Associação de Professores alerta que educadores e estudantes continuam a sair de Hong Kong devido a censura do PCCh

"Professores que saem levam toda a família com eles e até fecham suas contas do Fundo de Previdência"

Por Anne Zhang 

Muitas pessoas estão deixando Hong Kong, incluindo muitos professores que se sentem pressionados a autocensurar suas opiniões políticas dentro e fora da sala de aula. Isso levou a Associação de Diretores de Escolas Secundárias de Hong Kong (HKAHSS) a expressar sua preocupação com a perda de talentos. Ela apelou para que as autoridades locais criassem um ambiente melhor para educadores e alunos.

Segundo os inquéritos realizados pela associação, o número de docentes que se demitiram no ano letivo 2020-2021 aumentou acentuadamente, duplicando o número verificado nos anos letivos 2019-2020 e 2018-2019.

Entre as 140 escolas pesquisadas, uma média de 7,1 professores saíram de cada escola, incluindo professores muito requisitados com experiência de ensino em nível médio e superior.

Os alunos também estão saindo em grande número. As pesquisas realizadas para o ano letivo de 2020-2021 revelaram uma média de 32 desistências por escola, o que representa quase uma turma inteira. Desses, 60% deixaram Hong Kong.

“Esta onda feroz de partida é diferente da maré de emigração no passado”, disse o HKAHSS em um comunicado à imprensa em 30 de maio. “Pela nossa observação, os professores que estão saindo estão levando toda a família com eles e até fecham suas contas do Fundo de Previdência [aposentadoria]. Parece que eles estão determinados a sair para sempre. Estamos muito preocupados com o fim dessa saída líquida de talentos da educação humana”.

A associação continuou dizendo que, no passado, professores experientes geralmente não saíam até a idade da aposentadoria, então as escolas tinham muito tempo para ajudar os professores mais jovens a ganhar experiência. Mas o que está acontecendo agora é que muitos professores experientes estão decidindo sair com muito pouco tempo, e alguns até decidiram sair no meio do ano letivo. O recrutamento de professores também é escasso, enquanto no passado as escolas recebiam centenas de currículos para uma única vaga de ensino.

Bons salários não ajudarão a manter muitos desses professores, pois o que eles procuram é uma cultura em que se sintam respeitados e possam fazer seus trabalhos de forma profissional e independente, sem interferência do governo, disse a associação.

O comunicado de imprensa também comentou sobre os muitos estudantes que estão deixando a cidade com seus pais, pois a cidade enfrenta turbulência política devido à tomada de poder do Partido Comunista Chinês (PCCh) nas instituições governamentais de Hong Kong, alertando que a saída de mentes hoje e nos próximos anos afetará seriamente o desenvolvimento futuro de Hong Kong.

O comunicado de imprensa do HKAHSS terminava dizendo: “Esperamos que o governo crie uma política em resposta a essas perdas, para que os professores possam fazer seus trabalhos de ensino com tranquilidade”.

Pressão política

Desde que o PCCh impôs sua Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, em 2020, os professores enfrentam pressão política. Por exemplo, professores que discutem política em sala de aula podem ser denunciados às autoridades por funcionários pró-PCCh, o que pode resultar na perda de suas credenciais de ensino.

Segundo um recente aviso público, nos últimos três anos, houve 502 casos em que os professores violaram a “ética profissional”. Destes, 344 casos estavam relacionados à participação nos protestos “anti-extradição” de 2019.

De 2019 a abril deste ano, 27 professores perderam suas credenciais de ensino e outros 69 professores receberam cartas de censura por discutirem “incidentes políticos controversos” em sala de aula. Alguns professores também receberam cartas de censura do departamento de educação por postarem comentários em apoio aos manifestantes nas mídias sociais.

O porta-voz da política educacional do Partido Democrata, Chu Tsz-lok, afirmou que deveria fazer parte da liberdade pessoal do professor poder expressar suas opiniões nas mídias sociais, e que discutir incidentes controversos pode incentivar os alunos a pensar por várias perspectivas.

“A censura cria um efeito assustador que desencoraja os professores a ensinar conhecimento e raciocínio além dos livros”, disse Chu. “O Partido Democrático de Hong Kong está preocupado que a interferência excessiva do governo na vida diária dos professores possa exacerbar a perda de professores locais”.

O governo de Hong Kong também começou a promover “educação em segurança nacional” no currículo do ano passado, exigindo o ensino da agenda de “segurança nacional” do PCCh em todas as disciplinas nas escolas primárias e secundárias. Vendo isso como os esforços do regime chinês para fazer lavagem cerebral em seus filhos, muitos pais de Hong Kong decidiram sair.

Zandra Mok Yee-Tun, ex-assistente política do Gabinete do Trabalho e Bem-Estar, é um exemplo. Ele revelou recentemente que se mudou para o Reino Unido com sua família, principalmente motivado por preocupações com a próxima geração, pois não quer que seus filhos se tornem pessoas de “duas caras” devido à chamada doutrinação de “segurança nacional” que apenas protege a segurança e os interesses do PCCh.

Segundo uma pesquisa do Instituto de Pesquisa de Opinião Pública de Hong Kong, realizada de 21 a 24 de março deste ano, 24% dos entrevistados disseram ter planos de emigrar. Mais da metade desse grupo identificou o ambiente educacional para seus filhos e o futuro de suas famílias como o fator mais importante em sua decisão de deixar Hong Kong permanentemente.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas