Trump e a arriscada mas necessária estratégia contra o Irã

Por James Gorrie

Como a administração Trump procura alcançar seus objetivos de paz no Oriente Médio, segurança nuclear e outros objetivos que envolvam o Irã e além, alguns objetivos da política podem, na verdade, estar funcionando com objetivos cruzados uns com os outros. As sanções contra o Irã são apenas uma pequena parte de um complexo balé de poder e diplomacia entre os Estados Unidos, Israel, Arábia Saudita e China.

Política do Irã de Trump: arriscada, mas necessária

A intenção do Irã é se tornar o ator dominante no Oriente Médio. Para os mulás em Teerã, isso significa adquirir armas nucleares. Isso também significa eliminar os dois principais adversários do Irã na região – Israel e Arábia Saudita – ambos são aliados dos Estados Unidos. É claro que nenhum desses resultados é até pensável, e muito menos aceitável, para os Estados Unidos ou para as nações-alvo.

Portanto, a política de Trump de conter o Irã é muito necessária para impedir que uma guerra mais ampla no Oriente Médio entre em erupção. Isso envolve a redução da influência do Irã por meio de seus procuradores, o Hezbollah e o Hamas, além de frustrar as ambições nucleares do Irã. Também envolve pesadas sanções. Não é segredo que a agitação civil no Irã está aumentando. As pessoas estão cansadas de viver em um Estado pária sem futuro para a geração mais jovem. As sanções econômicas, dolorosas para as massas, apenas aumentam essa agitação.

Você deve se lembrar de que o governo Obama abandonou as sanções contra o Irã como moeda de barganha no acordo nuclear iraniano. Supostamente, essa foi a principal conquista da política externa de Barack Obama. Mas, à luz das repetidas violações do Irã às condições do acordo, o governo Trump retirou-se dele e voltou a aplicar as sanções comerciais em novembro de 2018.

No entanto, certas renúncias às sanções foram concedidas a países específicos que dependiam do petróleo iraniano. Essas renúncias expiraram esta semana. A decisão de Trump de não renová-las tornará mais difícil para o Irã vender seu óleo e para seus clientes comprá-lo. Os infratores podem enfrentar conseqüências punitivas contra seus ativos baseados em dólar e transações bancárias. A China é um desses países, assim como a União Européia.

China, Arábia Saudita e o Petrodólar

É aí que as coisas ficam complicadas. O maior cliente de petróleo do Irã é a China. E, com as tarifas dos Estados Unidos contra a China já em vigor, as exportações de petróleo dos Estados Unidos para a China praticamente desapareceram. Além disso, com as importações chinesas de petróleo do Irã caindo 25% de março de 2018 a março de 2019, a China precisa encontrar petróleo de outros fornecedores.

Entra a Arábia Saudita. O principal importador de petróleo da Arábia Saudita também é a China. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos se tornaram o maior produtor mundial de equivalentes de petróleo, superando até mesmo a produção da Arábia Saudita. De fato, a recente explosão na produção de petróleo e gás dos Estados Unidos levou a um desafio substancial à OPEP, o cartel de energia que tem dominado o mercado mundial de energia fóssil desde os anos 70. Como resultado, a economia da Arábia Saudita está muito mais fraca do que há alguns anos.

Mas não é apenas um declínio nas importações norte-americanas de petróleo saudita que representam uma ameaça direta à economia da Arábia Saudita. O crescente apoio no Congresso dos Estados Unidos para a legislação da NOPEC (Lei de Não Produção de Óleo e Cartéis Exportadores) que aplicaria as leis anti- cartel dos Estados Unidos ao cartel da OPEP levou os formuladores de políticas da Arábia Saudita e seus parceiros da Opep a considerar o abandono do petrodólar.

Isso é um grande negócio. Pela primeira vez desde meados da década de 1970, a Opep está considerando aceitar outras moedas no lugar do dólar americano para suas vendas de petróleo. Se isso acontecer – embora ainda não seja provável – o dólar americano poderá perder seu status de moeda de reserva mundial. Isso poderia potencialmente levar à desvalorização dos ativos denominados em dólar em todo o mundo e a uma crise na economia americana. Isso pode explicar o fato de Trump ter ficado na Arábia Saudita após o brutal e notório assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

Plano de paz no Oriente Médio, o “negócio do século” de Trump

Com todo o foco nas audiências de conluio da Rússia, o plano de paz de Trump para Israel e os palestinos vem se desenvolvendo nos últimos dois anos. Há relatos de que o chamado “acordo do século” envolve algumas idéias muito criativas e deve ser anunciado em junho, após a observância islâmica do Ramadã.

A Arábia Saudita ofereceu ao líder palestino, Mahmoud Abbas, US$ 10 bilhões para aceitar o plano de Trump, que pode exigir que os árabes que vivem no território palestino retornem a seus países de origem.

Mas também haverá um componente de segurança e militar para Israel que potencialmente envolverá cooperação com a Arábia Saudita. Essa triangulação parece sensata e benéfica para todos os lados. A Arábia Saudita quer inteligência israelense, apoio militar e tecnológico além do dos Estados Unidos para conter os esforços do Irã contra eles. Quanto a Israel, este saudaria os sauditas como um aliado na região.

Arábia Saudita, um pivô para a China

Essa configuração deixa a China em uma posição muito estratégica. No ano passado, houve um aumento de 32% no comércio entre a China e a Arábia Saudita em áreas como comércio, segurança e defesa. E no início deste ano, o presidente Xi e o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salmon, assinaram 12 novos acordos de cooperação. Em outras palavras, ambos os países vêem que grande parte de seus futuros envolve o aprofundamento de seu relacionamento tanto em nível comercial quanto estratégico.

Portanto, enquanto os Estados Unidos continuam sua guerra comercial com a China, assim como sua política de contenção iraniana, seu principal aliado no mundo árabe para ambos os objetivos, bem como um fator importante no plano de paz de Trump no Oriente Médio, está se voltando para o leste. China. A China, portanto, buscará alavancar seu relacionamento crescente com a Arábia Saudita em vantagem própria contra os Estados Unidos, para atender ao seu objetivo maior de suplantar a América como a potência hegemônica global.

Existem várias oportunidades e áreas para isso. Por exemplo, a China encorajaria e apoiaria os sauditas a abandonar o petrodólar? Em algum momento, certamente. A Arábia Saudita estaria vulnerável à China comprando petróleo de outro fornecedor? Absolutamente.

Mas a China tem interesse em ver o plano de paz de Trump fracassar? Se isso significasse mais caos, uma derrota para o prestígio e influência americanos na região, bem como o potencial de acesso às reservas de petróleo e gás natural recém-descobertas de Israel, a resposta é “sim”.

A história mostra que a ascensão de poderes concorrentes leva à ascensão da multipolaridade e sua inerente instabilidade. Nossos tempos não são exceção e podemos imaginar alguns resultados muito negativos. Como o presidente Trump está descobrindo, conter o Irã é apenas o começo de uma longa cadeia ou cenários possíveis.

James Gorrie é um escritor baseado no Texas. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas