Bill Gates propõe pacto de vigilância global com a OMS para detectar ameaças pandêmicas

“O atual financiamento da OMS para pandemias não é nada sério”

Por Jack Phillips 

O ex-homem mais rico do mundo, Bill Gates pediu uma equipe de vigilância global liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para detectar ameaças pandêmicas.

Falando ao Financial Times no fim de semana passado, o co-fundador da Microsoft disse que é necessário mais dinheiro para impedir o surgimento de uma futura pandemia. Ao mesmo tempo, Gates afirmou acreditar que a OMS é a única organização que pode executar tal operação.

Gates alertou que, como o conflito na Ucrânia domina as políticas internacionais, os líderes não devem perder o foco na COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCCh (Partido Comunista Chinês).

“Parece loucura pra mim que possamos deixar de olhar para esta tragédia e não fazer esses investimentos, em nome dos cidadãos do mundo”, Gates disse ao jornal. “A quantidade de dinheiro envolvida é muito pequena em comparação com o benefício e será um teste: as instituições globais podem assumir novas responsabilidades de maneira excelente, mesmo em um período em que as relações EUA-China são difíceis, EUA-Rússia é extremamente difícil?” ele também perguntou.

Gates então afirmou que “menos de 10 pessoas em tempo integral” estão trabalhando na preparação para pandemias na OMS, dizendo que “essas pessoas estão distraídas com muitas outras atividades”.

“O financiamento atual da OMS para pandemias não é nada sério”, acrescentou Gates, que deve lançar um livro intitulado “Como prevenir a próxima pandemia”.

Desde o início da pandemia, Gates repetidamente divulgou vacinas. Mas em fevereiro de 2022, o bilionário afirmou que a variante Ômicron da COVID-19 se moveu mais rápido que as vacinas na criação de um nível mais alto de imunidade natural.

“Infelizmente, o próprio vírus, particularmente a variante chamada Ômicron, é um tipo de vacina, ou seja, cria imunidade de células B e células T, e tem feito um trabalho melhor para a população mundial do que nós com vacinas”, disse ele na época. “Isso significa que a chance de casos graves da doença, que está principalmente associada a ser idoso e ter obesidade ou diabetes, esses riscos agora são drasticamente reduzidos por causa dessa infecção, exposição”.

Em 2020, o ex-presidente Donald Trump disse que os Estados Unidos interromperiam o financiamento à OMS e disse que a organização de saúde da ONU “falhou em seu dever básico e deve ser responsabilizada”. A OMS, acrescentou na época, promoveu a desinformação do PCCh sobre a COVID-19, o que provavelmente levou a um surto mais significativo do que teria ocorrido em meio a relatos de que o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, tem um relacionamento acolhedor com o regime chinês.

Mais tarde, a OMS novamente gerou polêmica depois de culpar os animais pelo surto inicial da COVID-19 em Wuhan, na China, em meio a alegações de que o vírus pode ter surgido de um laboratório de biopesquisa de alta segurança localizado na cidade. A OMS baseou amplamente a conclusão de seu relatório nos próprios esforços de investigação da organização em janeiro e fevereiro de 2021, pois os críticos observaram que o PCCh desempenhou um papel na investigação.

O Epoch Times entrou em contato com a OMS para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas