Arqueólogo recupera extravagante navio naufragado com 64 canhões do ano 1600

Antiga embarcação era um símbolo do orgulho sueco, exibindo extravagância e poder de fogo excessivo

Por Anna Mason 

Por mais de três séculos, um naufrágio quase intacto ficou no fundo do mar do porto de Estocolmo. Quando foi retirado do oceano em uma manhã de primavera em 1961, as notícias de sua descoberta correram o mundo.

Mas não foi um naufrágio qualquer.

A antiga embarcação de 220 pés, a Vasa, construída para o rei Gustaf II Adolphus entre 1626 e 1628, era um símbolo do orgulho sueco, exibindo extravagância e poder de fogo excessivo, o que eventualmente levou ao seu desaparecimento.

A figura de proa do navio Vasa, um leão (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu do Vasa/SMTM)
A figura de proa do navio Vasa, um leão (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu do Vasa/SMTM)
A popa do Vasa, vista de baixo (Cortesia de Anneli Karlsson/Vasa Museum/SMTM)
A popa do Vasa, vista de baixo (Cortesia de Anneli Karlsson/Vasa Museum/SMTM)
(Cortesia de Anneli Karlsson/Vasa Museum/SMTM)
(Cortesia de Anneli Karlsson/Vasa Museum/SMTM)

O Vasa não é apenas o navio do início do século XVII mais bem preservado do mundo, mas em sua época também foi uma exibição simbólica de poder, força e habilidade, talvez o equivalente do século 17 ao Air Force One. De acordo com a instabilidade da época, o Vasa era o navio de guerra mais bem armado do Báltico, com 64 canhões, sua grande tripulação e seu instrumentos de combate corpo a corpo. Sua proeminência majestosa e armamento incomparável fizeram do carro-chefe do rei Gustaf a maneira de mostrar ao resto da Europa que a Suécia era uma força a ser reconhecida em alto mar, pelo menos até seu final irônico.

Também foi suntuosamente adornado com centenas de esculturas e decorações. Heróis armados da mitologia grega e romana coexistiam com leões, anjos e figuras bíblicas. Ricamente decorado, muitas partes em folha de ouro, o navio era uma visão e tanto quando partiu em sua viagem inaugural, em agosto de 1628, muito longe da abordagem minimalista pela qual o design sueco moderno é conhecido hoje, mas com a mesma reverência escandinava pela estética

O navio Vasa no Museu Vasa (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu Vasa/SMTM)
O navio Vasa no Museu Vasa (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu Vasa/SMTM)
(Esquerda) parte do casco; (direita) o navio Vasa. Detalhe da armação (Cortesia de Åke E:son Lindman)
(Esquerda) parte do casco; (direita) o navio Vasa. Detalhe da armação (Cortesia de Åke E:son Lindman)

Assim como o Titanic, saindo de Southampton, no Reino Unido, em meio a grande comoção, o Vasa deixou o Porto de Estocolmo para uma enorme torcida e uma banda tocando para marcar a ocasião, mas como o Titanic, o Vasa estava destinado a uma sepultura precoce e aquática. Sem a excelência de design pela qual a Suécia é hoje famosa, os construtores navais não conseguiram projetar devidamente seu armamento e opulência excessivos: o navio era muito pesado. Aos olhos dos curiosos, uma forte rajada de vento fez o navio tombar no porto, poucos minutos após zarpar.

Quando os mergulhadores descobriram o navio na costa sueca cerca de 333 anos depois, foi o início de um projeto de restauração que levou vários anos. O Vasa estava firmemente preso ao barro azul endurecido do fundo do mar; era difícil e perigoso para os trabalhadores cavarem. Se tivesse afundado em outras águas, o resgate não teria valido a pena; no entanto, naquela época, não havia vermes comedores de madeira encontrados em águas mais quentes e salgadas do Báltico. O Vasa poderia ser recuperado.

O topo da popa do Vasa (Cortesia de Karolina Kristensson/Museu Vasa/SMTM)
Topo da popa do Vasa (Cortesia de Karolina Kristensson/Museu Vasa/SMTM)
Parte do convés superior do navio Vasa, em direção à proa (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu do Vasa/SMTM)
Parte do convés superior do navio Vasa, em direção à proa (Cortesia de Anneli Karlsson/Museu do Vasa/SMTM)
Parte superior da popa do Vasa (Cortesia de Karolina Kristensson/Vasa Museum/SMTM)
Parte superior da popa do Vasa (Cortesia de Karolina Kristensson/Vasa Museum/SMTM)

Também ajudou que o próprio Rei Gustavo VI Adolfo fosse um arqueólogo, que investiu os esforços da corte real para salvar o navio. Assim, o Vasa tornou-se (novamente) um tesouro nacional, e milhares de pessoas vieram ver como as cabeças esculpidas de antigos guerreiros emergiram do mar.

O arqueólogo amador Anders Franzén começou a recuperação do navio com determinação férrea, e ele e sua equipe levam o crédito pelo fato de que cerca de um milhão e meio de pessoas visitam o Museu Vasa todos os anos para ver o navio, ornamentado e restaurado para recuperar parte de sua antiga glória.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas