Biden afirma que pessoas totalmente vacinadas não podem contrair a COVID-19 ou morrer

Por Lorenz Duchamps

O presidente Joe Biden afirmou que os americanos que forem totalmente vacinados contra o COVID-19 terão proteção completa contra a doença, evitando a hospitalização e a morte.

“Você não pegará COVID se for vacinado”, disse Biden na quarta-feira, enquanto falava em um fórum televisionado em Cincinnati, Ohio. “Se ele for vacinado, não vai ficar internado, não vai ficar na unidade de terapia intensiva e não vai morrer”, acrescentou.

O presidente disse que seus comentários afirmam com precisão que as vacinas COVID-19 têm demonstrado que são capazes de fornecer proteção contra o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) e que há evidências de que podem reduzir a gravidade da doença, o que explica que um uma pequena porcentagem de pessoas totalmente vacinadas contraíram a doença.

No entanto, o presidente omitiu em grande parte as chamadas “infecções pós-vacinais” que foram amplamente relatadas.

Em 12 de julho, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças ( CDC ) dos EUA disseram que as autoridades de saúde federais contaram 5.189 pessoas totalmente vacinadas contra o vírus do PCC que necessitaram de hospitalização. O vírus do PCC é um vírus contagioso originário da China que causa a doença COVID-19.

No último anúncio, a agência disse que 1.063 pacientes totalmente vacinados morreram, respondendo por 19 por cento do total. Ele observou que 26 por cento dos casos fatais foram relatados como assintomáticos ou não relacionados ao COVID-19. Cerca de 75 por cento das hospitalizações e mortes por infecções pós-vacinação ocorreram entre pessoas com mais de 65 anos.

O anúncio do CDC também foi feito quando as autoridades israelenses disseram no final de junho que, durante um recente surto de COVID-19, cerca de metade dos adultos infectados no recente surto foram totalmente vacinados.

Em outro anúncio em 1º de maio, o CDC disse que as autoridades de saúde “mudaram do monitoramento de todos os casos pós-vacinação relatados para se concentrar na identificação e investigação apenas de casos hospitalizados ou fatais de qualquer causa”.

Um aumento repentino de 12.313 notificações de morte entre aqueles que receberam a vacina COVID-19 no Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas do CDC foi considerado um “erro” e revisado para 5.913.

Biden também disse que não conhece uma pessoa totalmente vacinada contra o vírus do PCC que foi hospitalizada ou morreu. O presidente fez a declaração ao responder a um repórter que lhe perguntou sobre americanos que foram vacinados e ainda contraem a doença.

“Pode ser possível, não conheço ninguém que tenha sido internado, que esteja na UTI ou que tenha falecido, então pelo menos posso dizer que mesmo que tenha contraído, o que lamento ter sido o caso, é uma porcentagem muito pequena e não é uma ameaça à vida ”, disse o presidente.

Mais uma vez, seu comentário está em conflito com as conclusões do CDC de que mais de 5.000 pessoas vacinadas foram hospitalizadas e mais de 1.000 morreram até 12 de julho.

Até o momento, 159 milhões de americanos estão totalmente vacinados.

Os chamados casos de infecção pós-vacinal referem-se aos casos que aparecem duas ou mais semanas após a última injeção, ou seja, a segunda dose da vacina Pfizer ou Moderna ou da Johnson & Johnson em dose única.

“Casos esperados de infecção após a vacinação” , diz o CDC em seu site. “As vacinas contra COVID-19 são eficazes e constituem uma ferramenta fundamental para o controle da pandemia. No entanto, nenhuma vacina é 100 por cento eficaz na prevenção da doença. Haverá uma pequena porcentagem de pessoas totalmente vacinadas que ainda ficarão doentes, hospitalizadas ou irão  morrer de COVID-19. ”

Com informações da Associated Press.

Da NTD News

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas