Assembleia de Nova Iorque suspende investigação de impeachment contra Cuomo

Por Mimi Nguyen Ly

A investigação de impeachment contra o governador Andrew Cuomo pelos legisladores da Assembleia de Nova Iorque foi suspensa depois que Cuomo disse recentemente que renunciaria ao cargo.

O presidente do parlamento Carl Heastie, o principal democrata da Câmara, disse na sexta-feira que os advogados informaram ao comitê judicial da agência que a constituição estadual não autoriza legisladores a impugnar uma autoridade eleita se a pessoa não estiver mais no cargo.

Os legisladores foram informados de que provavelmente não tinham autoridade constitucional para impeachment, embora a questão não tenha sido definitivamente resolvida, de acordo com um memorando legal que Heastie forneceu aos repórteres.

Heastie apontou outro motivo para encerrar o inquérito de impeachment, dizendo em um comunicado: “O objetivo do inquérito de impeachment do Comitê Judiciário da Assembleia era determinar se o governador Cuomo deveria permanecer no cargo. A renúncia do governador responde a essa diretriz ”.

A Assembleia de Nova Iorque abriu um inquérito de impeachment em março, depois que pelo menos duas ex-funcionárias acusaram publicamente Cuomo de assediá-las sexualmente.

A investigação de impeachment também estava investigando a subnotificação de mortes de COVID-19 em lares de idosos pelo governo Cuomo, bem como o possível uso indevido de recursos do estado em conexão com um livro que publicou sobre como lidar com a pandemia.

“Deixe-me ser claro: o trabalho do comitê nos últimos meses, embora não esteja completo, revelou evidências confiáveis ​​em relação às alegações feitas em referência ao governador”, disse Heastie na sexta-feira, acrescentando que se Cuomo não tivesse renunciado, a evidência “provavelmente teria levado a artigos de impeachment”.

Quando questionado se os legisladores ainda poderiam divulgar um relatório das descobertas ao público conforme planejado originalmente, Heastie disse: “Suponho que sim”.

Cuomo, um democrata, anunciou em 10 de agosto que renunciará ao cargo de governador do estado em meio a várias alegações de assédio sexual. A renúncia entrará em vigor em 24 de agosto, quando a governadora Kathy Hochul se tornará governadora.

O anúncio foi feito depois que o procurador-geral do estado concluiu em um relatório em 3 de agosto que Cuomo violou as leis estaduais e federais ao assediar sexualmente 11 mulheres, incluindo assessoras e uma policial estadual, e que sua equipe tratou erroneamente das acusações contra ele.

Cuomo, de 63 anos, continuou a negar as várias acusações de assédio sexual feitas contra ele, dizendo que as acusações tinham motivação política. Em 10 de agosto, ele disse que um provável impeachment causaria confusão em Nova Iorque em meio à pandemia, então era melhor para ele “se afastar e deixar o governo trabalhar novamente”.

Heastie negou que ele e Cuomo tenham chegado a um acordo para permitir que Cuomo renuncie sem enfrentar um processo.

Todos os seis republicanos e nove dos 15 democratas no comitê judicial da Assembleia disseram que a Assembleia deveria pelo menos publicar um relatório público sobre os resultados da investigação de impeachment. O presidente do Comitê Judiciário da Assembleia, Charles Lavine, um democrata, disse que os contribuintes pagaram pelo menos US$ 1,2 milhão pela investigação.

Lavine disse que falará com os membros do comitê sobre se o fará e decidirá quando Cuomo renunciar. “Espero que haja um relatório completo”, disse ele.

Com reportagens da Associated Press.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas