BeiDou, o novo sistema de navegação da China, é mais exagero do que uso real, dizem os especialistas

Por Chen Han

Em 31 de julho, a China lançou oficialmente seu sistema de navegação por satélite BeiDou, que deve competir com o Sistema de Posicionamento Global (GPS) dos Estados Unidos. No entanto, há especialistas que acreditam que isso serve mais para divulgar o regime chinês do que para aplicá-lo na vida real.

De acordo com o South China Morning Post, o porta-voz do BeiDou, Ran Chengqi, disse que a “conquista de tecnologias essenciais” da China era a prova da autossuficiência do país. Falando em Pequim em 3 de agosto, ele disse que mais de 500 componentes-chave para o sistema BeiDou foram “100% fabricados na China”.

A China exportou seus produtos BeiDou para mais de 120 países e regiões, disse o porta-voz em dezembro de 2019, de acordo com a mídia estatal Xinhua.

Lee Cheng-Hsiu, pesquisador do think tank National Policy Foundation com sede em Taiwan, expressou dúvidas sobre a afirmação de Ran de que o sistema continha peças “100% fabricadas na China”.

Em uma entrevista ao Epoch Times, ele disse que durante os mais de 20 anos de desenvolvimento do BeiDou, ele contou muito com o suporte técnico dos Estados Unidos, especificamente em pesquisa e desenvolvimento de microchips.

Considerando as tensões atuais na relação China-EUA, ele disse: “Os Estados Unidos podem restringir o uso, cancelar a autorização e até mesmo interromper tecnologias importantes. Resta saber se o sistema BeiDou pode funcionar normalmente”.

Além disso, ele observou que a China não possui tecnologia para produzir os chips necessários. A Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. (TSMC), líder global na fabricação de chips de circuito integrado, interromperá seu fornecimento para a Huawei em setembro, para cumprir a proibição norte-americana de fornecedores globais que usem tecnologia americana para produzir componentes para o gigante chinês da tecnologia.

BeiDou é destinado ao posicionamento de mísseis

Em uma entrevista ao Epoch Times, o ex-engenheiro da Huawei Jin Sun alertou que o objetivo principal do sistema BeiDou é para uso militar. Ele acrescentou que no avanço das operações militares de Pequim no Mar da China Meridional, o sistema autônomo de posicionamento por satélite é uma parte importante do desenvolvimento de seu sistema de mísseis e é usado principalmente para os sistemas de orientação de mísseis da China.

O pesquisador taiwanês Lee concordou. “A precisão do sistema ainda não foi verificada, mas ele foi desenvolvido para fins militares, assim como o GPS foi destinado aos militares”, disse ele.

De acordo com o relatório do SCMP, a BeiDou tem fornecido serviços básicos de navegação global desde 2018, mas a conclusão de seus lançamentos de satélite aumentará muito sua precisão de posicionamento – de 10 metros (33 pés) para 10 centímetros (4 polegadas). O GPS, de propriedade do governo dos Estados Unidos e operado pela Força Aérea dos Estados Unidos, tem uma precisão de cerca de 30 centímetros.

Jin acredita que o regime está promovendo o sistema BeiDou para mostrar sua força militar. “A competição [entre os Estados Unidos e a China] no campo espacial é previsível”, disse ele.

Corrida espacial do PCC

A missão da China em Marte, Tianwen-1, foi lançada em 23 de julho. Lee comentou: “O Partido Comunista Chinês investiu pesadamente no desenvolvimento da ciência e tecnologia espaciais nos últimos dez anos e pretende competir com os Estados Unidos no campo do espaço, estações espaciais e exploração espacial”.

No entanto, quanto a quanto tempo essa competição pode se sustentar, ele não está otimista. “Quando a União Soviética lançou seu primeiro satélite artificial ao espaço em 1957, estimulou o governo dos Estados Unidos a estabelecer a NASA para desenvolver tecnologia espacial. Após décadas de competição, o desenvolvimento espacial da União Soviética finalmente terminou devido à insuficiência de fundos”, disse ele.

Comparando a competição espacial como uma maratona de 26 milhas versus uma corrida de velocidade de 100 ou 200 metros, Lee disse: “É questionável se a China terá fundos, mão de obra e tecnologia suficientes para sustentar esta competição de longa data com os Estados Unidos”.

Propósitos de propaganda nacional

“Na verdade, para acompanhar os olhos do público nos Estados Unidos, o regime pretende exagerar”, analisou Lee.

Os satélites e porta-aviões BeiDou alcançam “o efeito de propaganda doméstica, [que] é muito maior do que o efeito real, e é muito maior do que qualquer ameaça que represente para os Estados Unidos e outros países”, acrescentou Lee.

Tática de vendas

Com relação à alegação de que a China exportou suas commodities BeiDou para mais de 120 países e regiões, Jin Sun disse que provavelmente é um exagero.

“O uso prático do BeiDou na China não é visível.” Ele acredita que o regime faria o possível para atrair compradores em outras partes do mundo da mesma forma que promoveu o equipamento de rede 5G da Huawei.

“Pode ser uma tática de vendas para promover o sistema. Alguns países podem usá-lo como um sistema de backup. No entanto, na realidade, não será capaz de substituir o GPS americano ou o Glonass [sistema de navegação por satélite] da Rússia”, disse ele.

Se o PCC deseja competir com os produtos americanos no mercado, ele deve fornecer um posicionamento mais preciso. “O GPS dos EUA não foi desenvolvido apenas há muito tempo, sua precisão é a mais confiável dos quatro sistemas do mundo”, disse ele. BeiDou, GPS, Glonass e Galileo da União Europeia são os quatro sistemas principais.

Em uma coletiva de imprensa do Gabinete de Informação do Conselho de Estado Chinês em 3 de agosto, o regime afirmou que o BeiDou desempenhou um papel importante nas operações de controle de enchentes do país. Pequim afirmou que o fluxo de detritos pode ser previsto, monitorando a deformação em tempo real.

Jin, ex-engenheiro da Huawei, desmascarou essas afirmações. Ele enfatizou que a precisão do BeiDou ainda era limitada e que o BeiDou foi projetado principalmente para fins militares.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
https://youtu.be/xWIKu8i8zaI
 
Matérias Relacionadas