Bebê da noiva do ISIS morre de pneumonia reacendendo o debate sobre a cidadania britânica

"Esta foi uma morte totalmente evitável de um cidadão britânico"

Por Simon Veazey

O bebê da colegial que se juntou ao ISIS, Shemima Begum, morreu de pneumonia, segundo relatos que dizem que as Forças Democráticas da Síria confirmaram a morte do menino de 3 semanas.

Um porta-voz das Forças Democráticas da Síria confirmou à AP que a criança morreu em um acampamento no norte da Síria, onde Begum, de 19 anos, estava vivendo depois de fugir dos vestígios do chamado califado do grupo terrorista.

A morte do menino reacendeu o feroz debate sobre se o ministro do Interior britânico deveria ter revogado a cidadania de Begum.

Seu filho, Jarrah, morreu de pneumonia em 7 de março, segundo um atestado médico, informou a BBC.

Begum viajou para a Síria como uma colegial, com apenas 15 anos, de sua casa em Londres para se juntar ao chamado califado. Ela deu à luz em um campo de refugiados curdos, depois de gerar polêmica com várias entrevistas.

Em suas entrevistas, ela indicou que queria retornar ao Reino Unido, mas expressou pouco remorso ou indicação de que ela havia abandonado a ideologia do califado.

Citando preocupações de segurança, a secretária do interior do Reino Unido anunciou no final de fevereiro que sua cidadania havia sido revogada.

A família expressou seu próprio choque com sua falta de arrependimento, mas prosseguiu com uma contestação legal à decisão do governo de tirar a cidadania britânica de Begum.

A morte do bebê provocou críticas a essa decisão.

Shamima Begum interviewed by Sky News
Shamima Begum sendo entrevistada pela Sky News, no norte da Síria, em 17 de fevereiro de 2019 (Reuters)

Falando à BBC, na sexta-feira antes da morte do bebê ter sido confirmada, o ministro do Interior britânico, Sajid Javid, disse: “Infelizmente, provavelmente há muitas crianças, obviamente inocentes, que nasceram nesta zona de guerra”.

“Eu não tenho nada além de simpatia pelas crianças que foram arrastadas para isso.”

“Este é um lembrete de porque é tão perigoso para qualquer um estar nesta zona de guerra.”

Dal Babu, ex-superintendente da Polícia Metropolitana e amigo da família de Begum, disse à BBC Newsnight: “Nós falhamos, como país, em proteger a criança”.

“Esta foi uma morte totalmente evitável de um cidadão britânico”, disse Babu, referindo-se ao fato de que desde que o bebê nasceu antes de Begum ser destituída de sua cidadania, ele tinha cidadania britânica.

runaway ISIS schoolgirls
Kadiza Sultana, Amira Abase e Shamima Begum (esq-dir) em fotos divulgadas pela polícia (Polícia Metropolitana)

No entanto, Javid havia dito anteriormente que trazer o bebê para casa da zona de guerra seria “incrivelmente difícil”.

“Se for possível, de alguma forma, para uma criança britânica ser trazida para um lugar onde haja uma presença consular britânica, o lugar mais próximo – pode ser a Turquia, por exemplo – nessas circunstâncias eu acho que é possível arranjar algum tipo de ajuda com o consentimento dos pais ”, disse ele a um comitê de legisladores.

“Dentro da Síria, seja em um acampamento ou talvez em outro lugar, não há presença consular britânica.”

ISIS bride Shamima Begum and her father
Esquerda – Shamima Begum sendo entrevistada pela Sky News no norte da Síria em 17 de fevereiro de 2019. Direita – Ahmed Ali, pai de Begum, falando com repórteres em Sunamganu, Bangladesh, em 5 de março de 2019 (Reuters; AP Photo)

Em resposta às notícias da morte do menino, um porta-voz do governo disse: “A morte de qualquer criança é trágica e profundamente angustiante para a família”.

“O Foreign and Commonwealth Office tem consistentemente desaconselhado as viagens na Síria desde abril de 2011”, disse o porta-voz, segundo o Independent.

“O governo continuará a fazer o que pudermos para evitar que as pessoas sejam levadas ao terrorismo e viajem para zonas de conflito perigosas”.

Em entrevistas anteriores, Begum disse que, embora não concordasse com tudo o que o grupo terrorista fizera, não se arrependia de ter ingressado no ISIS e sugeriu que os ataques aéreos contra o grupo terrorista na Síria “justificavam” o ataque terrorista da Arena de Manchester.

“É uma coisa de mão dupla, realmente”, disse ela à BBC, acrescentando que o suicida que matou 22 civis em um show de Ariana Grande, em Manchester, foi uma “espécie de retaliação” por bombardeios em enclaves mantidos pelo Estado Islâmico, acrescentando “Então eu pensei, ok, isso é uma justificativa justa”.

Com o território do ISIS espremido até sua última gota pelas forças lideradas pelos Estados Unidos nos últimos dois meses, o interesse cresceu nas chamadas noivas ISIS que viajaram do Oeste e agora estão se acumulando nos campos de refugiados na Síria.

O campo de refugiados de 40.000 habitantes tem uma estimativa de 1.500 pessoas que viajaram de países ocidentais, predominantemente da Europa, para se juntarem ao grupo terrorista ISIS.

 
Matérias Relacionadas