Autoridades chinesas definem regras estritas de quarentena após surto em cidade costeira

Autoridades estão em alerta, organizando testes massivos para o COVID-19

Por Nicole Hao

As autoridades da cidade de Qingdao, no leste da China, anunciaram três novas infecções pelo vírus do PCC em 11 de outubro, todas relacionadas a um hospital local, embora as autoridades não tenham conseguido rastrear a origem do surto.

Em 11 de outubro, as autoridades disseram que os novos casos – um paciente que estava sendo tratado no hospital, uma mulher que era assistente médica lá e o marido da assistente – estavam todos relacionados ao Hospital Qingdao Chest, cujas instalações eram fechadas.

Horas após o anúncio, o governo provincial de Shandong ordenou que todos os residentes da cidade se submetessem a testes de ácido nucléico.

Desde então, as autoridades estão em alerta, organizando testes massivos para o COVID-19, já que a cidade costeira, que é um importante destino turístico, relatou dois transportadores assintomáticos em 24 de setembro. Mas, no feriado do Dia Nacional mais recente, de 1º a 8 de outubro, as autoridades disseram que a cidade era segura para visitar.

Sabe-se também que o regime chinês não informa casos que minimizem qualquer crise; portanto, é difícil avaliar a verdadeira escala do surto mais recente.

Pouco depois do relatório Qingdao, a cidade de Dalian, no nordeste do país, publicou um aviso em suas contas oficiais de mídia social: “Todos os residentes não devem ir a Qingdao, a menos que seja para viagens essenciais.”

O governo de Dalian também pediu a todos os residentes que visitaram Qingdao recentemente que relatassem às autoridades e realizassem procedimentos estritos de quarentena, especialmente se eles visitassem o Hospital Qingdao Chest, ou qualquer pessoa que tenha tido contato com alguém de Qingdao após 27 de setembro.

Além disso, os residentes que desejam viajar para Qingdao em um futuro próximo foram orientados a seguir regras estritas de quarentena ao retornar a Dalian.

As autoridades de Dalian recomendaram aos residentes que visitassem o hospital se tivessem febre, tosse, diarreia, fadiga e outros possíveis sintomas de COVID-19.

“[Os pacientes suspeitos] não devem usar o transporte público para ir ao hospital”, disseram as autoridades.

Desde então, dezenas de outras cidades chinesas enviaram mensagens semelhantes aos seus residentes, incluindo a cidade de Heze na província de Shandong, Dandong na província de Liaoning, Baicheng na província de Jilin e Ganzhou na província de Jiangxi.

Quando as autoridades confirmaram os casos pela primeira vez, em setembro, afirmaram que o surto veio de moluscos congelados importados, embora não haja conhecimento da propagação do vírus por meio desses tipos de alimentos.

No aumento mais recente de casos, o jornal estadual Health Times citou médicos do hospital Qingdao, que disseram que as instalações estavam fechadas e não aceitariam novos pacientes.

O Health Times informou que o hospital estava tratando pacientes com COVID-19, mas não revelou quantos.

O comentarista de assuntos da China com base nos EUA Tang Jingyuan disse que as regras e requisitos de quarentena estritos, que forçam todos os residentes desses locais a se submeterem a testes, contradiz a gravidade relatada do surto.

“A partir da reação dos governos de Shandong e Qingdao, podemos supor que o surto do vírus do PCC em Qingdao preocupa as autoridades”, disse ele em entrevista por telefone.

Os principais líderes do regime chinês também estão sugerindo a importância política de conter os surtos.

“Depois que o líder chinês Xi Jinping anunciou que o país venceu a epidemia [em 8 de setembro durante um discurso], nenhum funcionário da China se atreveu a relatar a real magnitude do surto”, acrescentou Tang.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas