Autoridades dos EUA e Brasil prendem 113 pedófilos

"Os investigadores localizaram centenas de imagens de pornografia infantil, incluindo várias imagens de seus próprios filhos nus"

Por Agência EFE

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira que, em colaboração com o Brasil, 113 supostos abusadores e exploradores de menores foram presos. Eles agiram contra distribuidores e produtores de pornografia infantil na Argentina, Paraguai e Panamá.

“Esta colaboração do Immigration and Customs Enforcement Service (ICE) no Departamento de Segurança Interna e seus parceiros estrangeiros de aplicação da lei colocou criminosos perigosos atrás das grades e, o mais importante, levou ao resgate de crianças inocentes”, disse ele em uma declaração de Robert Fuentes, adido do ICE para o Brasil e a Bolívia.

As prisões ocorreram entre os dias 2 e 6 de novembro na sétima fase da chamada Operação Infância Protegida (OPC VII), iniciada em março de 2015 pela divisão de investigações do ICE no Brasil com o objetivo de aumentar a eficácia da ação da polícia nas investigações sobre a exploração de crianças.

Nesta fase, as autoridades realizaram 13 buscas nos estados americanos da Pensilvânia, Carolina do Norte, Tennessee, Califórnia, Colorado e Flórida, e efetuaram nove detenções por crimes relacionados com a exploração de menores.

“Essas ações foram executadas simultaneamente com operações policiais realizadas por autoridades brasileiras e parceiros internacionais da polícia na Argentina, Paraguai e Panamá”, acrescentou o comunicado do ICE.

Durante a operação, foram realizadas 137 buscas no Brasil e sete prisões na Argentina, houve 37 buscas e duas prisões, no Paraguai duas buscas resultaram em duas prisões e no Panamá a execução de sete mandados de busca resultou em cinco prisões.

A reportagem detalhou que no dia 6 de novembro, na cidade de Raleigh (Carolina do Norte), um sujeito suspeito de produção, transporte e posse de pornografia infantil foi preso por mandado federal, após as autoridades receberem pistas que levaram a um indivíduo que distribuía pornografia infantil em salas de bate-papo virtuais por meio do aplicativo de mensagens Kik.

“Os investigadores localizaram centenas de imagens de pornografia infantil, incluindo várias imagens de seus próprios filhos nus”, disse o relatório.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas