Black Lives Matter atribui protestos em Cuba ao governo dos EUA, defendendo o regime comunista

Por Lorenz Duchamps

Black Lives Matter está culpando o embargo econômico “cruel e desumano” do governo dos Estados Unidos pela atual agitação em Cuba , enquanto elogia o regime comunista por sua “solidariedade” ao conceder asilo a “revolucionários negros”.

A organização marxista tem enfrentado fortes críticas desde a publicação de um comunicado em 14 de julho em resposta aos protestos que  eclodiram em várias cidades de  Cuba, onde os manifestantes pediram maiores liberdades e o fim do regime autoritário do líder Miguel Díaz-Canel.

Na nota postada em seus perfis de mídia social, o grupo condenou o embargo norte-americano de 1962, alegando que foi instituído com a “intenção explícita” de desestabilizar Cuba e “minar o direito dos cubanos de escolher seu próprio governo”.

“Black Lives Matter condena o tratamento desumano do governo federal dos Estados Unidos aos cubanos e exorta-o a suspender imediatamente o embargo econômico”, escreveu o grupo. “Esta política cruel e desumana, instituída com a intenção explícita de desestabilizar o país e minar o direito dos cubanos de escolher seu próprio governo, está no cerne da atual crise de Cuba.”

O maior protesto que o país controlado pelos comunistas viu em décadas irrompeu no fim de semana depois que os cidadãos se reuniram contra a contínua escassez de alimentos e outros bens, preços altos e cortes de energia, em meio a uma profunda crise econômica no país, agravada pelo PCC ( Partido Comunista Chinês) e bloqueios relacionados à pandemia de vírus .

O secretário de Estado Antony Blinken, que rejeitou a afirmação de que os Estados Unidos são os culpados pela agitação de Cuba, disse em 12 de julho que o principal fator que levou as pessoas às ruas está na má gestão da economia da nação e no fracasso do regime comunista em suprir seus cidadãos com as necessidades básicas.

O senador Marco Rubio (R-Flórida), fala durante uma audiência de confirmação da Comissão de Comércio, Ciência e Transporte do Senado em Washington, em 21 de abril de 2021 (Graeme Jennings / POOL / AFP via Getty Images)

“A rede de extorsionários conhecida como organização Black Lives Matter fez uma pausa hoje na hora de derrubar corporações de milhões e comprar mansões para compartilhar seu apoio ao regime comunista em #Cuba”, disse o senador da Flórida na mídia social .

O líder cubano Díaz-Canel, em um discurso transmitido pela televisão em 14 de julho, reconheceu que as deficiências do governo em lidar com a escassez e outros problemas tiveram um papel importante nos protestos, ao mesmo tempo que exortou os cubanos a não agirem com ódio.

Antes de seu anúncio, o regime cubano culpava apenas as redes sociais e o governo dos Estados Unidos pelos protestos, que foram os maiores em Cuba desde um quarto de século atrás, quando o então líder Fidel Castro saiu pessoalmente às ruas para acalmar milhares de pessoas furiosas sobre a escassez terrível após o colapso da União Soviética e seus subsídios econômicos para a ilha.

A declaração do BLM – que foi postada na mesmo instante em que Díaz-Canel comentou sobre a revolta – foi rapidamente contestada online, inclusive pelos próprios seguidores do grupo, instando-os a retirar a postagem.

Pessoas protestam em frente ao Capitólio em Havana em 11 de julho de 2021 (Ramon Espinosa / AP Photo)

Na nota, BLM também elogiou o regime comunista por sua “solidariedade historicamente demonstrada com os povos oprimidos de ascendência africana” e “proteger os revolucionários negros” como Assata Shakur, também conhecido como JoAnne Chesimard, ex-membro do Exército de Libertação Negra que escapou da prisão em 1979 enquanto cumpria prisão perpétua pelo assassinato em execução de um policial estadual de Nova Jersey; ela recebeu asilo de Castro. Ela continua sendo uma das Terroristas Mais Procuradas do FBI.

O BLM, conhecido por organizar protestos contra a brutalidade policial nos Estados Unidos, não mencionou os apelos dos cubanos por “liberdade” contra um regime opressor e relatos generalizados de brutalidade policial, gerando polêmica.

“Nojento! Apesar do assassinato e espancamento de manifestantes pela ditadura cubana (muitos deles negros), a declaração do BLM sobre Cuba … condena os EUA, elogia o regime de Castro e não faz menção às atrocidades cometidas pela ditadura ”, disse Giancarlo Sopo, um influente estrategista que já trabalhou na campanha de reeleição do presidente Donald Trump.

por NTD News

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas