Biden está considerando um segundo telefonema com líder chinês Xi

Por Emel Akan

WASHINGTON – O presidente Joe Biden está considerando fazer um segundo telefonema com o líder chinês Xi Jinping , disse a Casa Branca na sexta-feira. Esta seria a segunda interação de Biden com seu homólogo chinês desde que assumiu o cargo.

“Certamente, estamos em contato de alto nível com os líderes chineses em termos de uma próxima ligação com o presidente Xi”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, durante uma entrevista coletiva.

No entanto, o momento da ligação ainda não foi estabelecido, disse Psaki, em resposta a uma pergunta do Epoch Times.

Biden teve seu primeiro telefonema oficial com o líder chinês em 10 de fevereiro. Um mês depois, diplomatas de ambos os países se reuniram para conversas no Alasca, um compromisso agora lembrado pelas críticas públicas de autoridades chinesas.

Desde então, o presidente embarcou em uma campanha para reunir aliados na Europa e em outros lugares para enfrentar conjuntamente as ameaças globais representadas pelo regime comunista, bem como seus crescentes abusos aos direitos humanos. Essas ações foram desprezadas por funcionários do Partido Comunista Chinês.

No mês passado, o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan também disse que a Casa Branca planejava intensificar a interação com a China nos próximos meses “de alguma forma para avaliar” a posição dos dois países em seu relacionamento e garantir algum tipo de “comunicação direta” considerado valioso com o presidente russo, Vladimir Putin.

Biden “buscará oportunidades de interagir com o presidente Xi no futuro”, disse Sullivan durante uma chamada à imprensa em 17 de junho.

Também não descartou a possibilidade de uma reunião à margem da próxima cúpula do Grupo dos Vinte (G20), em outubro.

“Não temos planos específicos no momento, mas gostaria de destacar que ambos os líderes provavelmente estarão no G20 na Itália em outubro. Então, vou deixar assim por enquanto ”, disse ele.

O Financial Times noticiou em 23 de junho que Biden planejava lançar a “próxima fase” de sua política na China e, portanto, pressionava para que ocorressem reuniões de alto nível, segundo fontes familiarizadas com o assunto. Não está claro se Biden exercerá mais pressão sobre a China para tratar de questões de direitos humanos, Taiwan e Hong Kong.

Biden criticou no mês passado a “intensificação da repressão” de Pequim em Hong Kong após o fechamento forçado do Apple Daily – um grande jornal pró-democracia. O presidente também ordenou uma análise mais detalhada da inteligência sobre as origens do COVID-19, incluindo uma investigação para saber se o vírus era resultado de um vazamento de laboratório.

Em um discurso marcando o 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês na semana passada, Xi disse que as forças estrangeiras seriam “acertadas na cabeça” se tentassem intimidar a China. Xi acrescentou que o regime “esmagaria” qualquer tentativa de Taiwan de reivindicar a independência formal.

Seu discurso foi feito depois que Washington retomou as negociações comerciais com Taiwan em 29 de junho, apesar das objeções de Pequim, que reivindica soberania sobre a ilha democrática.

Psaki não confirmou nenhuma cúpula com Xi, mas disse: “Eu sei que a cúpula do G20 será perto do Halloween, mas isso é muito a partir de agora em termos de planejamento e quais outros eventos podem ou não ocorrer.”

Com informações de Nicole Hao e Eva Fu.

Siga Emel no Twitter: @mlakan 

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 

 
Matérias Relacionadas