Autoridades chinesas alertam que pior ainda está por vir após enchentes atingirem novas máximas

Julho e agosto são geralmente os meses com as chuvas mais fortes na China, causando a subida do rio Yangtze, que é propenso a inundações

Por Eva Fu

Meses de chuvas constantes atingiram a China com enchentes não vistas há décadas, deslocando milhões de pessoas e testando os limites da maior barragem hidráulica do mundo.

A chuva está longe de acabar, de acordo com as autoridades chinesas que, em uma rara admissão, disseram que desafios terríveis estão à frente.

Julho e agosto são geralmente os meses com as chuvas mais fortes na China, causando a subida do rio Yangtze, que é propenso a inundações. No entanto, Zhou Xuewen, o vice-ministro de recursos hídricos encarregado de conter as inundações, disse que a estação chuvosa continuará até setembro, com uma “probabilidade muito alta” de inundações severas, de acordo com uma entrevista coletiva recente do Gabinete de Informação do Conselho Estadual.

Desde junho, as enchentes afetaram pelo menos 63,5 milhões de pessoas e causaram cerca de 179 bilhões de yuans (US$ 25,9 bilhões) em perdas econômicas diretas, de acordo com as autoridades. As águas torrenciais inundaram mais de 600 rios chineses e destruíram plantações em 1,14 milhão de hectares (mais de 2,8 milhões de acres) de terras aráveis ​​no baixo Yangtze.

Tufões e mais chuvas devem cair no norte da China nas próximas semanas.

Em 20 de agosto, a Barragem das Três Gargantas aumentou seu nível de água para 16,81 metros (55,15 pés) acima do nível de alerta, o pico mais alto desde que a barragem foi inaugurada em 2003. Espera-se que suba mais 3,7 metros (12,1 pés) em 22 de agosto. Onze portões de descarga foram abertos em 20 de agosto para aliviar a pressão sobre a barragem.

Embora Pequim tenha afirmado sistematicamente que o local, construído ao longo do alto rio Yangtze, protegeu as regiões vizinhas das inundações, os especialistas expressaram preocupação de que a estrutura tenha piorado as coisas.

Um guarda de segurança olha para seu telefone celular enquanto a água é liberada da Barragem das Três Gargantas, um projeto hidroelétrico gigante no rio Yangtze, para aliviar a pressão das enchentes em Yichang, província de Hubei, no centro da China, em 19 Julho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um guarda de segurança olha para seu telefone celular enquanto a água é liberada da Barragem das Três Gargantas, um projeto hidroelétrico gigante no rio Yangtze, para aliviar a pressão das enchentes em Yichang, província de Hubei, no centro da China, em 19 Julho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

“Se as Três Gargantas podem desempenhar um papel na prevenção de inundações na situação atual, ou se o governo chinês enganou o público chinês desde o início, isso se tornou bastante evidente para as pessoas ao longo dos anos.” Wang Weiluo, um hidrólogo chinês baseado na Alemanha, disse ao Epoch Times em uma entrevista recente.

Em 18 de agosto, a megacidade de Chongqing experimentou sua enchente mais maciça em quatro décadas, forçando as autoridades a elevar o alerta de enchente ao nível mais alto. As autoridades municipais gritaram em alto-falantes para que alguém nas ruas “tomasse medidas urgentes de segurança” antes que as enchentes chegassem.

Na vizinha província de Sichuan, enquanto as águas lamacentas subiam sobre os dedos dos pés da estátua gigante do Buda Leshan, as autoridades tiveram que evacuar cerca de 180 turistas do local de 1200 anos anos de antiguidade que é Patrimônio Mundial da UNESCO.

Na província de Gansu, a nordeste de Sichuan, deslizamentos de terra bloquearam um rio na cidade turística de Bikou, no condado de Wen, e criaram um grande lago, enquanto as águas submergiram vários edifícios de quatro andares, de acordo com entrevistas com locais e relatórios da imprensa.

A dona de um restaurante de macarrão de arroz, localizado próximo aos prédios do governo local, ouviu a notícia de seus parentes, que a advertiram e ao marido a “correr para qualquer lugar alto que você possa imaginar”. Eles saíram com pressa, deixando tudo dentro, inclusive dinheiro e seus celulares, que se perderam nas enchentes.

“Se demorássemos um pouco mais, meu marido e eu … teríamos nos afogado lá”, disse ela ao Epoch Times.

Equipes de resgate evacuam residentes em uma área inundada após fortes chuvas em Leshan, província de Sichuan, sudoeste da China, em 18 de agosto de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Equipes de resgate evacuam residentes em uma área inundada após fortes chuvas em Leshan, província de Sichuan, sudoeste da China, em 18 de agosto de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

O proprietário de outro restaurante local descreveu a inundação como a mais prejudicial de que ele se lembrava.

“Este ano teve mais desastres”, disse ele. “Choveu demais.”

No entanto, quando o primeiro-ministro chinês Li Keqiang visitou Chongqing em 20 de agosto, as autoridades locais pareciam ansiosas para comunicar algo totalmente diferente.

Li atravessou as enchentes que eles estavam recuando com botas de chuva cobertas de lama, acompanhados pelo secretário do Partido Comunista da cidade, Chen Min’er.

“Por favor, informe quaisquer dificuldades que você tenha”, disse Li a uma multidão de autoridades locais, de acordo com um vídeo que desde então gerou rumores na Internet. Antes de Li terminar a frase seguinte, uma voz o interrompeu: “Não temos dificuldades neste momento”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas