Autoridades chinesas tentam cancelar evento de direitos humanos em universidade canadense

“Isso mostra que um evento universitário que atraiu 30 pessoas foi considerado uma grande prioridade para a política externa chinesa"

De Margaret Wollensak, The Epoch Times

Autoridades chinesas tentaram pressionar um instituto de pesquisa de direitos humanos a cancelar um evento na Universidade de Concordia, em Montreal, que contou com um líder muçulmano uigur exilado, disse um dos organizadores do evento.

Kyle Matthews, diretor executivo do Instituto de Genocídio e Estudos de Direitos Humanos de Montreal, em Concordia, disse que foi contatado pelo cônsul geral em Montreal, em 25 de março, sobre uma conferência planejada para o dia seguinte sobre a seita muçulmana Uighur, reprimida na região chinesa de Xinjiang, relata o CBC.

O evento contou com uma discussão com Dolkun Isa, um ativista estudantil de Xinjiang e presidente do Congresso Mundial Uigur. Isa, cidadão alemão desde 2006, é procurado pelo regime chinês.

O e-mail enviado para Matthews, escrito em francês, disse que o vice-cônsul geral, Wang Wenzhang, solicitou uma “reunião urgente” para “comunicar nossos pontos de vista”, segundo o National Post.

Matthews optou por não responder ao e-mail e o evento prosseguiu como planejado. Algumas dezenas de pessoas participaram do evento, incluindo estudantes, jornalistas e representantes de direitos humanos como a Anistia Internacional, informou o National Post.

Matthews disse que depois descobriu que o cônsul geral também contatou outras pessoas, em Montreal, em uma tentativa de pressionar a universidade para cancelar o evento.

“Eu acho isso problemático. Isso vai contra a liberdade de expressão, vai contra os direitos das universidades de falar sobre questões complexas e questões contemporâneas ”, disse Matthews, em entrevista à Radio Canada International, em 27 de março.

“Isso mostra que um evento universitário que atraiu 30 pessoas foi considerado uma grande prioridade para a política externa chinesa levando o governo chinês a tentar interrompê-lo e cancelá-lo.”

O consulado chinês em Montreal e a embaixada chinesa, em Ottawa, não puderam ser contatados para comentar o assunto.

Organizações de direitos humanos relatam que entre um e dois milhões de uigures estão detidos nos chamados campos de “reeducação” em Xinjiang. Há também relatos de que famílias foram separadas, e aquelas que não estão em campos vivem sob constante vigilância, são forçadas a negar sua fé e devem jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês.

O regime chinês alega que a intenção de seu programa de desradicalização é reprimir extremistas na região, mas ativistas de direitos humanos estão chamando-o de “genocídio cultural” e a Turquia condenou abertamente o comportamento da China.

“Já não é segredo que mais de um milhão de turcos uigures que incorrem em prisões arbitrárias estão sujeitos a tortura e lavagem cerebral política em campos de concentração e prisões”, disse Hami Aksoy, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores turco. “Uigures que não estão detidos nestes campos estão sob forte pressão”.

Em seu relatório de 2017/2018 sobre a China, a Anistia Internacional disse que “a repressão conduzida sob campanhas de ‘anti-separatismo’ ou ‘antiterrorismo’ permaneceu particularmente severa na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, e nas áreas povoadas pelo Tibete”.

A Anistia também disse que as leis e regulamentos relacionados à segurança nacional continuaram a ser criados para dar às autoridades maiores poderes para silenciar a dissensão e censurar as informações.

Dois outros incidentes no início deste ano também levantaram preocupações sobre as alegações de que a China tentou interferir nas universidades de Ontário, embora a embaixada chinesa tenha negado envolvimento.

Rukiye Turdush, um ativista uigur, fez um discurso no início deste mês na Universidade McMaster, que criticava o regime de tratamento dos uigures. Seu discurso foi interrompido por filmagens e gritos de estudantes chineses no que Turdush disse ser uma tentativa do regime de reprimir sua mensagem.

Ela disse que, de acordo com as mensagens do WeChat, os alunos foram instruídos por alguém e acredita que era alguém do consulado chinês. No entanto, ela disse que não tem provas explícitas.

Em outro exemplo, a estudante da Universidade de Toronto, Chemi Lhamo, 22 anos, cidadã canadense de ascendência tibetana, recebeu milhares de mensagens de ódio após ser eleito presidente do sindicato estudantil em fevereiro. De acordo com o CBC, muitas das mensagens, postadas em sua conta no Instagram, continham uma retórica odiosa, muitas vezes contra o Tibete. Alguns até ameaçavam.

A polícia de Toronto está investigando se algumas das mensagens recebidas por Lhamo constituem ameaças criminosas, informa o Ottawa Citizen.

Na época, Lhamo se perguntou se havia alguém coordenando o assédio, embora ela tenha dito que não tinha provas de que as autoridades chinesas estavam envolvidas na reação contra ela.

 
Matérias Relacionadas