Bloqueios de estradas na Bolívia derrubam decretos governamentais de vacinas

Opositores aos decretos estavam citando o artigo 44 da constituição, que protege contra experimentação científica ou médica sem consentimento

Por Autumn Spredemann 

SANTA CRUZ, Bolívia – No dia 19 de janeiro a administração do presidente socialista Luis Arce cancelou a exigência de comprovantes de vacinação contra o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) para entrar em qualquer estabelecimento público ou local de comércio.

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde Jeyson Auza.

As autoridades do partido Movimento para o Socialismo (MAS) anunciaram os originais “decretos supremos” 4640 e 4641 em 28 de dezembro, que desencadearam protestos em todo o país e reações legais nas cidades de Santa Cruz, La Paz, Cochabamba, El Alto e Sucre.

“Os indígenas [na Bolívia] sempre desconfiaram das iniciativas médicas ocidentais”, afirmou o advogado Alejandro Gutierrez ao Epoch Times.

Gutierrez explicou que as pessoas que se opunham aos decretos de vacinação estavam citando o artigo 44 da constituição do país, que protege contra experimentação científica ou médica sem consentimento, como base para a revogação dos decretos.

No dia 17 de janeiro, os manifestantes estabeleceram bloqueios nas estradas que levam da cidade de El Alto à capital La Paz.

O chefe do magistério rural em La Paz, Rudy Callisaya, afirmou que os bloqueios permaneceriam em 20 províncias do departamento de La Paz até o governo concordar em descartar os decretos de vacinação.

As estradas que Callisaya prometeu impedir com outros manifestantes são uma parte vital da cadeia de suprimentos, permitindo que alimentos e bens essenciais cheguem a La Paz.

A cidade extrai a maioria de seus bens do vasto interior boliviano.

Protestos de solidariedade realizados contra os decretos em Cochabamba no dia 18 de janeiro foram recebidos com uma resposta policial agressiva.

A oposição aos mandatos da vacina gerenciou bloqueios de estradas em pontos-chave ao longo da Avenida Petrolera e outras áreas na parte sul da cidade.

A polícia chega à tarde e remove os blocos enquanto dispara gás lacrimogêneo contra os dissidentes desarmados.

Mais tarde naquela noite, os manifestantes voltaram em maior número e reconstruíram as barreiras rodoviárias.

Em 19 de janeiro, após 48 horas de intenso impasse com civis contrários aos mandatos, o governo concordou em cancelar os decretos que exigiam comprovantes de vacinação.

Auza afirmou que o governo tomou a decisão para “preservar a segurança da população contra certos grupos que não aceitam a vacinação”.

Ele também declarou que o propósito dos mandatos já “cumpriu seu objetivo” com mais de um milhão de doses de vacinas distribuídas desde o início de um pico significativo de casos que começou em dezembro e atingiu o pico no dia 10 de janeiro.

O vírus matou 20.291 pessoas na Bolívia desde janeiro de 2020 e o país administrou mais de 11 milhões de doses de vacinas preventivas.

Mais de 43% da população está totalmente vacinada, o que é baixo em comparação com países vizinhos como Chile e Peru. Eles possuem taxas de imunização de 88% e 69%, respectivamente.

O Diretor Nacional de Epidemiologia do Ministério da Saúde da Bolívia, Freddy Armijo, anunciou a detecção da nova variante Ômicron em La Paz no dia 7 de janeiro.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas