Assessor de Obama faz piada sobre morte de republicanos nos EUA

Um ex-alto funcionário da gestão Obama foi criticado na quinta-feira após enviar uma mensagem no Twitter sobre a morte de funcionários republicanos.

A mensagem inflamatória de Ben Rhodes, que foi vice-conselheiro de segurança nacional do ex-presidente estadunidense Barack Obama, rapidamente gerou uma resposta do congressista Steve Scalise (R-La.), que foi baleado em junho.

“Você pode querer reconsiderar sua retórica”, escreveu Scalise em resposta à polêmica mensagem de Rhodes, na qual ele comentou sobre “os óbitos de [Paul] Ryan, [Mitch] McConnell e [Mike] Pence”.

O comentário de Rhodes veio depois que os republicanos na Câmara dos Representantes e no Senado dos Estados Unidos aprovaram um abrangente e histórico projeto de reforma fiscal.

O atentado a tiro contra Scalise e outros republicanos em junho envolvendo um homem de Illinois, James Hodgkinson, ressalta os potenciais e reais ricos de vida da retórica política. Embora os motivos de Hodgkinson para o tiroteio não sejam conhecidos, ele era um apaixonado pela política. Ele havia trabalhado na campanha presidencial do senador Bernie Sanders e participou de vários protestos contra o presidente Donald Trump em Washington, D.C., antes de usar um fuzil de assalto para atacar um grupo de legisladores republicanos.

EUA, Obama, Ben Rhodes, violência, democratas - Policiais e investigadores se reúnem num cruzamento perto da cena de tiros que foram disparados durante uma prática de baseball no Congresso estadunidense, ferindo Steve Scalise (R-LA), o líder da maioria na Câmara dos Representantes, em Alexandria, Virgínia, em 14 de junho de 2017 (Reuters/Mike Theiler)
Policiais e investigadores se reúnem num cruzamento perto da cena de tiros que foram disparados durante uma prática de baseball no Congresso estadunidense, ferindo Steve Scalise (R-LA), o líder da maioria na Câmara dos Representantes, em Alexandria, Virgínia, em 14 de junho de 2017 (Reuters/Mike Theiler)

Kathy Griffin, uma comediante liberal e ex-colaboradora da CNN, provocou uma controvérsia em maio após fazer uma foto-filmagem sua com uma cabeça falsa e ensanguentada de Trump. Griffin inicialmente se desculpou por suas ações polêmicas, mas depois desfez suas desculpas.

Griffin foi investigada pelo Serviço Secreto devido ao episódio.

Desde as eleições presidenciais do ano passado, houve numerosas ameaças de violência contra o presidente estadunidense nas mídias sociais.

A estrela pop Madonna disse num protesto da Marcha das Mulheres em Washington em janeiro que “pensou muito seriamente em explodir a Casa Branca”. Embora ela tenha dito posteriormente que seus comentários foram retirados do contexto, a violenta retórica pode inspirar outras pessoas a comprometerem atos de violência.

Leia também:
• Administração Trump corta burocracia no governo
• Trump alerta sobre a ‘enfermidade’ nas instituições dos EUA
• Político israelense diz que Obama deve devolver Prêmio Nobel da Paz

 
Matérias Relacionadas