Bebê que sofreu abusos e ‘se parecia com alienígena’ prospera com amorosa família adotiva

'Descobrimos que havia muito mais crianças no sistema do que pais adotivos para cuidar delas'

Por Louise Bevan 

Um programa de rádio sobre como criar filhos com necessidades especiais incentivou um casal de Ohio a expandir sua família.

Mal sabiam eles na época que uma criança que foi “condenada a uma vida inteira de deficiência” por seus pais biológicos logo entraria em suas vidas e as mudaria para sempre.

Eric e LeAnne Stadler se casaram em 1996 e tiveram um filho e uma filha. Eles viveram “a vida de conto de fadas” por alguns anos até que Eric ouviu um programa de rádio reconfortante centrado em torno da família.

Eric Stadler com seus quatro filhos biológicos e o bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)
Eric Stadler com seus quatro filhos biológicos e o bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)

“Eric sentiu em seu coração que deveríamos ter outro bebê”, escreveu LeAnne, compartilhando sua história de vida na Love What Matters.

O casal teve outro filho biológico e mais uma filha. Mas após se mudarem para uma casa de campo com terreno, perceberam que ainda havia espaço em sua casa e em seus corações. Os pais de LeAnne tinham recebido crianças necessitadas, e LeAnne tinha visto o custo que isso poderia gerar, mas ela e Eric sentiram a necessidade.

“Descobrimos que havia muito mais crianças no sistema do que pais adotivos para cuidar delas”, escreveu ele.

O casal fez cursos e tornaram-se pais adotivos licenciados em 2014. Três anos de experiência inestimável depois, Eric e LeAnne receberam uma ligação do departamento de Serviços para Crianças sobre um menino de dois meses, Easton, que estava desesperado. Eles não hesitaram.

Easton era frágil, esquelético e triste.

O bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)
O bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)

“Pela primeira vez na minha vida, eu estava com medo de trazer um bebê para casa!”, lembrou LeAnne. “Eu nunca tinha visto nada parecido com ele. Era azul!”

“Era tão lamentável… ele honestamente parecia um alienígena”, acrescentou LeAnne.

Na verdade, o bebê estava morrendo de fome. Os médicos o diagnosticaram com “Falha no Crescimento Orgânico” (OMF), o que significa que Easton poderia ganhar peso, mas ele simplesmente não havia sido alimentado.

(Cortesia: LeAnne Stadler)
(Cortesia: LeAnne Stadler)

Uma enfermeira fez a ligação. Durante uma visita obrigatória pelo estado à casa dos pais biológicos de Easton, ela encontrou o bebê dormindo com roupas sujas, sem comer e coberto de pêlos de gato e cachorro, lembrou LeAnne. A enfermeira chamou as autoridades. Um detetive removeu Easton da casa no mesmo dia e iniciou uma investigação sobre o suposto abuso.

“Ele não chorou nem uma vez. Nem uma vez ele acordou para comer sozinho. Não podia. Isso é fracasso em prosperar”, escreveu LeAnne.

“Quando o choro de uma criança por cuidados não é atendido, ela para de chorar”, acrescentou LeAnne. “Quando seus estômagos famintos não são alimentados, eles perdem a sensação de fome. Aquele doce menino tinha desistido, mas nós não estávamos desistindo dele”.

São e salvo com os Stadlers, Easton era um bebê tranquilo.

(Cortesia: LeAnne Stadler)
(Cortesia: LeAnne Stadler)

Easton recebeu amor e carinho 24 horas por dia. Ele começou a ganhar peso, mas ainda assim algo não estava certo. LeAnne o descreveu “como uma boneca de pano” com um vazio atrás dos olhos.

Uma ressonância magnética confirmou um traumatismo craniano não acidental e um diagnóstico angustiante: síndrome do bebê sacudido. Quando o pai biológico de Easton foi questionado, ele confessou que sacudiu o bebê chorando e o jogou em um sofá, fazendo com que ele tivesse uma convulsão.

Nenhum dos pais ligou para o 911. O pai foi condenado a quatro anos de prisão.

Eric Stadler com seus quatro filhos biológicos e o bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)
Eric Stadler com seus quatro filhos biológicos e o bebê Easton (Cortesia: LeAnne Stadler)

Inicialmente, o objetivo do caso de Easton era a reunificação.

Falando ao Epoch Times, LeAnne compartilhou o desejo de sua família de “conscientizar as pessoas sobre a reforma que precisa acontecer” dentro do sistema de bem-estar infantil.

“Easton teve que continuar a visitar seus agressores [antes da confissão de seu pai] e sofreu estresse pós-traumático por causa disso. Esta é uma das muitas coisas que precisam mudar”, afirmou ela ao Epoch Times.

Mas as coisas melhoraram para o doce menino. Easton cresceu; Começou a fazer fisioterapia e fonoaudiologia. Apesar de diagnósticos adicionais de paralisia cerebral hipotônica, disfagia (um distúrbio de deglutição) e dispraxia (um distúrbio da fala), o pequeno guerreiro perseverou.

Ele começou a aprender a andar com uma órtese aos 2 anos de idade.

“Ele não consegue acompanhar crianças de sua idade, mas está feliz!” LeAnne escreveu na Love What Matters. “Ele não vê suas diferenças e não deixa que elas o detenham”.

(Cortesia: LeAnne Stadler)
(Cortesia: LeAnne Stadler)

O melhor de tudo é que os tribunais de Ohio decidiram que o condado teria a custódia permanente de Easton, tornando-o adotável. Assim como naquela primeira noite fatídica, Eric e LeAnne não hesitaram.

Pouco antes de seu terceiro aniversário, eles adotaram Easton, “um menino que Deus sabia que precisávamos”, afirmou LeAnne.

Easton ainda terá momentos difíceis pela frente, mas sua família e médicos acreditam nele.

“Todos compartilharam conosco que nunca imaginaram que estaria onde está hoje”, afirmou LeAnne. “Ele superou em muito suas expectativas. Amor e nutrição podem mudar uma vida”. 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas