Apocalipse do Ômega-6

Como o uso onipresente de óleos de sementes processados ​​deu início a uma nova era de doenças

Por Joseph Mercola

A maioria dos americanos estão sendo enganados pelas recomendações oficiais de saúde para ingerirem óleos vegetais “saudáveis”. Até mesmo o termo “óleo vegetal” é enganoso porque dá a impressão de que você está recebendo micronutrientes vegetais enquanto esses óleos são geralmente tóxicos, óleos de sementes processados ​​industrialmente.

Os óleos de sementes são um ingrediente chave em alimentos processados ​​e alguns dos “alimentos” mais perigosos que você pode comer.

Isso é ainda mais problemático hoje em dia, uma vez que as altas quantidades de estresse oxidativo causado por esses óleos prejudicam seriamente sua função imunológica e aumentam radicalmente o risco de todas as infecções, incluindo a COVID-19. Em minha opinião, eliminar todos os óleos de sementes é tão importante quanto otimizar seu nível de vitamina D para diminuir o risco da COVID-19.

No Simpósio de Saúde Ancestral, realizado na UCLA em agosto de 2020, o oftalmologista, Dr. Chris Knobbe, deu uma excelente sinopse de por que óleos de sementes são o mecanismo unificador por trás de doenças crônicas ocidentalizadas, como doenças cardíacas, obesidade, câncer e diabetes.

Knobbe é o fundador e presidente da Cure AMD Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada à prevenção da degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Embora a maioria já tenha ouvido falar dos riscos à saúde decorrentes da ingestão de açúcares processados, carboidratos líquidos e gorduras trans, os óleos de sementes superam todos eles nos danos que causam à saúde. Se você fizesse uma mudança hoje para diminuir o risco de doenças crônicas, eliminar os óleos de sementes da sua dieta seria a maior prioridade.

A Maioria dos americanos estão metabolicamente doentes

Doença cardíaca, agora a principal causa de morte nos Estados Unidos, era virtualmente desconhecida no século XIX. O mesmo vale para o câncer, que causou 0,5 por cento das mortes em 1811 e 5,8 por cento das mortes em 1900 – aumentando para mais de 31 por cento das mortes em 2010. Um padrão semelhante surgiu para a diabetes, que era rara no século 19 e tinha uma prevalência de 0,37 por cento em 1935. Em 2020, houve um aumento de 28 vezes em 85 anos, para uma prevalência de 10,5 por cento.

Obesidade? Mesma história. Com uma prevalência de apenas 1,2 por cento no século 19, a obesidade aumentou 33 vezes em 115 anos, para uma prevalência de 39,8 por cento em 2015. Enquanto isso, em 1990, 24% dos adultos norte-americanos foram diagnosticados com síndrome metabólica, que é uma combinação de hipertensão, dislipidemia, resistência à insulina, hiperglicemia e obesidade visceral.

Em 2009–2015, 88 % dos adultos norte-americanos não atendiam aos cinco critérios de saúde metabólica, medidos por glicose no sangue, triglicerídeos, colesterol HDL, pressão arterial e circunferência da cintura.

Degeneração macular e osteoartrose seguiram aumentos semelhantes, com Knobbe questionando o que era tão onipresente durante este tempo que poderia ter ocasionado essas mudanças. A história da dieta fornece a resposta, com a introdução de quatro alimentos processados ​​primários – açúcar, óleos de sementes processados ​​industrialmente, farinha refinada e gorduras trans – agindo como os culpados.

“Eu acredito que este é um experimento humano global para o qual ninguém deu consentimento. Ninguém viu isso chegando. Eles não teriam se inscrito para isso”, afirmou. Knobbe também cita o trabalho de Weston A. Price, o dentista que escreveu o livro clássico “Nutrition and Physical Degeneration”. Nos anos 1900, Price realizou uma extensa pesquisa sobre a ligação entre a saúde bucal e as doenças físicas.

Ele foi um dos maiores pioneiros da nutrição de todos os tempos, e sua pesquisa revelou que tribos nativas que ainda faziam sua dieta tradicional tinham dentes quase perfeitos e praticamente 100% livres de cáries.

Mas quando essas populações tribais foram introduzidas ao açúcar refinado e farinha branca, sua saúde e dentes perfeitos se deterioraram rapidamente.

“Weston Price conectou esses alimentos, esses mesmos alimentos, essencialmente, a doenças físicas degenerativas em 1939. Ninguém o ouviu”, declarou Knobbe. Knobbe parece ser o equivalente a Price do século 21.

Por que os óleos de sementes são semelhantes ao arsênico

O problema com os óleos de sementes é que eles são processados ​​industrialmente, são pró-inflamatórios e provocam a oxidação em seu corpo. As autoridades de saúde gostam de afirmar que os óleos de sementes são ótimos para você porque reduzem o colesterol, mas, como relata Knobbe, o arsênico também. As duas toxinas, na verdade, têm muito em comum:

“Podemos pensar que isso é uma piada, mas, na verdade, incrivelmente, há muitos paralelos entre [arsênio] e óleos de sementes, e o menor deles é o fato de que o arsênio é fantasticamente oxidante, pró-oxidativo. E é exatamente assim que os óleos de sementes são. Eles conduzem a oxidação. Eles são pró-oxidativos, pró-inflamatórios e tóxicos, mas entre tudo isso, o pior é a oxidação. Isso é de longe o mais prejudicial.”

Você encontrará óleos de sementes na maioria dos alimentos processados, incluindo fast food e até mesmo em muitos restaurantes caros.

“Mesmo os melhores restaurantes estão usando óleos de sementes porque custam cerca de um sexto do custo da manteiga”, afirmou Knobbe.

A razão pela qual eles conseguiram permanecer no suprimento de comida, apesar de sua alta toxicidade, é porque eles não são venenos biológicos agudos, mas crônicos. O envenenamento crônico significa que os sintomas não ocorrem imediatamente e, muitas vezes, apenas após exposição repetida de longo prazo. Uma estratégia sólida ao comer em um restaurante é evitar todos os molhos e temperos, já que eles são, muito provavelmente, carregados com esses óleos de sementes altamente processados.

“Eles foram trazidos lentamente, a partir da década de 1860. E foram utilizados, ​​primeiro, para adulterar banha e manteiga e, então, gradualmente, foram usados ​​para suplantar e substituir banha, manteiga e sebo bovino. E foi assim que eles se safaram. Então, gradualmente, ficamos com excesso de peso e doentes, e eles se mantiveram no estoque de alimentos dessa forma.”

Além de serem pró-inflamatórios, Knobbe aponta, esses óleo de sementes venosos são também:

  • Citotóxicos
  • Genotóxicos
  • Mutagênicos
  • Carcinogênicos
  • Trombogênicos
  • Aterogênicos
  • Obesogênico

Um terço da ingestão calórica dos EUA é óleos de sementes

Dados publicados por Knobbe mostram que os óleos de sementes, que foram introduzidos na dieta dos Estados Unidos em 1866, representavam 32 % da dieta dos americanos em 2010, o que equivale a 80 gramas por pessoa por dia. Em contraste, em 1865, a maioria das pessoas teria apenas cerca de 2 a 3 por cento de sua ingestão calórica por ácido linoléico ômega-6, encontrado em óleos de sementes, e teriam sua principal ingestão através da manteiga, banha de porco e sebo bovino.

Os animais criados por nossos ancestrais tinham baixo ômega-6, mas isso muda quando os animais são criados em operações de alimentação animal concentrada (CAFO), como são hoje. A carne de porco CAFO pode conter 20 por cento de gordura ômega-6, para comparação. Knobbe destaca várias populações nativas que têm taxas muito baixas de doenças crônicas e consumo comparativamente baixo de ácido linoléico, como a tribo Maasai do Quênia e a Tanzânia.

Eles comem principalmente leite, carne e sangue – uma dieta com 66% de gordura animal (33% a 45% de gordura animal saturada), 17% de carboidratos e apenas 1,7% de ácido linoléico ômega-6 (LA). Eles não têm doenças cardíacas, mas a American Heart Association continua afirmando aos americanos para que limitem a gordura saturada a não mais que 5% a 6% das calorias diárias.

