Avanço das chamas na Califórnia força a evacuação de uma cidade inteira

Por Agência EFE

O avanço das chamas durante as últimas horas no maior dos incêndios ativos na Califórnia na terça-feira obrigou a evacuação de uma cidade inteira de mais de 1.000 habitantes, de acordo com uma ordem emitida pelo Gabinete do Xerife do Condado de Plumas.

O incêndio , apelidado de “Dixie” pelas autoridades, já destruiu mais de 100 mil hectares e forçou o despejo de todos os moradores de Greenville, nas encostas da Sierra Nevada, no nordeste da Califórnia.

O incêndio, o décimo primeiro maior já registrado na história do estado, foi declarado no dia 14 de julho e os mais de 5 mil militares que trabalham nele só conseguiram contê-lo em 35%, informou o Departamento de Florestas e Proteção contra Incêndios da Califórnia (Cal Fire).

Um carro clássico queimado é encontrado entre os restos fumegantes de uma casa durante o incêndio em Dixie no bairro de Indian Falls, no condado não incorporado de Plumas, Califórnia, em 26 de julho de 2021 (Josh Edelson / AFP via Getty Images)

Embora a investigação sobre a causa do incêndio ainda esteja aberta, a principal hipótese que está sendo trabalhada é a de uma falha na rede elétrica.

De acordo com a documentação fornecida à Comissão de Abastecimento Público da Califórnia, um operador da PG&E estava consertando um incidente em uma linha de energia na região quando observou como os fusíveis no topo de uma torre começaram um incêndio no sub-bosque.

A PG&E (como a Pacific Gas & Electric é popularmente conhecida) é o maior fornecedor de eletricidade dos Estados Unidos, fornecendo energia para praticamente toda a população do centro e norte da Califórnia.

Equipes de bombeiros fazem uma pausa enquanto fecham pontos críticos e limpam uma área queimada no incêndio Dixie perto de casas rústicas em uma colina em Twain, Califórnia, em 26 de julho de 2021 (Robyn Beck / AFP via Getty Images)

O incêndio traz de volta as piores memórias para os residentes da vizinha Paradise, uma cidade que foi devastada em 2018 pelo incêndio mais mortal da história da Califórnia, matando 85 pessoas e também começou por uma falha em uma linha de energia da PG&E.

As altas temperaturas dos dias de hoje desencadeiam a demanda por energia elétrica (em grande parte devido ao uso de condicionadores de ar), o que aumenta a pressão na rede e, aliada à extrema secura do terreno, cria um cenário muito favorável ao incêndio.

Fora da Califórnia, no estado vizinho de Oregon, o que é atualmente o maior de todos os incêndios nos Estados Unidos ainda ativo, conhecido como “Bootleg”,  foi relatado após um relâmpago em 6 de julho na área arborizada de Winema-Fremont.

As chamas já calcinaram mais de 167 mil hectares, mas os bombeiros fizeram avanços importantes nos últimos dias e os contiveram em 84%.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas