Autoridades chinesas encomendam doações de suprimentos médicos do exterior e vendem para obter lucro

Compras foram feitas no auge da pandemia

Por Nicole Hao

Jiang Pengyong, neto de um alto funcionário chinês, está divulgando a história de seu envolvimento em um plano para adquirir equipamentos de proteção individual de países estrangeiros e vendê-los ao regime chinês.

Jiang inicialmente aceitou o plano porque pensou que estava contribuindo para a crise epidêmica do país. Jiang adquiriu os suprimentos médicos por meio de sua empresa de comércio eletrônico sediada em Shenzhen, a Shenzhen Jipingyong Tech Company. A empresa tem um escritório na Coreia do Sul e Jiang está sediado lá.

Huang Zhongnan, um contato seu na China, disse a Jiang que suprimentos médicos seriam doados para profissionais de saúde da linha de frente ou cidadãos comuns que precisassem se defender contra a disseminação da COVID-19.

Mas Huang mais tarde revelou que os suprimentos médicos foram entregues a funcionários do governo e fundações, que os venderam no intuito de lucrar.

Depois que Huang não precisou mais comprar suprimentos médicos no exterior, Jiang recebeu uma denúncia de que as autoridades do governo chinês na cidade de Suzhou o estavam processando por cometer fraude contratual.

Jiang decidiu divulgar sua história para revelar a corrupção na China.

As máscaras que Jiang Pengyong comprou na Coreia do Sul e os registros das conversas entre Jiang e Huang Zhongnan, em fevereiro de 2020 (fornecidos ao Epoch Times)
As máscaras que Jiang Pengyong comprou na Coreia do Sul e os registros das conversas entre Jiang e Huang Zhongnan, em fevereiro de 2020 (fornecidos ao Epoch Times)

O plano

Em janeiro, quando o surto do vírus do PCC piorou na China, Huang, um agente da Cruz Vermelha chinesa, abordou Jiang e pediu-lhe que o ajudasse a comprar suprimentos médicos de países estrangeiros.

A Cruz Vermelha chinesa, ao contrário de suas contrapartes internacionais, é financiada e administrada diretamente pelo regime chinês. Ela já esteve envolvida em um escândalo de corrupção local em 2011.

Jiang estava ciente da má reputação da Cruz Vermelha chinesa. Mas, por insistência de Huang, ele finalmente aceitou.

“A epidemia foi muito grave … senti que era meu dever ajudar meu povo”, disse ele. A equipe médica chinesa em Wuhan, o epicentro do surto na China, não tinha EPI (equipamento de proteção individual) durante o auge da epidemia.

Enquanto isso, o governo central alocou fundos para governos locais e instituições de caridade para comprar suprimentos médicos, aparentemente para entregá-los às pessoas necessitadas.

De acordo com Jiang, Huang era um agente da filial provincial de uma grande instituição de caridade em Zhejiang; ramos da Cruz Vermelha chinesa; e de vários governos locais em Zhejiang.

Por meio da Enbo (Hangzhou) Industrial Company de Huang, atuando como fornecedora do governo, os governos locais comprariam três milhões de máscaras cirúrgicas de Jiang ao preço unitário de oito yuans (cerca de US$ 1,16).

Os contratos eram entre a empresa de Huang e a empresa de Jiang.

Documento oficial da Comissão Distrital de Saúde de Wujiang na cidade de Suzhou, emitido para permitir o envio de pedidos de PPE de Jiang, 7 de fevereiro de 2020 (fornecido ao Epoch Times)
Documento oficial da Comissão Distrital de Saúde de Wujiang na cidade de Suzhou, emitido para permitir o envio de pedidos de EPI de Jiang, 7 de fevereiro de 2020 (fornecido ao Epoch Times)

Os governos locais fingiram que estavam comprando suprimentos para doar a instituições de caridade.

Mas, na realidade, Huang disse mais tarde a Jiang no final de janeiro que venderia as máscaras para filiais locais da Cruz Vermelha chinesa e outras instituições de caridade por um preço mais alto, a 35 yuans (US$ 5,06) cada.

A receita seria compartilhada entre funcionários do governo, Huang e Jiang.

Jiang forneceu cópias de mensagens de texto no popular aplicativo de mensagens WeChat entre ele ou sua equipe e Huang para organizar remessas, bem como pedidos de compra entre a empresa de Huang e entidades governamentais locais.

Por exemplo, uma mensagem datada de 1º de fevereiro e emitida pelo Centro para Controle e Prevenção de Doenças no distrito de Jianggan, cidade de Hangzhou, confirmou o envio de “suprimentos médicos comprados no exterior” entre 1 e 4 de fevereiro.

Ele também forneceu cópias das transações bancárias entre ele e Huang para suprimentos.

Jiang achou que era desonesto fraudar o financiamento do governo central, mas Huang o convenceu de que o plano foi aprovado pelos governos locais.

No papel, as transações pareciam legítimas.

Um documento de 7 de fevereiro da Comissão Distrital de Saúde de Wujiang, na cidade de Suzhou, afirmou que: “Para prevenir e controlar a nova epidemia de coronavírus, a Comissão de Saúde de Wujiang confia ao Gerente Geral da Shenzhen Jipingyong Tech Company, Jiang Pengyong, a compra de EPP no exterior. Esses EPIs serão embarcados para a China em voos fretados”.

O documento foi emitido para que as remessas sejam liberadas na alfândega e nos postos de controle ao longo da rota de transporte.

Mas Jiang finalmente percebeu que havia um esquema mais profundo.

Jiang Pengyong visita um local turístico na Coreia do Sul em 2020 (fornecido ao Epoch Times)
Jiang Pengyong visita um local turístico na Coreia do Sul em 2020 (fornecido ao Epoch Times)

Negócios sombrios

Em 31 de janeiro, Jiang estava programado para estar no aeroporto de Seul e aguardou para efetuar um carregamento de máscaras cirúrgicas em um avião isolado para a entrega da ajuda. Huang disse a Jiang em uma série de mensagens do WeChat que essas máscaras foram encomendadas por uma importante instituição de caridade da Filial Provincial de Zhejiang, para distribuição na cidade de Wuhan.

Mas naquele dia, Huang de repente disse a Jiang para enviar as máscaras para a cidade de Hangzhou (localizada em Zhejiang) em vez de caridade e que ele faria isso como um envio regular.

Isso levantou as suspeitas de Jiang.

Em 1º de fevereiro, Huang pediu a Jiang para enviar 3,5 milhões de máscaras faciais KF95 para a China, um filtro sul-coreano padrão semelhante à classificação de máscara N95 dos EUA.

Em 2 de fevereiro, quando o funcionário de Jiang estava pronto para enviar máscaras para a China como material de socorro, Huang disse em uma mensagem de texto do WeChat para enviar o EPI a uma empresa privada chinesa.

Mais tarde, Huang revelou a Jiang que funcionários da Cruz Vermelha chinesa e outras instituições de caridade também estavam envolvidos no negócio: eles iriam vender diferentes suprimentos médicos para usuários individuais na China para obter lucro. Jiang os comprou por 6,5 yuans cada (US$ 0,94), mas Huang fez parceria com autoridades para vendê-los às pessoas na China por 139 yuans (US$ 20,10).

O Epoch Times contatou cada uma das comissões locais de saúde com as quais Huang lidou, bem como as filiais da Cruz Vermelha chinesa mencionadas por Jiang. Eles confirmaram que Huang era sua pessoa de contato, mas não forneceram mais detalhes sobre seus negócios com Huang.

Agora, Jiang foi processado pelo escritório da polícia no distrito do Parque Industrial da cidade de Suzhou e suas contas bancárias comerciais na China foram congeladas. Ele acredita que é uma retaliação das autoridades locais da Cruz Vermelha chinesa, depois que eles não conseguiram atender a alguns dos pedidos das autoridades para comprar suprimentos, fazendo com que perdessem seus pagamentos iniciais.

“Não importa se você está fazendo negócios com eles ou fazendo algo contra eles, você tem que pagar um preço alto”, disse ele.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas