Publicado em - Atualizado em 15/12/2017 às 19:02

Após 40 anos de trabalho forçado, elefoa é libertada, mas se nota algo diferente

A elefoa Gan Da, resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da, resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Alguns de nós notaríamos o quão bem se comportam os elefantes na indústria do turismo. Mas, longe dos olhos da maioria das pessoas, esses elefantes foram traumatizados com o “treinamento” duro que eles receberam. Então, quando uma elefoa foi finalmente libertada, seus libertadores notaram algo fora do comum.

Gan Da chegando ao campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da chegando ao campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da, também conhecida como Darling, é uma elefoa de 40 anos que passou a maior parte de sua vida trabalhando em campo de trekking, até que um dia uma mulher australiana concordou em patrocinar seu resgate.

Gan Da no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

“Fomos contatados pelo seu dono, que queria se aposentar da indústria do turismo. Afortunadamente, tivemos uma recente arrecadação de fundos para elefantes em Sydney, Austrália, o que nos permitiu resgatá-la”, disse Tom Taylor, gerente do Centro de Resgate e Refúgio de Elefantes, da Wildlife Friends Foundation Thailand (WFFT), ao The Dodo.

Gan Da recebe carinho e cuidados no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da recebe carinho e cuidados no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

“A Tailândia atualmente possui uma população mais de 3.500 elefantes em cativeiro e uma população selvagem de aproximadamente 3.200”, escreveu a organização em sua página do Facebook.

A elefoa Gan Da, resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da, resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

E acrescentou que tem notado um aumento no número de elefantes em campos de trekking.

A elefoa Gan Da, que foi resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da, que foi resgatada na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

WFFT escreveu: “A Tailândia viveu um crescimento na indústria de turismo com elefantes nos últimos anos, com o número de turistas aumentando a cada ano. A indústria deve mudar e fornecer opções éticas para os mais de 1.000 elefantes em cativeiro que se encontram em campos turísticos cruéis”.

Gan Da chegando no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia, após o resgate (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da chegando no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia, após o resgate (Reprodução/Facebook de WFFT)

Em novembro, Gan Da teve suas correntes removidas e finalmente foi liberada. Para ela começar um novo capítulo em sua vida, ela teve que ser transportada de caminhão para o centro de refúgio.

A elefoa Gan Da, a caminho de seu novo lar, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da, a caminho de seu novo lar, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Embora fosse difícil saber o que Gan Da estava pensando, ela estava definitivamente feliz, porque quando o caminhão chegou à sua nova casa, os socorristas notaram seu rabo abanando.

A elefoa Gan Da no caminhão a caminho de seu novo lar, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da no caminhão a caminho de seu novo lar, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

“Depois da longa jornada do norte da Tailândia, Gan Da ficou muito feliz em sair do caminhão e esticar suas pernas”, escreveu a WFFT.

Gan Da se alimentando livremente no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da se alimentando livremente no campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

“Gan Da passou seu primeiro dia de liberdade, livre de correntes, comendo uma variedade de guloseimas, adaptando-se a sua nova vida”, acrescentou a WFFT. Gan Da até pôde desfrutar de um banho de mangueira.

Gan Da feliz em sua nova casa, o campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da feliz em sua nova casa, o campo de refúgio para elefantes da WFFT, na Tailândia (Reprodução/Facebook de WFFT)

“Ela é uma garota dócil e está amando sua nova liberdade na WFFT”, disse Taylor. “Ela já está interessada nos outros elefantes aqui. Esperamos que ela faça novos amigos e aproveite seu retiro cercada por outros elefantes resgatados.”

A elefoa Gan Da emocionada em seu novo lar, na Tailândia, após ser resgatada (Reprodução/Facebook de WFFT)

A elefoa Gan Da emocionada em seu novo lar, na Tailândia, após ser resgatada (Reprodução/Facebook de WFFT)

Gan Da está desfrutando de sua liberdade, da qual ela foi privada por 40 anos. Gan Da agora vive a vida liberta e sob os cuidados daqueles que têm seus melhores interesses no coração.

NTD Television

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016