Blinken aumenta preocupações com a China sobre Taiwan

Reunião bilateral, paralela à cúpula do Grupo dos 20 líderes em Roma, ocorre no momento em que Pequim escala o assédio militar contra a ilha autogerida

Por Dorothy Li

Secretário de Estado americano Antony Blinken expressou preocupações sobre as ações de Pequim em direção a Taiwan durante uma reunião cara-a-cara com o chanceler chinês Wang Yi em 31 de outubro.

A reunião bilateral, paralela à cúpula do Grupo dos 20 líderes em Roma, ocorreu no momento em que Pequim escala o assédio militar contra a ilha autogerida, que afirma ser sua, gerando um crescente alarme internacional.

Blinken levantou a preocupação de que as ações de Pequim “minem a ordem internacional baseada em regras e que vão contra nossos valores e interesses”, como ações relacionadas aos direitos humanos e Taiwan, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em um comunicado.

Blinken também disse que os dois países têm áreas de interesses comuns, como mudanças climáticas, e “ressaltou a importância de manter linhas de comunicação abertas para administrar com responsabilidade a competição” entre Washington e Pequim, segundo o breve comunicado.

Em uma leitura mais longa do Ministério das Relações Exteriores de Pequim, Wang concordou com a necessidade de um envolvimento entre os dois países, mas criticou Blinken por uma série de alegadas “irregularidades” dos EUA, incluindo a questão de Taiwan.

Wang disse que o apoio de Washington a Taiwan pode causar “efeitos subversivos e prejudiciais” às relações EUA-China. O regime comunista chinês, que frequentemente ameaçou apoderar-se de Taiwan com força militar, afirma que qualquer apoio internacional à nação insular equivale a uma interferência inaceitável nos “assuntos internos” de Pequim.

Embora os Estados Unidos não tenham relações diplomáticas com Taiwan, eles mantêm laços sólidos com a ilha democrática sob uma estrutura estabelecida na Lei de Relações com Taiwan, que obriga Washington a fornecer a Taipei os meios para se defender.

O regime chinês aumentou sua pressão militar sobre Taiwan recentemente. No início de outubro, Pequim enviou cerca de 150 aeronaves militares para a zona de defesa aérea de Taiwan ao longo de quatro dias, em uma demonstração de força recorde que levou o ministro da defesa da ilha a descrever as tensões através do Estreito como as piores que ele viu em 40 anos.

O presidente Joe Biden mais tarde gerou polêmica ao dizer que os Estados Unidos tinham o “compromisso” de defender Taiwan se o regime chinês atacasse, um afastamento da política de longa data de “ambiguidade estratégica” de Washington, em que é deliberadamente vago sobre o que se faria em tal cenário.

No entanto, a Casa Branca esclareceu mais tarde que Biden não estava sinalizando uma mudança na política dos EUA.

As negociações entre Blinken e Wang ocorreram menos de um mês após o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, se encontrar com o principal diplomata do regime, Yang Jiechi, na Suíça. Durante essa reunião, os dois lados concordaram que Biden e o líder chinês Xi Jinping realizariam uma reunião virtual antes do final de 2021.

Os dois líderes não se encontraram pessoalmente desde que Biden assumiu o cargo em janeiro. Embora devessem se encontrar em Roma no fim de semana, Xi acabou participando da cúpula do G-20 por meio de um link de vídeo, com Wang comparecendo pessoalmente em nome de Xi.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: 

 
Matérias Relacionadas