Ataque do Sendero Luminoso deixa dois mortos no sul do Peru

Sendero Luminoso é o principal responsável pelas quase 70.000 vítimas causadas pelo conflito armado interno no Peru entre 1980 e 2000

Por Agência EFE

O ataque de um bando de remanescentes do grupo terrorista Sendero Luminoso em uma patrulha da Polícia Nacional deixou dois civis mortos e quatro oficiais feridos na região de Ayacucho, no sul do Peru, na quarta-feira, informou a mídia local.

Os membros emboscaram a patrulha em uma remota vila dos rios Apurímac, Ene e Mantaro (VRAEM), uma grande área de selva montanhosa no centro e sul do país, através da qual grupos subversivos se aliam ao tráfico de drogas.

O jornal La República informou que durante o ataque dois civis foram mortos guiando a polícia e que, segundo a mídia local, haviam desertado das fileiras do grupo terrorista, enquanto quatro policiais ficaram feridos e uma van foi destruída.

Procurando desertores

O Canal de Televisão N acrescentou que a patrulha da polícia estava realizando uma operação de busca por desertores da organização terrorista, que estavam tentando fornecer segurança e proteção para deixar a área.

O governo peruano anunciou em 21 de fevereiro que membros do Sendero Luminoso estavam desertando como parte da “estratégia militar e policial” aplicada no VRAEM.

Fontes oficiais indicaram na época que sete terroristas deixaram em 20 de janeiro a coluna armada que estavam integrando e que quatro deles estavam localizados por forças de segurança na província de Huanta, em Ayacucho.

Fraqueza na trilha

A esse respeito, o especialista em segurança e terrorismo Pedro Yaranga disse quarta-feira na emissora RPP News que cerca de dez pessoas do Sendero desertaram recentemente, algo que ele considerou uma “fraqueza nunca vista antes” nas colunas desse grupo.

“É a primeira oportunidade em que ele abandona uma grande quantidade como esta”, comentou antes de dizer que naquele grupo seria um dos filhos do chamado “camarada Raul”, líder dos demais membros.

As autoridades indicaram, por seu lado, que as forças de segurança continuarão com “uma estratégia firme e ofensiva na luta contra os remanescentes da organização terrorista Sendero Luminoso”.

Trilha no Vraem

O Sendero Luminoso sofreu sua derrota política e militar após a captura em Lima, em setembro de 1992, de seu líder e fundador, o filósofo e professor Abimael Guzmán, junto com quase toda a cúpula da organização de tendências maoístas.

Sendero, que propôs a destruição do Estado peruano para criar uma “república popular da nova democracia”, manteve sua atividade terrorista até 2000, embora mais tarde um grupo de remanescentes tenha rejeitado um “acordo de paz” proposto por Guzmán e se refugiado na selva acidentada do VRAEM no país.

Enquanto Guzmán cumpre pena de prisão perpétua na prisão da Base Naval de Callao, os demais membros, liderados pelos irmãos Quispe Palomino, se vincularam ao narcotráfico e mantêm confrontos armados e emboscadas contra as forças de segurança.

O relatório final da Comissão da Verdade e Reconciliação (CVR) observou em 2003 que o Sendero Luminoso foi o principal responsável pelas quase 70.000 vítimas causadas pelo conflito armado interno no Peru entre 1980 e 2000.

 
Matérias Relacionadas