Ataques da máfia e confrontos após greve se intensificam em Hong Kong

Por Eva Fu

Confrontos entre a polícia e os manifestantes se iniciaram em Hong Kong após vários cidadãos realizarem uma greve geral que paralisou os trens e as companhias aéreas da cidade em 5 de agosto.

Os moradores de Hong Kong intensificaram seus protestos para se oporem ao governo e lidar com a crise da lei de extradição.

Depois que os controladores de tráfego aéreo e a equipe de trens iniciaram a paralização, pelo menos 200 voos foram cancelados na manhã de segunda-feira, enquanto várias linhas de metrô foram temporariamente suspensas. Os manifestantes também ocuparam grandes vias em movimentados distritos centrais.

Durante todo o dia, a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes que ocupavam ruas em pelo menos sete distritos, incluindo Tin Shui Wai, Wong Tai Sin, Almirantado, Tai Po, Tsuen Wan, Sham Shui Po e Tsim Sha Tsui. Um jornalista foi ferido no olho por balas de gás lacrimogêneo, enquanto outro foi brevemente detido depois de se envolver em uma discussão com a polícia sobre a lesão do primeiro jornalista, segundo a imprensa local.

A lei, que permitiria que a China continental buscasse a extradição de suspeitos de crimes, provocou temores generalizados de que o regime comunista chinês teria permissão para transferir qualquer pessoa à vontade para enfrentar o julgamento em seu sistema jurídico opaco. Nas últimas semanas, quando os confrontos entre a polícia e os manifestantes continuaram a perturbar a cidade, muitos exigiram investigações sobre o uso excessivo da força da policia e um maior sufrágio universal.

Por volta das 20h, uma multidão de homens de camisa branca empunhando varetas correu para o bairro de North Point, na parte nordeste da cidade, e atacou manifestantes vestidos de preto. Vídeos que circulam online mostram que os manifestantes reagiram com os objetos que podiam alcançar, arremessando seus escudos de plástico e cones de trânsito, acabando por encurralar os atacantes em um prédio. Ainda não está claro de onde esses homens vieram.

A cena lembrava um ataque anterior da máfia na estação de metrô Yuen Long, em 21 de julho, quando homens mascarados que também usavam camisas brancas espancaram passageiros indiscriminadamente com pedaços de madeira e metal, causando pelo menos 45 feridos. A polícia só chegou ao local cerca de 40 minutos após o ataque, alimentando a indignação pública, já que os hongkongers culpavam a polícia pela demora na resposta e na leniência em relação aos agressores, que a polícia confirmou estarem ligados a tríades locais.

Mais ou menos na mesma segunda-feira à noite, no distrito de Tsuen Wan, dezenas de homens de camisa azul-clara com as palavras “Eu amo Hong Kong” impressas foram flagrados brigando com os manifestantes, que acabaram afastando-os. Uma testemunha disse à Stand News que seu amigo foi atacado na cabeça e sofreu fortes sangramentos, enquanto os moradores descobriram um pacote de camisas azuis com o mesmo desenho em um parque próximo. O pacote é originário da cidade de Guangzhou, província de Guangdong, na China continental, de acordo com a etiqueta de envio.

No início da manhã, enquanto os manifestantes montavam barricadas em uma estrada em Yuen Long, um carro em alta velocidade foi subitamente em direção a eles. O carro bateu nas barreiras e continuou seu caminho. Em imagens de vídeo do incidente, vários manifestantes pareciam ter sido atingidos. Mas a polícia disse que não houve feridos e investigaria o incidente, segundo a mídia local.

Pelo menos um dos seis blindados antimotim da polícia de Hong Kong foi utilizado pela primeira vez na noite de segunda-feira, informou o South China Morning Post (SCMP). Os modelos Mercedes-Benz Unimog U5000 que foram comprados em 2010 por HK$ 30 milhões (cerca de US$ 3,8 milhões) podem emitir ondas sonoras poderosas e possuem um exterior eletrificado, de acordo com a SCMP.

Às 4 da tarde, em entrevista coletiva, a polícia anunciou que mais de 1.000 latas de gás lacrimogêneo, juntamente com 160 balas de borracha, foram disparadas desde 9 de junho, quando começaram os protestos em massa contra a lei de extradição. Além disso, eles também prenderam 420 manifestantes.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

 
Matérias Relacionadas