Antes do G-20, praticantes do Falun Gong são presos por protestos contra os abusos do regime chinês

Nove manifestantes foram presos e detidos durante a noite em uma delegacia de polícia local

Por Equipe do Epoch Times

Manifestantes que protestavam pacificamente contra os abusos dos direitos humanos na China antes da cúpula do G-20 em Buenos Aires, na Argentina, foram presos e detidos depois de serem informados pela polícia que não tinham permissão para protestar contra o regime chinês.

Um participante do grupo pró-Pequim ataca um praticante do Falun Gong com um mastro de bandeira (Captura de tela via YouTube)
Um participante do grupo pró-Pequim ataca um praticante do Falun Gong com um mastro de bandeira (Captura de tela via YouTube)

Praticantes da disciplina espiritual Falun Gong se reuniram em 29 de novembro próximo ao Hotel Sheraton Buenos Aires, onde o líder chinês Xi Jinping se hospedou, para protestar contra a repressão de 19 anos do regime comunista. Cerca de uma dúzia de manifestantes ficaram atrás de barricadas de metal e seguraram dois cartazes pedindo o fim da perseguição ao Falun Gong na China.

Imagens do incidente obtidas pelo Epoch Times mostram vários policiais confiscando as bandeiras, o que se transformou em uma situação semelhante a um “cabo de guerra”, com a polícia de um lado e os manifestantes do outro. Os manifestantes podem ser ouvidos implorando para que a polícia pare, enquanto a polícia também pode ser vista respondendo.

Um praticante masculino do Falun Gong é preso pela polícia argentina (Captura de tela via YouTube)
Um praticante do Falun Gong é preso pela polícia argentina (Captura de tela via YouTube)

Um manifestante envolvido no incidente, Natividad Almaraz, 30 anos, disse que um policial disse a ela que eles não podiam estar lá porque estavam protestando contra o regime chinês.

Os praticantes estavam cercados por centenas de partidários do Partido Comunista Chinês (PCC), vestindo camisas polo vermelhas e agitando grandes bandeiras chinesas. Esses grupos são conhecidos por serem organizados por embaixadas chinesas locais quando os líderes do PCC fazem visitas de Estado.

Um policial pega um praticante do Falun Gong pelo pescoço (Captura de tela via YouTube)
Um policial pega um praticante do Falun Gong pelo pescoço (Captura de tela via YouTube)

Um homem do grupo pró-PCC pode ser visto enfiando seu mastro na luta em uma aparente tentativa de conseguir que os manifestantes liberem sua bandeira. Mais tarde, no vídeo, vários membros do grupo do PCC podem ser vistos rapidamente pegando panfletos largados da bolsa de um praticante.

Durante o incidente, um oficial pode ser visto usando seu bastão para acertar as mãos dos manifestantes. O mesmo oficial pode mais tarde ser visto usando seu bastão para formar um estrangulamento em torno de um manifestante para forçá-lo a liberar o banner.

Os partidários do Partido Comunista Chinês pegam e agitam os panfletos que estavam dentro de uma bolsa de um praticante do Falun Gong que caiu no chão em 29 de novembro em Buenos Aires, Argentina (Screenshot / via YouTube)
Os partidários do Partido Comunista Chinês pegam e agitam os panfletos que estavam dentro de uma bolsa de um praticante do Falun Gong que caiu no chão em 29 de novembro em Buenos Aires, Argentina (Screenshot / via YouTube)

O banner é eventualmente apreendido pela polícia e os manifestantes são presos e levados a uma área próxima.

Enquanto a polícia levava um manifestante , um homem vestindo um terno, entendido como o oficial encarregado, pode ser visto apontando para a bolsa do manifestante dizendo: “ele tem uma bomba lá dentro”. A polícia pode mais tarde ser vista revistando a volsa e devolvendo-a ao proprietário depois de não encontrar nada suspeito.

Em determinado momento, o oficial encarregado diz ao Epoch Times que “ele atacou um policial”, como justificativa aparente para as prisões.

Nove manifestantes foram presos e detidos durante a noite em uma delegacia de polícia local. Eles foram libertados na tarde do dia seguinte sem acusação.

A polícia local não respondeu a um pedido do Epoch Times para comentar.

“Ordens de cima”

Almaraz disse que uma policial disse a ela depois do incidente que ela não poderia ajudar os praticantes do Falun Gong, já que as ordens vieram de cima, e há muita corrupção.

“A policial me disse, eu sei o que [os praticantes do Falun Gong] fazem é bom”, disse Almaraz.

Fu Liwei, outra praticante argentina do Falun Gong presente durante o incidente, disse que depois que ela chegou, funcionários da embaixada chinesa a seguiram e pediram à polícia para prendê-la.

“Eu perguntei a um policial: ‘Você está me monitorando ou me protegendo?’ Ele disse ‘Ambos'”, disse Fu.

Sebastian Arcusin, um dos praticantes que foram presos, disse que os praticantes não estavam fazendo nada ilegal. Eles estavam apenas protestando pacificamente e clamando pelo fim da perseguição na China.

“Na China, nossos colegas praticantes são perseguidos. Eles são torturados. Seus órgãos são extraídos. É um genocídio! Estamos aqui por eles. Estamos pedindo para parar esta perseguição ”, disse Arcusin.

A Associação do Falun Dafa na Argentina disse em um comunicado em 30 de novembro: “Foi um ato legal o fato dos praticantes do Falun Gong fazerem um protesto pacífico por lá. Vamos tomar medidas legais contra os perpetradores”.

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, consiste em cinco exercícios de meditação e é baseado nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. De acordo com o Minghui.org, um site oficial do Falun Gong, ele é praticado por dezenas de milhões de pessoas em mais de 110 países em todo o mundo.

Em 1999, o ex-líder do PCC, Jiang Zemin, iniciou uma perseguição ao Falun Gong. A repressão arrebatadora levou à morte de mais de 4.200 praticantes do Falun Gong na China devido a tortura e abuso, além de um grande número de pessoas mortas por terem seus órgãos extraídos. Pesquisadores descreveram a extração forçada de órgãos como um genocídio frio.

A Cúpula do G-20 de 2018 foi realizada em Buenos Aires, Argentina, de 30 de novembro a 1º de dezembro.

 
Matérias Relacionadas