Argentinos rejeitam acordo com Pequim para implantação de fazendas de suínos

Por Alicia Marquez

Um grupo de argentinos se manifestou na quarta-feira em frente à embaixada da China em Buenos Aires contra um acordo entre Pequim e o país para promover a suinocultura industrial.

Em julho de 2020, foi noticiado que o governo de Alberto Fernández estava tentando assinar um memorando de entendimento com o regime chinês para aumentar a produção local de carne suína.

A China produziu cerca de 54 milhões de toneladas, mas depois que a peste suína africana atingiu o país em 2018, 20 milhões de toneladas foram perdidas para a doença.

No entanto, os cidadãos argentinos expressaram suas preocupações em relação ao acordo do ponto de vista ambiental e de saúde. Entre slogans como “Rejeitamos o acordo daqui para a China”, “Acordo Pig = mais pandemias, menos água, mais clareiras”, “Aviso: uma fábrica de pandemia”, protestaram nas ruas da capital no dia 25 de agosto.

“[As fazendas-fábricas de suínos] trazem consigo diversos problemas. Primeiro, o tremendo problema socioambiental, porque os porcos poluem – eles poluem [as águas subterrâneas], o meio ambiente “, disse Alejandro Bodart, um dos manifestantes, à Reuters.

“Eles geram novos vírus (…) e tremendo abuso de animais”, acrescentou.

O investimento total seria de mais de US$ 3 milhões em quatro anos, que contaria com capital majoritariamente chinês, com alguns sócios argentinos. Com esse acordo, a Argentina poderá exportar mais de 800 mil toneladas de carne suína. No entanto, a assinatura da negociação foi atrasada após várias manifestações contra ela devido aos mesmos problemas.

Pilar Barbas, outra manifestante, disse que há províncias, como Santiago del Estero, com problemas de abastecimento de água que precisam da quantidade de água usada nas fazendas.

“A poluição do ar que a própria fábrica também traz, a quantidade de grãos que são necessários para tudo isso. Além disso, acreditamos que estamos a um ano e meio com pandemia (…) e isso trará uma mega fábrica de pandemia ao nosso país ”, disse Barbas.

Em outubro de 2020 , a notícia do acordo com Pequim gerou rejeição dos argentinos, que, por meio de uma petição no Change.org, manifestaram suas preocupações com o regime chinês – desde sua história de encobrimento de epidemias até as condições ambientais e sanitárias.

“Os acobertamentos da China permitiram a disseminação na pecuária hoje, ameaçando os criadores de porcos em todo o mundo. Desde o surto na China, a peste suína africana estourou em 10 países da Ásia ”, diz a página, acrescentando que esta doença“ arruinou a subsistência de muitos pequenos agricultores e matou cerca de 400 milhões de porcos ”.

“Por isso, empresas do país asiático têm interesse em investir na Argentina. O objetivo é evitar que futuras epidemias ou pandemias renasçam em suas terras, se instalar em outros países e abastecer seu mercado com a carne de porco, a que mais consomem, sem ter que produzi-la ela mesma ”, acrescenta a petição.

Assim como com o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) – comumente conhecido como o novo coronavírus – Pequim negou ou minimizou a gravidade dessa epidemia de porcos.

A peste suína africana (FSA) originou-se na África Oriental e atingiu a Europa Oriental em 2007. A FSA chegou à China em agosto de 2018 e, no ano seguinte, a China já havia perdido pelo menos metade de seus rebanhos devido à  má gestão de Pequim em face da doença.

Agricultores chineses em Pequim informaram as autoridades de Pequim  sobre surtos da doença na localidade, mas disseram que isso nunca foi registrado nas estatísticas oficiais. As autoridades locais também se recusaram a testar porcos quando mortes em massa foram relatadas e evitaram relatar os surtos por medo das consequências políticas.

Com informações de Débora Alatriste.

Siga Alicia Márquez no Twitter: @AliceMqzM 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas