Blinken insta China a ser transparente sobre pandemia

Por Frank Fang

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, criticou a China por sua contínua falha em ser transparente sobre a COVID-19, em uma entrevista recente à BBC World News.

“Exigir que os países sejam transparentes; requerer que eles compartilhem informações; que eles dêem acesso a especialistas internacionais no início de um surto – coisas que, infelizmente, não vimos da China”, disse Blinken .

Ele acrescentou: “Minha esperança é de que a China se torne um participante pleno desses esforços para garantir que possamos prevenir a próxima pandemia, mesmo quando ainda estamos lidando com a atual”.

O encobrimento da China com relação à COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), começou durante o estágio inicial do surto. No final de dezembro de 2019, as autoridades chinesas silenciaram oito denunciantes, incluindo o oftalmologista Li Wenliang, quando eles tentaram alertar nas redes sociais chinesas sobre um surto de “pneumonia desconhecida” na cidade de Wuhan.

Mais recentemente, Pequim foi acusada de se recusar a fornecer dados brutos sobre casos de infecção precoce a membros da Organização Mundial da Saúde (OMS), de acordo com o especialista australiano em doenças infecciosas Dominic Dwyer, que fazia parte de uma equipe da OMS que investigava as origens da pandemia em Wuhan. A equipe chegou a Wuhan em meados de janeiro, antes de partir no início deste mês.

O Epoch Times obteve recentemente vários documentos internos emitidos pelo centro de controle de doenças da China e departamentos de saúde em 2019 e 2020. Os documentos revelaram que Pequim não revelou publicamente uma grande quantidade de dados sobre pessoas infectadas com gripe e outras doenças com sintomas semelhantes à COVID-19.

Na mesma entrevista, Blinken também condenou a decisão de Pequim de proibir o BBC World News na China, dizendo que o povo chinês foi o “maior perdedor”, já que a China tem “um dos espaços de informação menos abertos do mundo”.

“Eles querem o compartilhamento livre e aberto de informações. Isso está sendo negado por seu próprio governo”, acrescentou Blinken.

A decisão de Pequim de proibir a BBC veio poucos dias depois que o regulador de radiodifusão do Reino Unido, em 4 de fevereiro,  revogou a licença da emissora estatal chinesa CGTN, braço internacional da agência estatal chinesa CCTV. O regulador concluiu que a emissora chinesa violou as leis de transmissão do Reino Unido.

Dois dias antes, a BBC relatou que homens chineses se envolveram em estupro em massa, abuso sexual e tortura contra mulheres uigures detidas em campos de internação na região de Xinjiang, no extremo oeste da China, com base em entrevistas com vários ex-detentos e um guarda.

Pequim deteve (pdf) mais de um milhão de minorias étnicas, incluindo uigures, cazaques e quirguizes, nos campos. Pequim afirma que os campos são “centros de treinamento vocacional”.

Em janeiro, o então secretário de Estado Mike Pompeo declarou que Pequim havia cometido “genocídio” e “crimes contra a humanidade” contra os muçulmanos uigures.

“[China] aproveita o fato de que muitos de nossos países têm espaços de informação totalmente livres e abertos, e a China usa isso para espalhar desinformação e propaganda”, disse Blinken.

Em 2020, o Departamento de Estado sob a administração Trump nomeou nove veículos da mídia chinesa, incluindo CCTV , CGTN e Diário do Povo, como missões estrangeiras, identificando-os como órgãos de propaganda do PCC. Essa mídia é obrigada a registrar seus funcionários e propriedades nos Estados Unidos no Departamento de Estado.

Quando questionado se os Estados Unidos boicotariam os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim, Blinken se recusou a comentar.

“Chegaremos a essa questão no momento apropriado, mas o principal é que, em todas essas questões, é realmente importante consultarmos de perto e trabalharmos em conjunto com países com ideias semelhantes e nossos parceiros”, explicou ele.

No início deste mês, uma coalizão de mais de 180 grupos, incluindo a Rede Internacional do Tibete e o Congresso Mundial Uyghur, assinou uma carta conjunta instando os governos a boicotar os Jogos de 2022.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer
 
Matérias Relacionadas