Antigo mural em igreja cristã israelense é primeiro uso do calendário gregoriano já descoberto

Uma equipe de arqueólogos descobriu um mural no chão de uma igreja cristã em Israel com importantes implicações históricas. O mural foi descoberto em agosto por pesquisadores de várias universidades e organizações que trabalham na cidade costeira israelense de Ashdod, anunciou a Autoridade de Antiguidades de Israel em 23 de novembro.

O piso de cerâmica possui uma inscrição de quatro linhas em grego que diz: “[Pela graça de Deus (ou Cristo)], este trabalho foi feito da fundação sob Procopius, nosso mais santo e santíssimo bispo, no mês Dios da terceira indicação, ano 292”, reportou The Christian Times.

A inscrição foi decifrada pelo dr. Leah Di Segni, da Universidade Hebraica de Jerusalém, que explica que a data é dada de acordo com o calendário gregoriano, a qual corresponde ao ano de 539 no moderno sistema de calendário gregoriano.

Acredita-se que a inscrição em Israel seja o exemplo mais antigo descoberto do uso do calendário gregoriano. “Isso foi muitos anos antes de ele ser usado na própria Geórgia”, disse Segni ao Jerusalem Post. A inscrição cita o bispo Procopius, que ordenou a construção da igreja.

A inscrição grega antiga encontrada por arqueólogos em templo cristão em Israel (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)
A inscrição grega antiga encontrada por arqueólogos em templo cristão em Israel (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)

A equipe de escavação foi liderada pelo dr. Alexander Fantalkin, do Departamento de Arqueologia e Civilizações Antigas do Oriente Próximo da Universidade de Tel Aviv, e pela profª. Angelika Berlejung, da Universidade de Leipzig, reportou o Jerusalem Post. A Fox News acrescentou que especialistas da Autoridade de Antiguidades de Israel e da Universidade de Gottingen também participaram do projeto. Foi a terceira temporada de escavação da equipe no local, e até agora, a mais frutífera.

As ruínas da cidade romano-bizantina de Ashdod-Yam (Kalat al-Mina), na atual Ashdod, Israel (Wikimedia Commons)
As ruínas da cidade romano-bizantina de Ashdod-Yam (Kalat al-Mina), na atual Ashdod, Israel (Wikimedia Commons)

Cidade antiga ainda a ser descoberta

Ashdod-Yam (Ashdod-Costeira) era vizinha de Ashdod, um importante centro urbano nos primeiros tempos bizantinos (a era bizantina se estendeu de 330 dC a 1430 dC).

Acredita-se que Ashdod seja o lar da maior comunidade mundial de judeus gregorianos ─ judeus que migraram da nação da Geórgia. Ashdod, então chamado Azotos, é a única antiga cidade filisteia mencionada no Novo Testamento da Bíblia cristã.

Acredita-se que o famoso príncipe gregoriano e bispo Pedro Ibérico viveu em Ashdod-Yam até sua morte.

Dupla de arqueólogos trabalham para desenterrar e preservar o piso da igreja com mural contendo inscrição com implicações históricas (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)
Dupla de arqueólogos trabalham para desenterrar e preservar o piso da igreja com mural contendo inscrição com implicações históricas (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)

“Nós sabemos por fontes históricas e uma representação no Mapa de Madaba (um mapa contemporâneo de mosaico do século VI localizado na Jordânia) que o centro de gravidade da região mudou de Ashdod para Ashdod-Yam durante o período bizantino”, disse o dr. Alexander Fantalkin ao jornal israelense Haaretz.

“Obviamente, as ruínas da cidade romano-bizantina de Ashdod-Yam estão aguardando sob as dunas”, acrescentou Fantalkin. A cidade de Ashdod-Yam esteve ocupada pelo menos até o final da Idade do Ferro (oitavo a sétimo séculos aC) e ao longo do período helenístico (323-31 aC).

Arqueólogos transcrevem a antiga inscrição achada nas ruínas de Ashdod-Yam, em Ashdod, Israel (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)
Arqueólogos transcrevem a antiga inscrição achada nas ruínas de Ashdod-Yam, em Ashdod, Israel (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)

“Ashdod-Yam, conhecido em fontes do período como Azotos Paralios, abrangia uma área grande, e o renomado Mapa Madaba mostra isso com edifícios públicos, incluindo igrejas e uma rua flanqueada por colunatas”, de acordo com a Autoridade de Antiguidade israelense.

O arqueólogo da Autoridade de Antiguidade Sa’ar Ganor disse ao Jerusalem Post: “Testemunho da presença dos verdadeiros gregorianos na Terra de Israel desde o período bizantino foi encontrado a dezenas de quilômetros de Ashdod, [bem como em] Jerusalém e no seu entorno, mas esta é a primeira vez que uma igreja ou um mosteiro gregoriano foi descoberto na costa israelense”.

“É interessante que, como hoje, Ashdod foi um centro de atração para os gregorianos”, acrescentou.

O local da escavação da descoberta arqueológica do mais antigo uso do calendário gregoriano já descoberto (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)
O local da escavação da descoberta arqueológica do mais antigo uso do calendário gregoriano já descoberto (Captura de tela do canal Haaretz.com no YouTube)

Como Fantalkin, Ganor também acredita que o resto da cidade está aguardando escavações sob as dunas. “Esta estrutura pública, que só agora começa a surgir, faz parte de um extenso complexo arqueológico na parte sul da Ashdod moderna”, disse ele.

“Agora, estamos trabalhando duro para levantar fundos extra para continuar a escavação arqueológica de Ashdod-Yam.”

NTD Television

 
Matérias Relacionadas