Assombrosa foto tirada das entranhas de Chernobyl mostra horripilante lava radioativa

Por Michael Wing

Nas primeiras horas de 26 de abril de 1986, um teste de segurança de rotina na VI Usina Nuclear de Lenine se transformou em catástrofe. Um pico de energia fez com que as hastes de combustível de urânio superaquecessem, transformando rapidamente o refrigerante de água em vapor, resultando em uma enorme explosão.

Uma segunda explosão fez com que o material radioativo invadisse a atmosfera e impedisse que mais líquido chegasse ao reator. Alguns trabalhadores foram mortos logo de cara. A maioria dos técnicos, e os bombeiros que responderam, sofreram mortes excruciantes por causa da radiação nas semanas seguintes.

Hoje, conhecemos este local do desastre simplesmente como Chernobyl.

Memorial para as vítimas do desastre nuclear de Chernobyl é retratado em frente ao sarcófago que cobre o quarto bloco de energia destruído da usina nuclear de Chernobyl (© Getty Images | SERGEI SUPINSKY)


Como um espectro, esse momento aterrorizante ainda permanece na usina abandonada e na cidade vizinha de Pripyat, que parece congelada no tempo desde que foi abandonada há cerca de três décadas.

Talvez a mais sinistra memória remanescente esteja em uma fotografia assustadora tirada em 1996, cerca de dez anos depois do desastre. O inspetor nuclear Artur Korneyev recebeu a difícil tarefa de descer até as entranhas do reator e localizar o combustível fugitivo.

Chegando a uma temperatura entre 1.660 e 2.600 graus Celsius (3.020 e 4.712 graus Fahrenheit), os bastões de urânio racharam e derreteram em lava, emitindo doses letais de radiação igual a milhões de raios-X de tórax, informou a IFL Science. A lava derretia os materiais ao redor — grafite, boro, areia — para formar uma substância derretida e radioativa chamada cório.

Visitante da Usina Nuclear de Chernobyl na sala de controle do quarto quarteirão destruído da fábrica (© Getty Images | SERGEI SUPINSKY)

 


O calor era tão intenso que derretia através das vigas de aço e do concreto sob o reator. O material despejou-se então no subsolo da usina — onde finalmente resfriou e solidificou. A bagunça radioativa agora tem a aparência que levou alguns a apelidá-lo de “pé de elefante”.

Foi esse pé de elefante que Korneyev foi encarregado de encontrar. Ele não só encontrou como fez questão de trazer de volta as fotos para provar isso.

A imagem mais famosa revela o epicentro de Chernobyl, que já foi poderoso o suficiente para matar qualquer ser humano em sua vizinhança. Em 1996, quando Korneyev encontrou o combustível, ele emitia 10% de sua radiação inicial; e ainda emite calor e níveis perigosos de radiação até hoje.

Para Korneyev, até mesmo cinco minutos de exposição próxima seriam suficientes para causar a doença da radiação. O corajoso inspetor nuclear provavelmente fez uma leitura rápida e tirou algumas fotos, mas ele ainda está vivo até hoje.

Funcionário da Usina Nuclear de Chernobyl caminha na sala de controle do quarto quarteirão destruído da fábrica (© Getty Images | SERGEI SUPINSKY)

 


A imagem em si é assombrosa e aterrorizante. A foto é granulada com formas fantasmagóricas e distorções da superexposição aparente — não por causa da qualidade da câmera, mas devido à radiação que afeta o filme (isso foi antes da onda de câmeras digitais).

Korneyev sofre de catarata e outros problemas de saúde como resultado da exposição à radiação trabalhando na planta por três anos. Agora, por motivos de saúde, ele não pode voltar para lá.

“A radiação soviética”, disse brincando ao New York Times em 2014, “é a melhor radiação do mundo”.

O arco de aço (© Flickr | Jorge Franganillo)

 


Impactos do desastre 

Oficialmente, o número de mortos do desastre nuclear de Chernobyl cita que dezenas de pessoas foram mortas. Esse número está aberto para especulação. Enquanto isso, os surtos de câncer que resultaram variam em milhares.

Os soviéticos recrutaram trabalhadores para construir um sarcófago de concreto apressado, envolvendo o reator logo após o incidente, bloqueando parte da radiação. Uma solução de mais longo prazo foi iniciada em 2010, um arco de aço maciço, chamado de New Safe Confinement, que abrigaria a planta e o sarcófago.

Revestido em uma capa de aço inoxidável para evitar ferrugem, o projeto deve conter qualquer precipitação radioativa caso a estrutura instável desmorone. Agora posicionado no lugar, o arco deve durar 100 anos (ou até 300 anos), até que mais medidas sejam tomadas para limpar o local.

“É uma estrutura incrível”, disse o diretor do projeto, Nicolas Caille, ao New York Times. “Você não pode compará-lo a qualquer outra coisa.”

 
Matérias Relacionadas