Reformas e privatizações geram força e riqueza para o cidadão

Por Carlos Dias, Terça Livre

A desestatização de ativos públicos é passo fundamental para a ampliação de investimentos privados no país e a esperada geração de emprego e renda, garantias fundamentais do exercício livre da cidadania.

Nada movimenta melhor as relações de produção e de investimento do que a iniciativa privada, trabalhando sob regras funcionais e segurança jurídica.

Esses históricos ensinamentos estão na defesa da não intervenção estatal pregada e combatida ferozmente tanto por Frédéric Bastiat, economista francês do século XIX como pelo economista americano Murray Rothbard, este do século XX.

O modelo de privatização em linha com o do ocorrido no caso da MP da Eletrobrás, abertura de capital, via mercado, sem a participação do Estado, inibe a concentração de atividades econômicas e estimula o mercado de capitais. Além de atrair a possibilidade de captação junto aos diversos níveis de poupadores.

O Brasil deve aproveitar este momento político para firmar uma revisão estrutural da economia e de seu centralismo estatal para afastar-se definitivamente do modelo de colonialismo de Estado.

 

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não representam necessariamente as opiniões do Epoch Times

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 

 
Matérias Relacionadas