Argentina lança blockchain para serviços públicos

Argentina está se tornando o "Vale do Silício" para blockchain

Por Paz Gómez

Os governos latino-americanos têm, de modo geral, engajado em uma batalha contra criptomoedas desde o seu nascimento. A Argentina tem sido uma exceção relativa e um centro para o desenvolvimento de bitcoins e altcoins, particularmente porque os locais viram seu potencial de superar os controles cambiais e a inflação alta e instável.

Agora a Argentina terá seu próprio livro-razão distribuído, também conhecido como blockchain, criado em conjunto com várias agências governamentais. Um blockchain combina criptografia de chave privada, protocolos comuns e redes peer-to-peer que são extremamente resistentes à modificação de dados.

Anunciada pela primeira vez em 29 de junho pela Câmara Argentina de Comércio na Internet (Cabase), a blockchain é chamada de Blockchain Federal da Argentina (BFA). Está agora em seu estágio de design e desenvolvimento de infra-estrutura.

Os desenvolvedores da plataforma baseada em blockchain visam melhorar os processos públicos e padronizar aplicativos privados da tecnologia, e eles estão agendados para este ano. Haverá 15 estágios de implementação, e estes não dependem de uma criptografia específica para operação.

O BFA é um projeto colaborativo, incluindo setores públicos, com fins lucrativos e sem fins lucrativos. Especificamente, os iniciadores notáveis ​​são o Cabase, o Network Information Center da Argentina (um provedor de domínio da Web) e a Associação de Universidades para Redes de Interconexão (ARIU).

Essas organizações já trabalham juntas há anos para explorar oportunidades de governança digital, além de promover o acesso e o desenvolvimento da Internet na Argentina e na América Latina. A sua mais recente colaboração, o BFA, funcionará como uma plataforma aberta e gratuita para apoiar iniciativas e contribuições de todos os setores da sociedade.

A primeira etapa do projeto, que está em andamento, contempla o desenvolvimento de infra-estrutura para operar 15 servidores distribuídos e um projeto de framework para rodar aplicações de usuários. Eles esperam ter aplicações públicas e privadas para contratos, transações e outras operações compatíveis executadas no BFA.

Em um comunicado divulgado pela Cabase, a câmara explica que as organizações e agências que desejam usar o blockchain melhorarão seus procedimentos – por conta da transparência e do crowdsourcing – e aumentarão a produtividade e a segurança. “Isso pode ser alcançado”, continua a declaração, “por causa das características fundamentais de um blockchain, bem como de sua interoperabilidade e atributos colaborativos”.

O BFA será uma ferramenta imutável e acessível – que não pode ser apagada ou alterada – para desenvolver aplicativos. A aliança também procura capacitar os cidadãos, fornecendo-lhes um livro-razão digital confiável, confiável e verificável, sem a necessidade de intermediários. Portanto, a esperança para o BFA é que ele seja um meio para os cidadãos gerarem governos responsáveis ​​e facilitem a implementação de alternativas de economia digital.

A tecnologia Blockchain, juntamente com as criptomoedas derivadas, já afetou o setor financeiro de maneira significativa. Os profissionais de investimento, quando pesquisados, asseguram que seu potencial se traduzirá em uma revisão dos procedimentos de transação. Além disso, a pesquisa de políticas apoiou o potencial da tecnologia blockchain para melhorar os serviços públicos e reduzir o alcance dos governos.

Armazenamento Confiável

A McKinsey & Company, por exemplo, explica que uma das principais funções dos governos é o armazenamento de informações confiáveis ​​para indivíduos, organizações e outras entidades que operam em seus territórios. Portanto, blockchains pode simplificar o gerenciamento de informações, facilitando o acesso e o uso de “dados críticos do setor público, mantendo a segurança dessas informações”.

Um estudo publicado na Revisão Independente sugere que a rede verificável de transações, o sistema de entrada com baixas barreiras, o código-fonte aberto e as operações de tomada de decisão do blockchain poderiam promover aplicativos que substituem as funções governamentais. Alguns campos relacionados a serviços públicos que bloqueiam aplicativos podem afetar a moeda digital, a execução de contratos, os contratos automatizados, a regulamentação de corporações, a resolução de disputas e o registro de propriedade.

A Argentina parece ser um terreno fértil para iniciativas privadas e possui aproximadamente 30 startups registradas baseadas em blockchain. Eles incluem Ripio, uma carteira de bitcoin para pagamentos de serviços e negociação de pesos argentinos; Wayniloans, uma plataforma para empréstimos peer-to-peer em bitcoin; e Signatura, uma assinatura baseada em blockchain e provedor de certificações.

Várias empresas na Argentina também aceitam criptomoedas, particularmente bitcoin, como meio de pagamento. Belén Marty, jornalista da publicação Crypto 247, da Infobae, afirmou em uma entrevista ao Podcast de Boletim de Ouro que, em vez do dólar americano, o bitcoin poderia se tornar a solução monetária para os problemas cambiais da Argentina.

O empresário argentino de tecnologia, Federico Ast, até sinaliza que a Argentina está se tornando o “Vale do Silício” para blockchain, “uma referência global…Talvez na medida em que, dado um contexto de crises monetárias e governamentais, [os argentinos] compreendam o potencial dessa tecnologia diante de outras nações. ”A atual taxa anual de inflação na Argentina, estimada pelo Projeto Moedas Problemáticas, é de 32%.

“Os projetos de elite do mundo nascem na Argentina”, diz Ast. Algumas dessas organizações de sucesso são a Zeppelin, um auditor de código internacionalmente proeminente; Decentraland, um espaço de realidade virtual descentralizado; RSK, um concorrente potencial com ethereum; e Kleros, uma empresa de arbitragem recentemente reconhecida como uma das cinco principais startups blockchain na França.

Ast acredita que os ingredientes que faltam para o empreendedorismo blockchain florescer no país são um quadro regulamentar amigável e um sistema de tributação de baixa carga. “A semente está brotando, mas ainda é fraca.” Ele acredita que “uma política inteligente em relação às criptomoedas poderia consolidar a Argentina como o pólo norte global para o desenvolvimento dessa indústria”.

 
Matérias Relacionadas