Antídoto de dopamina pode ser solução para vício em cocaína

Não existe tratamento médico para os viciados em cocaína, mas cientistas dizem que uma descoberta recente sobre a dopamina é um passo na direção certa.

A dopamina é um tipo de molécula existente no cérebro, que transmite sinais e que está envolvida com a nossa sensação de recompensa e motivação, e, por conseguinte, com o vício. Os transportadores de dopamina agem como um “aspirador de pó molecular”, removendo a dopamina liberada e os seus sinais existentes.

Investigadores da Universidade de Copenhagen descobriram uma interação, um assim chamado portão, que controla o acesso da dopamina para o seu sítio de ligação na proteína.

Leia também:
Pesquisadores vinculam consumo precoce de álcool com futuro vício
Estudo mostra a relação entre álcool, drogas e crimes
Praticantes do Falun Gong são torturados com drogas em prisão chinesa

“Se tivermos um melhor entendimento das funções do transportador da dopamina ficaremos mais proficientes no desenvolvimento de um antídoto contra o vício da cocaína.”, afirmou Claus Juul Loland, professor adjunto do departamento de neurociência e farmacologia.

“Nós descobrimos dois aminoácidos nas proteínas que dinamicamente quebram e formam uma interação. Essa dinâmica é, portanto, crucial para o processo de transporte”, disse Loland.

A constelação dos dois aminoácidos é importante para a estrutura da molécula em sua totalidade.

“A quebra da interação poderia, portanto, ser uma assinatura para a ligação da cocaína e de drogas semelhantes”, ele crescentou.

Cocaína e dopamina

A cocaína age como um inibidor do transportador da dopamina, mas os investigadores descobriram outros inibidores que – quando administrados em ratos – se unem ao transportador da dopamina com a mesma força que a cocaína e sem a mesma resposta estimulante.

Através da farmacologia molecular e da bioquímica, eles foram capazes de caracterizar os transportadores mutantes de dopamina e perceber como suas funções desviaram-se da dos transportadores não-mutantes.

Em contraste com a cocaína, as drogas não estimulantes, ou atípicas, parecem unir-se a uma forma mais fechada de transportador de dopamina.

Se os investigadores puderem identificar em um nível molecular porque esses mutantes são diferentes, eles poderão desenvolver inibidores não-estimulantes que irão impedir a subsequente ligação da cocaína. O objetivo final é produzir um antídoto.

“O nosso objetivo com isso é fazer com a que a cocaína não funcione mais; como um antídoto, isso inibirá a resposta estimulante do uso dessa droga”, disse Loland.

Os resultados foram publicados no Journal of Biological Chemistry.

* Imagem de “cocaine” via Shutterstock

 
Matérias Relacionadas