‘Beba uma garrafa ou duas’: aliança global apoia vinho australiano diante de bullying e tarifas de Pequim

Por Daniel Y.Teng

Uma aliança global que representa 200 parlamentares de todo o mundo lançou uma campanha em apoio aos vinhos australianos e em oposição ao aumento do “bullying” de Pequim por meio da proibição do comércio.

Lançado no Twitter na terça-feira, o curto vídeo apresentava membros da Aliança Interparlamentar na China (IPAC) pedindo aos cidadãos de suas respectivas nações que deixassem de lado suas bebidas nacionais durante dezembro, e em vez disso comprassem vinho australiano.

Durante o vídeo, a senadora australiana Kimberley Kitching descreveu um incidente no mês passado em que a embaixada chinesa entregou um dossiê de 14 queixas aos meios de comunicação, pedindo ao governo australiano que desistisse de seus esforços para salvaguardar sua soberania.

Em resposta, Pequim “cancelou uma série de importações australianas na tentativa de nos forçar a abandonar nossos valores”, disse Kitching.

“Este não é um ataque à Austrália, é um ataque a países livres em todos os lugares.”

Miriam Lexmann, membro do Parlamento Europeu, pediu às pessoas que “se posicionem contra o bullying autoritário de Xi Jinping”.

“Bebendo uma ou duas garrafas de vinho australiano e informando ao Partido Comunista Chinês que não seremos intimidados”, continuou Elisabet Lann, vereadora sueca.

“Saúde… sem bullying da China”, disse o político dinamarquês Uffe Elbæk.

O IPAC foi estabelecido em junho com o objetivo de manter o Partido Comunista Chinês (PCC) na ordem internacional baseada em regras e nos direitos humanos universais.

Ele é composto por representantes da Austrália, Canadá, Estados Unidos, Alemanha, Japão, Noruega, Suécia, Reino Unido e Parlamento Europeu.

O comportamento do PCC na última semana atraiu condenação generalizada após a imposição de tarifas massivas sobre as importações de vinho australiano. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, também expressou repulsa publicamente a uma postagem no Twitter do ministro das Relações Exteriores chinês, apresentando uma imagem feita em Photoshop de um soldado da Força de Defesa australiana ameaçando uma criança com uma faca.

No fim de semana passado, o Ministério do Comércio do PCC (MOFCOM) impôs tarifas de 100 a 200 por cento sobre as importações de vinho australiano como parte de sua investigação “antidumping” em andamento na indústria.

O maior produtor de vinho da Austrália, o Treasury Wine Estates (fabricantes de Penfolds, Rawson’s Retreat e Jacob’s Creek) foi atingido com uma das tarifas mais altas de 169,3 por cento.

Enquanto os vinicultores menores foram atingidos por uma tarifa ampla de 212,1%.

O MOFCOM alegou que encontrou um dumping “substancial” de vinho de empresas australianas de vinho e que havia uma “relação direta” entre o dumping e os danos reais no mercado de vinho chinês.

Os especialistas em vinho rejeitaram as alegações, chamando-as de “sem fundamento”.

Enquanto o primeiro ministro apontou para os vinhos australianos com o segundo maior preço médio da China no primeiro semestre de 2020, atrás dos vinhos da Nova Zelândia.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas