Autoridade local proíbe os residentes chineses que não foram vacinados de entrar em espaços públicos

Por Rita Li

Um governo local na China proibiu residentes chineses não vacinados de entrar em locais públicos, como shoppings, estações de transporte público e supermercados.

Enquanto isso, funcionários públicos em toda a China também terão seus salários suspensos ou terão seu trabalho negado por não terem sido vacinados, disse um aviso do governo.

De acordo com um relatório do governo divulgado em 13 de julho em Tanghe, município localizado na província de Henan , apenas o certificado de vacinação ou contra-indicação à vacinação concederá aos cidadãos acesso aos locais públicos locais, incluindo transporte público.

Enquanto isso, os empregados ou contratados que não se vacinarem não serão remunerados nem terão permissão para trabalhar, informou nesta quarta-feira um comunicado promovendo a vacinação, divulgado pelo Centro de Comando Tanghe de Controle e Prevenção COVID-19 .

A nova regra se aplica a todos os funcionários públicos do condado que atendam às condições de imunização, incluindo trabalhadores temporários e aposentados, os quais serão lembrados da vacina por meio de visitas domiciliares ou ligações telefônicas.

“[Cada departamento deve] garantir que ninguém seja deixado de fora”, dizia o documento.

De acordo com o anúncio, a partir de 26 de julho … as pessoas que não foram vacinadas “não podem entrar em locais públicos importantes como órgãos governamentais, empresas, escolas, instituições médicas, estações de transporte, shopping centers e supermercados”.

Um aviso da cidade de Ruijin na província de Jiangxi , emitido em 12 de julho, disse que os trabalhadores elegíveis, incluindo seus familiares dentro de três gerações, teriam que completar a vacinação dentro de um prazo limitado.

O relato oficial da Ruijin Radio & TV Station disse no dia seguinte no WeChat, a maior plataforma de mídia social da China, que qualquer pessoa com mais de 18 anos deve completar a primeira dose de vacinação antes de 25 de julho e a segunda dose antes de 25 de agosto.

O anúncio também exige que os alunos apresentem certificados de vacinação para todos os membros da família antes da matrícula na escola.

Campanha psicológica

Em 16 de julho, o Tanghe Convergent Media Center informou que as autoridades lançaram uma campanha psicológica para alienar os não vacinados.

O objetivo é criar um clima entre o público que os faça acreditar que “vacinação mostra patriotismo”, deixando os que não foram vacinados em um dilema, disseram as autoridades locais.

A propaganda inclui a publicação de slogans, a difusão por meio de telas de LED e alto-falantes e o uso de veículos publicitários que percorrem cidades e vilas.

“[Nós] criamos uma forte atmosfera na qual as pessoas com mais de 18 anos deveriam se sentir compelidas a se vacinar, [uma atmosfera] na qual eles pensam que é difícil dar um passo sem ter sido vacinado”, anunciou o Comitê de Gestão na sexta-feira Tanghe CBD, afirmando que a taxa de vacinação local de adultos com mais de 18 anos atingiu 76 por cento.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas