Autoridades chinesas prendem jornalista chinesa por reportar sobre o vírus do PCC em Wuhan

Por Frank Fang

A jornalista cidadã chinesa Zhang Zhan, que viajou para a cidade de Wuhan para denunciar o surto do vírus do PCC, foi detida, tornando-se a quarta jornalista freelancer conhecida a ser silenciada pelas autoridades por tentar documentar os efeitos da pandemia.

A prisão de Zhang foi relatada em 20 de junho pelo Weiquan Wang, um site chinês dedicado a notícias sobre ativistas de direitos humanos. Segundo a publicação, as autoridades locais prenderam Zhang em 19 de junho, depois que o gabinete do promotor em Pudong, um distrito de Xangai, aprovou sua prisão sob a acusação de “causar brigas e problemas”.

Zhang está agora sendo mantida no Centro de Detenção do Novo Distrito de Pudong. A prisão da jornalista também foi relatada pelo grupo chinês de direitos humanos chinês Chinese Human Rights Defenders (CHRD).

Um mês antes, Zhang havia desaparecido. O Departamento de Polícia de Pudong disse em uma declaração de 15 de maio que ela havia sido presa, de acordo com o CHRD.

O Repórteres Sem Fronteiras (RSF), uma organização sem fins lucrativos sediada em Paris, disse que, em 26 de maio, Zhang ainda estava detida em Xangai.

Zhang, uma residente de Pudong, era advogada de direitos humanos antes de sua licença de prática ser retirada pelas autoridades locais depois que ela participou de uma campanha de petição em 2017, buscando emendas a uma lei administrativa local sobre advogados.

Ao chegar a Wuhan no início de fevereiro, Zhang se tornou repórter postando reportagens em  vídeos em sua conta do WeChat, Twitter e YouTube.

Em 13 de maio, Zhang postou um vídeo no YouTube, falando em frente à Estação Ferroviária Hankou em Wuhan. No vídeo, ela criticou o plano do governo local de realizar testes de vírus a um custo de US$ 180 yuan (cerca de US$ 25) por pessoa, dizendo que o preço era muito alto, já que os moradores estavam presos a meses.

Ela acrescentou que, embora os direitos humanos tenham sido violados durante o surto, as pessoas provavelmente estariam dispostas a pagar o custo dos testes, na esperança de mostrar que estão livres do vírus. Para passar nos controles de segurança em muitas cidades, os cidadãos devem enviar um código gerado por um aplicativo móvel que comprove que estão livres de vírus.

Zhang também criticou as táticas de intimidação adotadas pelas autoridades de Wuhan para controlar a propagação do vírus, como “uma desgraça para o país”.

Um dia depois, Zhang desapareceu.

Grupos de direitos humanos expressaram preocupação com a prisão de Zhang.

“A China se orgulha de lidar com a pandemia da COVID-19, mas parece ter um medo mortal de permitir que jornalistas independentes como Zhang Zhan contem livremente a história do que está acontecendo”, disse Steven Butler, coordenador do Comitê para a Proteção de Jornalistas. Programa Asiático em uma declaração.

“As autoridades chinesas devem liberar Zhang imediatamente e permitir que ela continue o importante trabalho de documentar o impacto da doença”.

A RSF informou que o paradeiro de dois jornalistas cidadãos, Chen Qiushi e Fang Bin, permanece desconhecido, depois que ambos foram presos no início de fevereiro em Wuhan.

Outro jornalista cidadão, Li Zehua, reapareceu no final de abril depois de postar um vídeo no YouTube dizendo que ele foi forçado a permanecer em quarentena. Ele estava desaparecido há quase dois meses.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 

 
Matérias Relacionadas