Publicado em - Atualizado em 14/03/2013 às 13:39

Ártico tornar-se mais verde devido a alterações climáticas

Um estudo recente mostrou que o Ártico tem se tornado mais verde nos últimos 30 anos

Pastores cercam renas nos arredores de uma fazenda em Lovozero, Rússia, em 16 de fevereiro de 2010. Invernos quentes nos últimos anos têm forçado pastores locais na península de Kola a esperarem por meses para cercar suas renas nas vastas tundras (Alissa de Carbonnel/AFP/Getty Images)

Pesquisadores disseram recentemente que temperaturas mais altas e estações de crescimento mais longas desde 1982 permitiram que mais vegetação crescesse onde costumava haver tundra no Ártico.

Nos últimos 30 anos, arbustos e árvores altas que crescem em climas temperados foram vistos crescendo no Ártico, espalhando-se a 250 e 430 milhas mais ao norte do que o normal, segundo um estudo realizado por uma equipe de cientistas da NASA e pesquisadores internacionais. O estudo foi publicado em “Mudança Climática na Natureza”.

“As latitudes maiores do Norte estão ficando mais quente, o gelo do mar Ártico e a duração da cobertura de neve estão diminuindo, a estação de crescimento está ficando mais longa e as plantas estão crescendo mais”, disse Ranga Myneni, do Departamento da Terra e do Meio Ambiente da Universidade de Boston, num comunicado de imprensa da NASA. “No Ártico e nas zonas boreais do Norte, as características das estações do ano estão mudando, causando grandes perturbações para plantas e ecossistemas associados.”

Os pesquisadores observaram grandes faixas de “vegetação vigorosa produtiva”, que abarca um terço da paisagem setentrional do mundo – uma área aproximadamente do tamanho de 48 estados norte-americanos, segundo o comunicado.

“É como Winnipeg, Manitoba [no Canadá], movendo-se para Minneapolis-Saint Paul em apenas 30 anos”, afirmou o coautor Compton Tucker, que trabalha para o Centro Espacial Goddard da NASA.

No terreno, verdejando nas áreas de floresta boreal, está um fenômeno mais característico da Eurásia do que da América do Norte.

“Isso põe em movimento um ciclo de reforço positivo entre o aquecimento e a perda de gelo do mar e da cobertura de neve, que chamamos de efeito estufa ampliado”, observou Myneni. “O efeito estufa poderia ser ainda maior no futuro, enquanto os solos no Norte descongelam, liberando quantidades potencialmente significativas de dióxido de carbono e metano.”

Os dados utilizados no estudo vêm de Radiômetros de Grande Resolução da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, que estão integrados em satélites que orbitam a região polar.

“Encontramos um crescimento vegetal maior na zona boreal entre 1982-1992 do que em 1992-2011, pois limitações de água foram encontradas nas últimas duas décadas de nosso estudo”, disse o coautor Sangram Ganguly, que trabalha para o Instituto de Pesquisa Ambiental da Área da Baía e para o Centro de Pesquisa Ames da NASA, no comunicado.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016