Os americanos, com base em 24 a 32 por cento da ingestão calórica diária de óleos de sementes, estão obtendo de 8 a 12 por cento ou mais de suas calorias diárias apenas com ácido linoléico. Em outro exemplo, os Tokelauanos, que vivem em um território próximo à Nova Zelândia, comem uma dieta muito diferente, com 54% a 62% das calorias do coco, o que equivale a 53% de gordura, 48% da qual é gordura saturada.

Apenas cerca de 1 por cento ou menos de sua dieta consiste em gorduras ômega-6, e eles também não têm doenças cardíacas e especialmente nenhuma obesidade ou diabetes. “Se olharmos para essas populações”, declarou Knobbe, “e você pode olhar para todas elas, populações com vida ancestral, o que elas não têm é açúcar refinado, trigo refinado e, claro, não têm óleos vegetais”.

“E quanto ao ômega-6 nessas populações tradicionais? É de 0,6 a cerca de 1,7 por cento, acho que todos estão abaixo de 2 por cento, até onde sei, enquanto nossas populações ocidentalizadas – 7 a 12 por cento de ácido linoléico ômega-6 sozinho.

Mais uma vez, este é o ponto principal. Então, o que acontece com esse ômega-6? Nós acumulamos em nossa gordura corporal.”

Japoneses afligidos por óleos de sementes

Enquanto as populações ancestrais tiveram sua saúde protegida pelo não consumo de óleos de sementes, outras populações, como o Japão, tiveram declínios de saúde que correspondem ao aumento do consumo desses óleos tóxicos. Desde 1960, o Japão teve aumentos marcantes na obesidade, pressão alta, diabetes tipo 2, síndrome metabólica, cânceres múltiplos e degeneração macular relacionada à idade.

Enquanto isso, em 1950, os japoneses consumiam apenas 3 gramas por dia de óleos de sementes, o qual aumentaram para 39 gramas por dia em 2004. Como porcentagem do total de calorias, o ômega-6 aumentou para 6,2 por cento em 2004, de 1,55 por cento em 1950.

“Esse é o principal problema aí mesmo”, relatou Knobbe. “Portanto, o declínio da saúde do Japão é provavelmente devido a um aumento de 13 vezes, 1.200% em óleos de sementes tóxicos, pró-oxidativos, pró-inflamatórios, e deficientes em nutrientes”.

De acordo com o CDC, seis em cada 10 americanos possuem uma doença crônica, e doenças cardíacas, asma, câncer e diabetes aumentaram 700% desde que a Pesquisa Nacional de Saúde foi realizada em 1935.

Como Jeff Nobbs, empresário de tecnologia, observou em uma análise das estatísticas, durante esse tempo, os americanos têm fumado e bebido menos, duas das principais causas de doenças crônicas. Nobbs também acredita que o óleo vegetal é o elo perdido que explica por que os americanos estão cada vez mais doentes.

“Se o óleo vegetal é de fato o culpado oculto por trás da epidemia de doenças crônicas de hoje, ele é uma solução simples e elegante para explicar por que as doenças crônicas e a obesidade continuam a aumentar, mesmo que sigamos os conselhos da saúde pública.”

“Estou convencido de que nossas guerras contra a carne vermelha, gordura saturada, colesterol e sódio podem ser equivocadas. Lutar essas batalhas pode ser como focar nos ajudantes, quando o verdadeiro vilão que puxa todos os cordões ainda está escondido nas sombras. É hora de iluminar aquele vilão escorregadio, nosso possível inimigo nº 1 da saúde pública: o óleo vegetal.”

Prepare sua comida em casa

É vital que você reduza ao máximo a ingestão de óleos de sementes processados ​​industrialmente. Isso significa eliminar os seguintes óleos:

  • Soja
  • Milho
  • Canola
  • Cártamo
  • Girassol
  • Amendoim
  • Uva
  • Farelo de arroz

Para fazer isso, você precisará evitar todos os alimentos ultraprocessados, fast foods e muitos restaurantes. É por isso que é tão importante preparar o máximo de comida que puder em casa, para saber o que está comendo e, no caso dos óleos de sementes, o que não está.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 

 
Matérias Relacionadas