Biden diz que EUA está considerando remover tarifas da China

"Não impomos nenhuma dessas tarifas. Elas foram impostas pelo último governo e estão sob consideração"

Por Aldgra Fredly 

O presidente Joe Biden disse na segunda-feira que seu governo está “considerando” remover algumas tarifas comerciais impostas à China na era Trump, como uma medida projetada para ajudar a reduzir as pressões da inflação recorde nos Estados Unidos.

Biden, em sua primeira viagem à região do Indo-Pacífico como presidente, chegou ao Japão no domingo depois de visitar a Coreia do Sul. Seu objetivo era afirmar a “liderança americana na região vital” enquanto enviava uma “mensagem poderosa” à China.

Durante uma coletiva de imprensa com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, Biden confirmou que as discussões sobre a possibilidade de suspender as tarifas comerciais da China estavam em andamento.

“Estou considerando. Não impomos nenhuma dessas tarifas. Elas foram impostas pelo último governo e estão sob consideração”, disse ele a repórteres.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, impôs tarifas de até 25% sobre a China em 2018 para combater o que chamou de práticas comerciais desleais do regime chinês. Pequim também impôs tarifas a Washington em um movimento de retaliação.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse em 18 de maio que algumas das tarifas impostas pelo governo Trump “não são muito estratégicas” no sentido de abordar práticas comerciais desleais, questões de segurança nacional e vulnerabilidades nas redes de fornecimento.

Yellen também argumentou que as tarifas impostas à China parecem estar causando mais danos aos consumidores e empresas americanas, apesar de reconhecer a “variedade de preocupações válidas” feitas sobre a remoção das tarifas da China.

“Eu vejo um caso, não apenas por causa da inflação, mas porque haveria benefícios para consumidores e empresas e que algum alívio poderia vir do corte de algumas das tarifas. Mas estamos tendo essas discussões. Há uma variedade de impactos”, disse ela a repórteres.

Comentando sobre o assunto, o senador Bill Hagerty disse que a remoção das tarifas comerciais da China tiraria “a única influência que temos agora para levar a China a relações comerciais mais normalizadas”.

“A China ri com isso. Se você olhar para nossas políticas de energia aqui nos Estados Unidos, em termos gerais, é um grande benefício para a China”, disse Hagerty à Fox Business.

Hagerty, que serviu como embaixador dos EUA no Japão entre 2017 e 2019, disse que não houve “inflação desenfreada” após a implementação das tarifas, mas que Washington tinha influência.

“Posso entender por que Katherine Tai, a atual representante comercial [dos EUA], não quer fazer isso. É apenas mais um truque que o governo Biden está buscando. E, novamente, um benefício líquido para a China”, acrescentou.

Em 3 de maio, o Representante de Comércio dos EUA emitiu um aviso de registro federal de que estava iniciando um processo estatutário necessário para os aniversários de quatro anos das tarifas iniciais da “Seção 301” impostas sobre as importações chinesas.

O processo de revisão envolverá a coleta de comentários das indústrias nacionais que se beneficiaram da ação tarifária.

“Se um ou mais pedidos de continuação forem enviados, o USTR publicará um aviso adicional após 6 de julho anunciando a continuação da ação tarifária e prosseguirá com a revisão das tarifas”, afirmou.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas