Publicado em - Atualizado em 19/09/2013 às 16:47

Banco da China é julgado por cumplicidade com terrorismo

A sede do Banco da China em Pequim. A instituição estatal está sendo processada no Supremo Tribunal de Nova York por 50 pessoas que alegam que transferências financeiras intermediadas pelo banco beneficiaram grupos terroristas e resultaram em ataques mortais em Israel (Mark Ralston/AFP/Getty Images)

Banco da China transferiu dinheiro apesar dos avisos de que os fundos iam para terroristas
A sede do Banco da China em Pequim. A instituição estatal está sendo processada no Supremo Tribunal de Nova York por 50 pessoas que alegam que transferências financeiras intermediadas pelo banco beneficiaram grupos terroristas e resultaram em ataques mortais em Israel (Mark Ralston/AFP/Getty Images)

A sede do Banco da China em Pequim. A instituição estatal está sendo processada no Supremo Tribunal de Nova York por 50 pessoas que alegam que transferências financeiras intermediadas pelo banco beneficiaram grupos terroristas e resultaram em ataques mortais em Israel (Mark Ralston/AFP/Getty Images)

O Banco da China está sendo processado por 50 pessoas no Supremo Tribunal Federal em Nova York sob a acusação de transferir conscientemente fundos para organizações terroristas, que resultaram em ataques terroristas mortais em Israel entre 2004 e 2007.

O Banco da China tentou repelir a acusação em 8 de julho de 2011, mas o Tribunal de Apelação de Nova York decidiu no dia 17 de setembro que o julgamento prosseguirá.

O banco estatal da República Popular da China (RPC) é um dos quatro maiores bancos do país. Ele supostamente transferiu milhões de dólares para duas organizações terroristas: o Hamas e o Jihad Islâmico da Palestina. O financiamento teria sido então usado para financiar ataques palestinos com foguetes e atentados suicidas.

Os demandantes incluem vítimas dos ataques e famílias das vítimas. Eles buscam indenizações compensatórias e punições e alegam que, desde 2003, o Banco da China realizou dezenas de transferências bancárias de vários milhões de dólares para o Hamas e o Jihad Islâmico da Palestina.

O dinheiro teria sido transferido de líderes terroristas no Irã e na Síria e enviado para uma conta do Banco da China em Pequim, utilizada por membros seniores dos grupos terroristas. De lá, o dinheiro foi transferido para os líderes dos grupos terroristas na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, onde o dinheiro teria sido usado para realizar os ataques.

Os demandantes disseram que em abril de 2005, os oficiais israelenses de contraterrorismo reuniram-se com funcionários do Ministério da Segurança Pública da China e do Banco Central da China para tratar sobre as transferências bancárias e exigiram ação das autoridades chinesas e que o Banco da China impedisse novas transferências de fundos para grupos terroristas.

“Apesar dos alertas israelenses, ele [o Banco da China] – com a aprovação do governo chinês – continuou a transferir fundos para terroristas do Hamas e [do Jihad Islâmico da Palestina]”, segundo um comunicado de imprensa enviado em nome dos demandantes.

A decisão da Divisão de Apelação do tribunal do estado de Nova York sustenta que, no próximo julgamento, o tribunal de Nova York deverá aplicar a lei israelense. Réus do Banco da China argumentaram que a lei chinesa deveria ser aplicada neste caso, pois o banco tem sede em Pequim, mas o pedido foi negado. A decisão do tribunal diz: “Nós achamos que não há nada de repugnante à política pública de Nova York ao considerar que a lei israelense seja aplicada a esta ação.”

O tribunal disse que o especialista dos demandantes explicou que “alegada transferência de fundos [do Banco da China] é suficiente para submetê-lo a sanções por ‘dar’ ou ‘pagar’ fundos a grupos terroristas” segundo a lei israelense. A decisão do Tribunal de Apelação assegura agora que o processo contra o Banco da China voltará ao Supremo Tribunal Federal para investigação e julgamento.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
  • Dagmar Barták

    CHINA, envolvida com terrorismo?! Não me façam cair em gargalhadas!!!
    O que se podia esperar dos EUA, sob o comando do atual presidente?
    No mínimo o governo americano está interressado no dinheiro dos chineses!
    Vamos aos fatos:
    BARACK HUSSEIN OBAMA e sua estratégia…

    Obama estava desesperado em bombardear a Síria, para apagar os últimos vestígios das Armas Químicas, que ele deu aos seus amigos Terroristas muçulmanos, chamados de “Rebeldes”, para serem espalhadas entre o povo, com a finalidade de incriminar o governo sírio, e finalmente conseguir o seu verdadeiro objetivo: ajudar em implantar o ISLAMISMO RADICAL, na Síria.
    Nota: no Egito, onde OBAMA também interferiu em prol da IRMANDADE MUÇULMANA se deu mal, e o ISLAMISMO RADICAL foi derrubado.
    Ora, não é OBAMA que envia armamentos e dinheiro para os Terroristas, na Síria?
    Não foi Obama que entregou um Drone para que os iraquianos o pudessem copiar, sob alegação que caiu no IRÃ?
    Obama, monitora os telefonemas no mundo inteiro, sob alegação que é para combater o Terrorismo.
    Se realmente quisesse combater o Terrorismo, monitoraria os telefonemas de muçulmanos, que são Terroristas, e não dos europeus e asiáticos!!!
    Alega que combate Terrorismo, no entanto, deixou que os irmãos chechenos, praticassem Terrorismo na maratona de Boston, embora tivesse sido avisado pelo Serviço de Inteligência Russa, que eram perigosos, e cuja mãe deles estava fichada no FBI, como Terrorista.
    OBAMA alegou ter mandado matar OSAMA BIN LADEN, e nada foi provado. O interessante é que os enviados para o Oriente Médio, e que participaram da FARSA, num total de 24 (vinte e quatro), e dos quais 20 (vinte) já estão mortos, numa verdadeira ‘QUEIMA DE ARQUIVO”.
    A única realidade crua e nua é que OBAMA é aliado dos Terroristas muçulmanos, e lhes passa todas as informações necessárias sobre tudo que acontece no Ocidente, no que se refere ao combate ao Terrorismo, através de escutas de telefonemas e internet, para que possa avisar em tempo, seus amigos Terroristas muçulmanos, se alguma preparação para um atentado Terrorista, já foi descoberta, para os advertir. Quando os verdadeiros combatentes do Terrorismo nada descobrem, o atentado é realizado.
    Se não tivesse essa intenção, não precisaria monitorar telefonemas dos Ocidentais e Orientais, porque eles não enviam Terroristas para matar em outros países, como os muçulmanos!
    Em meio a um discurso do OBAMA, lhe escapou: “FUI PREPARADO POR ANOS, PARA SER PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA”. A nítida impressão que se tem, é que foi preparado por Terroristas muçulmanos. E se aproveitando de atual tecnologia usada por NSA, PRISM E VERIZON, incluindo os Drones, está sabotando o mundo civilizado, sob alegação que combate o Terrorismo, porém OBAMA, na verdade combate a civilização ocidental e oriental, em prol dos Terroristas muçulmanos!
    A Europa e os países civilizados não podem e nem devem aceitar qualquer ajuda desse “infiltrado” na presidência americana, o OBAMA, que se faz passar por um simples mulato e cristão, e cuja verdadeira identidade e religião continuam uma incógnita!
    E, graças ao BARACK HUSSEIN OBAMA, o terrorismo aumentou!!!

Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016