Astrônomos no Chile descobrem inesperado “Titã cósmico” formando-se em fase inicial do Universo (Vídeo)

Descoberta está ajudando a mostrar que a história dessas mega-estruturas começou mais cedo do que se pensava

Por Epoch Times

Astrônomos chilenos detectaram uma estrutura colossal no início do nosso Universo. Trata-se de um gigantesco superaglomerado de galáxias ainda em formação.

Sua imagem, tal como se observa no vídeo principal, foi obtida a partir do Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul (ESO), no deserto chileno, informou o observatório em 17 de outubro.

Ele oferece uma visão inesperada do que estava acontecendo no Universo primitivo.

Supercumulus Hyperión (ESO/Captura de tela)
Supercúmulo Hyperión (ESO/Captura de tela)

“É a primeira vez que uma estrutura de tamanho tão grande é identificada em tão alto desvio para o vermelho”, luz proveniente do Universo em sua fase mais jovem, declarou a principal autora do artigo científico, Olga Cubcciati.

Calcula-se que sua massa seja de mais do que 1 trilhão de vezes a massa do Sol, algo semelhante ao das estruturas maiores observadas no Universo de hoje. Na verdade, nossa galáxia está ligada a outras galáxias que formam cúmulos e está dentro do Supercúmulo de Virgem.

Hyperión “surpreendeu os astrônomos”, destacou a equipe do ESO.

Supercúmulo Hyperión (ESO)
Supercúmulo Hyperión (ESO)

“Normalmente, esses tipos de estruturas são observados quando o Universo teve mais tempo para evoluir e produzir corpos tão grandes. Ficamos surpresos ao ver algo tão evoluído quando o Universo era relativamente jovem”, comentou Cubcciati, que faz parte da equipe do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha (INAF). Ela usou um instrumento especial do VLT em sua busca.

Devido ao seu tamanho, os pesquisadores o chamaram de Hyperión, nome de um dos Titãs da mitologia grega. Hyperión tem ao menos 7 regiões de alta densidade conectadas por filamentos de galáxias.

As manchas observadas são galáxias distribuídas nos conglomerados. As áreas de maior densidade foram previamente apelidadas de Tea, Eos e Heliu.

No interior de Hyperión foi descoberto um cúmulo em desenvolvimento que recebeu o nome de Colossus.

A descoberta desse Titã cósmico está ajudando a mostrar que a história dessas mega-estruturas começou mais cedo do que se pensava.

“A luz que atinge a Terra proveniente de galáxias extremamente distantes viaja por um longo tempo e abre para nós uma janela para o passado, quando o Universo era muito mais jovem”, enfatiza o ESO. “Ao alcançar a Terra, proporciona uma visão espetacular de milhões de anos atrás”.

 
Matérias Relacionadas