Blinken pede à China que liberte sete presos em invasão policial à mídia de Hong Kong

Mais de 200 oficiais de segurança nacional invadiram o veículo de mídia online independente de Hong Kong, o Stand News

Por Frank Fang 

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, está requisitando a Pequim e ao governo de Hong Kong para que libertem imediatamente funcionários da mídia presos em Hong Kong no dia 29 de dezembro, após uma invasão policial de sua redação no mesmo dia.

“Apelamos às autoridades da RPC [República Popular da China] e de Hong Kong para que parem de visar a mídia livre e independente de Hong Kong e liberem imediatamente os jornalistas e executivos da mídia que foram injustamente detidos e acusados”, requisitou Blinken, segundo um comunicado.

No dia 29 de dezembro, mais de 200 oficiais de segurança nacional invadiram o veículo de mídia online independente de Hong Kong, o Stand News. A polícia congelou os ativos do veículo no valor de HK $61 milhões (cerca de US $7,8 milhões) e prendeu dois editores atuais e anteriores, além de quatro ex-membros do conselho, acusando-os de se envolverem na “conspiração para divulgar publicações sediciosas” sob um decreto da era colonial.

O editor-chefe do Stand News, Patrick Lam, é levado a um veículo após a polícia vasculhar as instalações do escritório do veículo de notícias independente em Hong Kong, no dia 29 de dezembro de 2021 (Anthony Kwan / Getty Images)
O editor-chefe do Stand News, Patrick Lam, é levado a um veículo após a polícia vasculhar as instalações do escritório do veículo de notícias independente em Hong Kong, no dia 29 de dezembro de 2021 (Anthony Kwan / Getty Images)

Horas após a invasão, o Stand News anunciou que encerraria suas operações. Agora, o site da empresa está inacessível e suas contas do Facebook, Instagram e Twitter foram excluídas. Todos os vídeos em seu canal no YouTube também foram removidos.

O escritório do Stand News no Reino Unido também encerrou as operações, anunciou o chefe do escritório, Yeung Tin-shui, em sua página do Facebook no dia 30 de dezembro. Yeung acrescentou que também renunciou ao cargo.

O Stand News é o segundo meio de comunicação de Hong Kong a fechar este ano. Em junho, 500 policiais invadiram a sede do jornal local Apple Daily, e o jornal publicou sua última edição menos de 10 dias depois.

“Jornalismo não é sedição”, afirmou Blinken. “Ao silenciar a mídia independente, a RPC e as autoridades locais minam a credibilidade e a viabilidade de Hong Kong”.

“Um governo confiante que não tem medo da verdade abraça uma imprensa livre”, concluiu.

Também foi presa na quarta-feira uma ex-editora do Apple Daily, que é casada com o ex-editor do Stand News que está preso.

Comentários de Carrie Lam 

Carrie Lam, líder pró-Pequim de Hong Kong, enquanto falava com repórteres no dia 30 de dezembro, defendeu o caso contra o Stand News, afirmando que as ações da polícia “não têm nada a ver com a chamada supressão da liberdade de imprensa”.

Ela acrescentou: “Atividades sediciosas não podem ser toleradas sob o pretexto de reportagem de notícias”.

Lam também acusou aqueles que exigiam a libertação dos presos de “atropelar o Estado de Direito”.

O Gabinete do Comissário do Ministério das Relações Exteriores da China, em um comunicado divulgado na noite de quarta-feira, pediu às “forças externas”, incluindo a União Europeia, que “parem de usar qualquer desculpa para interferir nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da China”.

Preocupação internacional

As prisões despertaram a preocupação de muitos grupos internacionais de direitos humanos e legisladores dos EUA, bem como de autoridades governamentais na Austrália, Canadá, União Europeia, Reino Unido, Alemanha e Taiwan.

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em uma postagem no Facebook, declarou que a China novamente “rasgou” suas promessas sob a estrutura “Um país, dois sistemas” ao suprimir a liberdade de expressão de Hong Kong.

“Democracia e liberdade são valores universais e direitos básicos do povo”, escreveu Tsai, antes de expressar esperança de que os presos na quarta-feira sejam libertados em breve.

O senador Jeff Merkley (Democrata de Oregon) e o deputado Jim McGovern (Democrata de Massachusetts), Presidente e co-presidente da Comissão Executiva do Congresso na China (CECC), acessaram o Twitter para expressar suas “profundas preocupações”, afirmando que as prisões eram parte de uma “repressão sistemática” à liberdade de imprensa de Hong Kong.

A cantora de Hong Kong Denise Ho se apresenta no palco durante o Oslo Freedom Forum, em Oslo, no dia 27 de maio de 2019 (Ryan Kelly / AFP / Getty Images)
A cantora de Hong Kong Denise Ho se apresenta no palco durante o Oslo Freedom Forum, em Oslo, no dia 27 de maio de 2019 (Ryan Kelly / AFP / Getty Images)

Os dois legisladores expressaram particular preocupação com a popular cantora e ativista de Hong Kong, Denise Ho, observando que ela testemunhou perante o CECC em setembro de 2019 sobre violações aos direitos humanos em Hong Kong. Ho, uma ex-membro do conselho da Stand News, foi uma entre os sete presos no dia 29 de dezembro.

“A CECC monitorará de perto seus casos, incluindo seus pedidos de títulos e direitos ao devido processo”, declararam os dois legisladores.

A ministra australiana das Relações Exteriores, Marise Payne, acessou o Twitter para dizer que a operação e as prisões foram uma continuação da “supressão da liberdade de expressão e da mídia” em Hong Kong.

“[Austrália] reitera nosso apelo pela liberdade da mídia e pelos direitos e liberdades do povo de Hong Kong a serem respeitados”, escreveu Payne.

A Reuters contribuiu para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas