Anistia Internacional: polícia de Hong Kong usa força “ilegal” para dispersar manifestantes

Por Iris Tao

A Anistia Internacional analisou e confirmou provas videográficas de que a polícia em Hong Kong empregou “uso desnecessário e excessivo da força” para dispersar manifestantes que se opunham a uma lei de extradição controversa em 12 de junho, segundo um relatório divulgado pelo grupo de direitos humanos dos Estados Unidos, em 21 de junho.

Cidadãos de Hong Kong tomaram as ruas nas últimas duas semanas para protestar contra as emendas propostas às leis de extradição da cidade, que permitiriam a extradição e julgamento de suspeitos de crimes na China continental, onde, segundo críticos, um sistema judicial obscuro poderia punir indivíduos com acusações forjadas.

Em 12 de junho, enxames de manifestantes foram despejados nas estradas ao redor do prédio do Conselho Legislativo da cidade (LegCo), impedindo que os legisladores entrassem no edifício para convocar uma reunião planejada para debater o projeto. Como a LegCo é dominada pelo campo pró-Pequim, esperava-se que o projeto fosse avançar.

À tarde, quando alguns manifestantes tentaram entrar no prédio, os confrontos ocorreram com a polícia. Oficiais da tropa de choque dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha na multidão desarmada, causando 81 feridos civis.

Fotos e imagens capturadas a partir daquele dia já foram amplamente divulgadas on-line. Alguns mostram policiais repetidamente atirando bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes em retirada, espancando os manifestantes desarmados com cassetetes depois que eles foram subjugados no chão e disparando balas de borracha em multidões concentradas.

A resposta da polícia, desde então, provocou indignação pública generalizada.

Citando análises detalhadas de filmagens feitas por grupos de especialistas em policiamento e verificação digital, a Anistia Internacional concluiu que o uso da força naquele dia violou “a lei e os padrões internacionais sobre o uso da força por agentes da lei”.

“Balas de borracha, spray de pimenta ou bastões nunca devem ser usados para dispersão ou dirigidos a manifestantes pacíficos ou espectadores, mas usados apenas contra pessoas envolvidas em violência”, declarou a Anistia Internacional em seu relatório, que delineou 14 exemplos de imagens verificadas de 12 de junho mostrando “violência policial”.

O grupo disse que as “ações policiais ilegais” poderiam representar “um sério risco de ferimentos graves, ou mesmo morte, aos manifestantes [em 12 de junho]”.

A organização sem fins lucrativos também criou um mapa interativo detalhando a hora e o local de cada uma das 14 instâncias.

Grupos civis em Hong Kong pediram o estabelecimento de um comitê de investigação independente para fiscalizar o uso da força pela polícia em 12 de junho e responsabilizar os policiais que cometeram violência contra manifestantes pacíficos.

Grupos locais também estão coletando evidências videográficas de testemunhas oculares a fim de buscar reparação junto ao governo da cidade.

Um total de 32 manifestantes foram presos no protesto de 12 de junho, segundo a polícia de Hong Kong. Cinco foram presos por suspeita de tumulto, 10 por suspeita de crimes relacionados a crimes violentos, e 17 por outras acusações, incluindo a falta de exposição de identidade, permanência e posse de itens que poderiam ser usados para atividades ilegais.

Desde então, oito casos foram descartados, embora não esteja claro o que os processos envolvem. De acordo com o código penal da cidade, a acusação de causar ou participar de tumultos é punível com até 10 anos de prisão.

Depois de um clamor internacional, em 15 de junho, a principal autoridade da cidade, Carrie Lam, anunciou que o projeto ficaria suspenso indefinidamente. Mas os manifestantes disseram que isso não é suficiente, e exigem a retirada total da lei, bem como para os manifestantes presos não serem acusados; a caracterização anterior da polícia de protestos como “distúrbios” a serem revogados; brutalidade policial a ser investigada; e a renúncia de Lam.

Em 21 de junho, depois que o governo da cidade não respondeu às exigências dos manifestantes no prazo proposto, milhares cercaram os prédios da sede da polícia e outros prédios do governo no que chamaram de “ação elevada”. A partir do início da manhã de 22 de junho, dezenas de manifestantes ainda estavam no local.

A Frente Civil de Direitos Humanos, organizadora de duas recentes marchas anti-extradição que atraíram milhões, está se preparando para outra manifestação na quarta-feira, 26 de junho, antes da cúpula do G20 no Japão, para continuar exigindo a retirada total do projeto.

Em um post no Facebook em 21 de junho, o grupo pediu às pessoas de Hong Kong que se unissem novamente para “dar mais um golpe em Carrie Lam” na corrida para o evento internacional que ocorrerá em 28 de junho, para aumentar a pressão sobre o governo da cidade.

 
Matérias Relacionadas