Apresentador de TV chinês pode ser severamente punido por caçoar de Mao Tse Tung

Quase quatro décadas depois da morte de Mao Tse Tung, ainda é considerado um grande pecado se um membro do Partido Comunista zomba do Grande Timoneiro.

A emissora China Central TV (CCTV) suspendeu em abril seu mais popular apresentador, Bi Fujian, que deverá ser investigado pelas autoridades depois que vazou na internet um vídeo de 76 segundos em que ele é visto cantando uma ópera revolucionária e fazendo comentários sarcásticos sobre o partido e sobre Mao durante um jantar particular.

“O Partido Comunista! O comandante Mao!”, cantou Bi. “Quanto dano nos causou esse velho (aqui disse um palavrão) Mao!”, continuou, provocando risos nas mesas. Depois de ser criticado, Bi publicou um pedido de desculpas nas redes sociais.

Apresentador de TV, Bi Fujian (captura de tela/Global Times)
Apresentador de TV, Bi Fujian (captura de tela/Global Times)

A edição de agosto do jornal da agência anticorrupção do Partido Comunista inclui um artigo que sugere o que espera Bi: o ato de “ridicularizar e manchar” a imagem das figuras históricas do Partido foi considerada “não um problema geral de disciplina, mas uma grave violação da disciplina política”.

“A CCTV deve lidar severamente com a questão com base nos regulamentos pertinentes, e fazer com que sirva de alerta a seus membros”, disse o relatório da Notícias de Disciplina e Inspeção da China.

Isto não soa nada bom para Bi, de 56 anos, que até sua prisão, era considerado um dos principais apresentadores de TV da China, encabeçando programas de talentos como “Avenue of Stars”, semelhante ao “American Idol” e vários programas de comemoração do Ano Novo Lunar, assistido por milhões de chineses, tanto na China como no estrangeiro.

A acusação de “violação grave da disciplina” foi usada contra muitos membros do Partido Comunista durante a campanha anticorrupção promovido pelo líder chinês Xi Jinping. Todos foram expurgados e presos depois de investigados.

Leia também:
Cirurgião confirma crime de extração de órgãos do PCC
Regime Chinês dá indireta ao ex-líder Jiang Zemin para não mexer com governo
Fundação incentiva sociedade a apoiar processos contra ex-ditador chinês Jiang Zemin

Bi iria deixar o emprego, de acordo com Ming Pao, um jornal respeitado em Hong Kong. A edição chinesa da publicação alemã Deutsche Welle informou que Zhu Jun, outro apresentador da CCTV, substituiu Bi como apresentador do programa “Avenue of Stars”. Deutsche Welle disse: “Para remover a ‘influência negativa’ de Bi Fujian, ‘Avenue of Stars’ inclusive chamou competidores anteriores para voltar e gravar programas em que Bi havia sido o apresentador.”

Os internautas chineses tiveram reações diferentes sobre o comportamento do Bi no vídeo. Enquanto alguns o consideram uma “pessoa normal”, que não repete na vida privada a propaganda oficial do Partido, outros o consideram um traidor completo do Partido.

“Aqueles que não respeitam a história e suas grandes personalidades não merecem simpatia”, dizia um dos comentários existentes no site da estatal de notícias Peng Pai.

“Em uma época de reforma e abertura, censurar as opiniões é matar o coração da liberdade”, dizia outro comentário muito curtido. Reforma e abertura referem-se à política do Partido Comunista de liberalização econômica que começou em 1978, um ano após a morte de Mao e o fim da Revolução Cultural, uma década tumultuada e sangrenta na história chinesa.

Vários analistas políticos chineses têm comparado a punição contra Bi Fujian por ter zombado de Mao com uma perseguição semelhante que ocorreu durante a Revolução Cultural. Naquela época, pessoas foram mandadas para campos de trabalho forçado e lá ficaram por anos, por ter mencionado críticas a Mao; outros foram espancados quase até a morte por delitos políticos menores.

Em um programa de 11 de abril da Nova Dinastia Tang (NTDTV), uma estação de televisão chinesa com sede em Nova York, o comentarista político Chen Pokong disse que o caso de Bi – desde que sua piada foi gravada e enviada para a Internet – mostra que os chineses ainda estão trabalhando como informantes para o regime.

Chen também disse que era hipocrisia do Partido punir Bi por fazer um comentário depreciativo contra Mao, dada a sua tradição de desacreditar e difamar seus antigos dirigentes, como no caso de Zhao Ziyang, ex-secretário-geral do partido, que simpatizava com os estudantes pró-democracia da Praça Tiananmen em 1989, e Chen Duxiu, um dos cofundadores do Partido.

Bi só estava brincando, disse Chen, pois Mao Tse Tung era um “ditador brutal e paranoico”, assim como “Adolf Hitler, Josef Stalin e Pol Pot”.

“Para ser franco, as pessoas concordam que o que Bi disse pode ser considerado apenas como um insulto”, disse Chen.

 
Matérias Relacionadas