getty Images)

O FBI abriu formalmente uma investigação da campanha de Trump em 31 de julho de 2016, cinco dias após a suposta aprovação de Clinton da campanha de difamação contra Trump. A investigação foi baseada em uma conversa em que o conselheiro estrangeiro da campanha de Trump, George Papadopoulos, falou sobre os russos estarem “sujando” Clinton.

Strzok abriu a investigação chamada Crossfire Hurricane e desempenhou um papel importante na investigação do uso de um servidor de e-mail privado não autorizado por Clinton para conduzir negócios do governo. Em mensagens de texto, ele expressou um ódio intenso a Trump e deferência a Clinton, falou em impedir Trump de se tornar presidente e mencionou uma “apólice de seguro” no caso improvável de Trump vencer a eleição.

Embora qualquer coisa interceptada de inteligência estrangeira deva ser considerada com cautela, o briefing de Brennan a Obama indica que havia sérias preocupações sobre as informações, sejam verdadeiras ou falsas, nos níveis mais altos do governo Obama. O significado potencial da questão é ainda reforçado pelo encaminhamento criminal subsequente para Strzok e Comey.

Clinton, que lista apenas uma caixa postal como meio de contato em seu site, não respondeu a um pedido de comentário dirigido a ela no Twitter.

A campanha de Clinton pagou por um dossiê de pesquisa da oposição em 2016, que foi elaborado por um ex-espião britânico que contava com um ex-espião russo em Washington como fonte principal. O FBI usou o dossiê para obter um mandado para espionar o ex-assessor de política externa da campanha de Trump, Carter Page. A agência não informou ao tribunal que Clinton financiou o dossiê, um em uma bateria de erros e omissões revelados nos pedidos de espionagem de Page por um vigilante do Departamento de Justiça.

Siga Ivan no Twitter: @ivanpentchoukov

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas