Austrália está em alerta com droga perigosa e mortal conhecida como “Monkey Dust”

Monkey Dust é facilmente importada da China, onde é legal produzir

Por Mimi Nguyen Ly

Relatórios surgiram recentemente na mídia australiana destacando as preocupações levantadas sobre a droga sintética 3,4-metilenodioxipirovalerona (MDPV), amplamente referida como “Monkey Dust” ou “sais de banho”.

Isso ocorre em meio a um debate em andamento no país sobre se o teste da composição da pílula deve ser permitido em eventos públicos, como festivais de música, onde o uso de drogas ilícitas é provável.

MDPV, ou Monkey Dust, é uma droga sintética que vem em pó branco ou esbranquiçado. Ela está sendo passada para usuários desavisados como ecstasy. A droga é um derivado da metanfetamina (também conhecida como ice) e pode ser engolida, injetada ou inalada. O valor de rua da droga é tão baixo quanto A$ 10 ($ 7,20) por dose.

A droga causa alucinações terríveis e induz ataques de pânico, hipertensão e psicose. Ela causa comportamentos violentos incontroláveis em quem a usa – suas vítimas foram vistas correndo no trânsito, causando danos físicos a si mesmas e até pulando de prédios.

A Fundação Australiana de Álcool e Drogas disse que a droga foi projetada para ter o mesmo efeito da cocaína, ecstasy e LSD, e que seus efeitos podem ser aparentes em apenas 15 a 45 minutos após o consumo, de acordo com a 7 News.

Um dos principais toxicologistas forense do pais, Andrew Leibie, disse à 7 News que aqueles que ingerem a droga podem se sentir invencíveis “como o Super-Homem”.

“No minuto em que seus amigos começarem a agir de maneira estranha, procure ajuda médica. Você tem uma janela de cerca de 30 minutos a uma hora para receber tratamento – depois disso, é tarde demais ”, disse Leibie ao Herald Sun.

“Em um caso na Austrália, uma mulher que tomou a droga acabou lambendo a pista de dança até sua língua sangrar”, relatou o The Herald Sun.

Stephen Bright, professor sênior em vício na Edith Cowan University, disse ao news.com.au que a droga pode causar rabdomiólise – o que “significa que seus órgãos internos efetivamente derretem por superaquecimento”, segundo o relatório.

“Nos níveis de overdose, esta droga pode causar insuficiência cardíaca e o superaquecimento de seus órgãos internos”, disse ele.

Meio milhão de doses

A Polícia Federal Australiana (AFP) apreendeu um total de 10.853 kg de drogas e precursores de drogas em 2018. As apreensões fizeram parte do esforço conjunto de investigação conhecido como Taskforce Blaze – uma cooperação entre a AFP e a National Comissão de Controle de Narcóticos para interromper a atividade de sindicatos do crime que exportam metanfetamina da China para a Austrália.

Uma fonte confiável informou ao Epoch Times que 4,5 kg do total de drogas apreendidas pela AFP em 2018 foi Monkey Dust – o equivalente a meio milhão de doses.

De acordo com news.com.au, Monkey Dust é facilmente importada da China, onde é legal produzir.

A AFP disse que está ciente do MDPV. Um porta-voz da AFP disse ao Epoch Times: “Qualquer um que esteja considerando experimentar drogas ilícitas ou novas substâncias psicoativas, não importa como sejam marcadas ou apresentadas, não faça isso. É uma aposta com a sua vida que não vale a pena”.

“O tráfico de drogas ilícitas não é apenas um problema de policiamento – é um ataque à nossa sociedade, tanto aqui na Austrália quanto no exterior, que está destruindo indivíduos, famílias e comunidades.”

Drogas mortais reemergem enquanto persiste o debate sobre o teste da pílula

Em 2012, duas mortes no sul da Austrália foram ligadas ao Monkey Dust. Enquanto as autoridades achavam que a droga havia desaparecido desde então, Leibie disse ao Herald Sun que a Monkey Dust ressurgiu como “a droga” no cenário da Austrália, devido à sua crescente popularidade no exterior.

“Nós tendemos a buscar drogas que são famosas na Europa, no Reino Unido e nos Estados Unidos. Nossos festivais de música de verão estão seis meses atrás”, disse ele. “É algo que devemos nos preocupar? Sim. Há claramente um mercado para isso.”

“É certamente um concorrente para as overdoses fatais de drogas que estamos vendo. Eu teria como um dos meus cinco principais suspeitos”.

Bright acredita que o aumento nos relatos da mídia foi cronometrado para fortalecer o argumento para que testes de pílula sejam permitidos em eventos nos quais o consumo ilícito de drogas é considerado provável.

“Isso pode fortalecer o debate sobre o teste das pílulas, para que seja aprovado no parlamento”, disse ele ao news.com.au.

O debate sobre o teste da pílula ressurgiu em meio a uma série de suspeitas de mortes por overdose em festivais de música durante o verão.

O último caso aconteceu no dia de Ano Novo, quando um homem de 21 anos morreu de uma suposta overdose de drogas no festival de música “Beyond The Valley”, no sudeste de Melbourne. De acordo com o Herald Sun, em uma atualização recente, o veneno de cobra foi detectado em seu sangue.

Outro caso recente aconteceu em 29 de dezembro de 2018, quando Joshua Tam, de 22 anos, morreu após ingerir “substâncias desconhecidas” no festival de música Lost Paradise, na costa central de NSW.

 

De NTD.com

 
Matérias Relacionadas