Ataque à gráfica do Epoch Times incentivado pela inação do governo de Hong Kong, diz Grupo de defesa da mídia

Por Eva Fu

O governo de Hong Kong, por meio de sua inação, estava “encorajando” o recente ataque violento à imprensa da edição do Epoch Times da cidade, disse o grupo de defesa da mídia Repórteres Sem Fronteiras (RSF) em um comunicado condenando o incidente.

Por volta das 4h do dia 12 de abril, quatro homens armados invadiram o armazém de impressão da edição de Hong Kong. Eles destruíram equipamentos com marretas e espalharam detritos de construção em equipamentos antes de roubar um computador e fugiram em uma van branca.

O incidente durou aproximadamente dois minutos, mas causou grandes danos. A edição de Hong Kong foi forçada a interromper temporariamente as operações  para fazer reparos e atualizar o sistema de segurança das instalações.

Citando um ataque criminoso contra o mesmo local há apenas um ano e meio, o grupo de defesa pediu às autoridades que punissem os invasores e restaurassem a liberdade da mídia.

“Ao deixar os ataques anteriores a jornalistas impunes e criar um clima de suspeita contra os meios de comunicação independentes, as autoridades de Hong Kong estão incentivando essa violência”, disse Cédric Alviani, chefe do escritório da RSF no Leste Asiático.

Ele exortou a Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, a “pôr fim aos ataques de seu governo, que ameaçam a independência da mídia, e restaurar a liberdade total de imprensa, conforme consagrado na Lei Básica que ela supostamente deve aplicar”.

As classificações de liberdade de imprensa de Hong Kong observaram um declínio acentuado nas últimas duas décadas, caindo para o 80º lugar em 2020 no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa da RSF, de 18º em 2002. Em comparação, a China ficou em 177º lugar entre 180.

No ano passado, o regime chinês agiu no sentido de privar Hong Kong das liberdades que a distinguem da China continental. Mas alguns “vestígios de democracia” permaneceram na forma de uma imprensa livre – “e o Epoch Times representa isso”, disse o ex-general do Exército dos EUA Jack Keane à Fox Business em 13 de abril.

“Alguns dos vestígios de democracia ainda estão lá, e o Partido Comunista Chinês está fisicamente destruindo isso da melhor maneira que pode”, disse ele.

Pelo menos cinco outros grupos de jornalistas também pediram às autoridades de Hong Kong que levassem os perpetradores à justiça.

Computadores danificados e destroços de construção no chão da impressora da edição do The Epoch Times de Hong Kong em Hong Kong, em 12 de abril de 2021 (Adrian Yu / The Epoch Times)

Scott Griffen, vice-diretor do International Press Institute, com sede em Viena, disse que “o ataque deve ser total e imediatamente investigado pelas autoridades, que devem responsabilizar os responsáveis”.

“Estamos indignados com este último ataque ao Epoch Times, que ocorre em um momento em que o governo chinês está retirando de forma metódica e brutal os direitos fundamentais do povo de Hong Kong, incluindo a liberdade de expressão”, disse Griffen por e-mail . “Deve haver tolerância zero para ataques a jornalistas e meios de comunicação, e esperamos uma ação rápida das autoridades de Hong Kong.”

June Guo, diretor do Epoch Times de Hong Kong, disse que o jornal pretende retomar a impressão antes de 16 de abril, quando o tribunal entregará sentenças para os principais ativistas pró-democracia.

O deputado Ralph Norman (RS.C.) disse que “celebrará com o Epoch Times quando suas impressoras estiverem rodando novamente em Hong Kong”.

“A tirania prospera quando aqueles que a expõem não podem ser ouvidos”, disse ele ao Epoch Times.

“Esta foi claramente uma tentativa de silenciar o Epoch Times, e condeno este ataque nos termos mais fortes possíveis.

“Em todo o mundo, os inimigos da liberdade de expressão devem ser enfrentados com determinação, resiliência e vozes ainda mais altas.”

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast
 
Matérias Relacionadas