Americanos caem em 4 armadilhas estabelecidas pelo PCC nas negociações entre EUA e China

Por Wang He

Anchorage, a maior cidade do Alasca , registrou uma temperatura de até zero grau Fahrenheit na madrugada de 20 de março. Uma conversa de alto nível de dois dias entre os Estados Unidos e a China acaba de terminar neste lugar gelado. O tom alto do uivo dos “guerreiros lobos” do Partido Comunista Chinês (PCC) e a fraca resposta dos EUA, em contraste, são realmente preocupantes.

Em suma, o lado americano caiu em quatro armadilhas engenhosamente armadas pelo PCC durante as negociações.

Primeiro, a realização de conversações de alto nível entre os Estados Unidos e a China é em si uma armadilha do PCC.

Depois da posse do presidente Joe Biden em 20 de janeiro, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, falou com Yang Jiechi, um membro do Politburo do PCC, e Biden falou com o líder do PCC Xi Jinping. A julgar por suas declarações públicas, cada lado adotou um tom diferente. Na verdade, no que diz respeito ao estado atual das relações EUA-China, foi o PCC que implorou aos Estados Unidos que parassem com a dissociação e a sanção. Sem propostas substanciais (ou concessões) do regime comunista, não haveria necessidade de os Estados Unidos realizarem a reunião. Antes que o governo dos Estados Unidos tivesse qualquer política clara em relação ao PCC, na verdade “convidou” o PCC a vir às negociações, caindo na “armadilha do diálogo” armada pelo PCC.

Em uma entrevista coletiva posterior, Yang disse que as conversações entre os EUA e a China foram francas, construtivas e benéficas. “Mas, é claro, ainda há diferenças entre os dois lados.”

“Viemos para a reunião com a esperança de que as duas partes pudessem aprimorar a comunicação e o diálogo em diferentes frentes. Os dois lados devem seguir a política de ‘sem conflito’ para guiar nosso caminho em direção a uma trajetória saudável e estável à frente ”, disse ele.

Em segundo lugar, Yang quebrou o protocolo diplomático ao falar por 16 minutos, o que foi oito vezes mais longo do que o normal, e seu discurso foi obviamente roteirizado. Em particular, Yang disse em seu discurso: “Não acho que a esmagadora maioria dos países no mundo reconheceria os valores universais defendidos pelos Estados Unidos ou que o ponto de vista dos Estados Unidos pudesse representar a opinião pública internacional”. Esta é uma indicação clara de que, no futuro, o PCC não mais obedecerá às regras estabelecidas pelos Estados Unidos.

Esta é uma provocação muito séria. A senadora americana Marsha Blackburn (R-Tenn.) Disse ao Epoch Times em um e – mail:  “Assim como a delegação chinesa se recusou a cumprir as regras acordadas da reunião, Pequim se recusa a cumprir a ordem internacional baseada em regras. ”

O lado dos EUA, no entanto, permaneceu sentado obedientemente e ouviu até o fim. O comentarista conservador americano Jack Posobiec escreveu no Twitter : “O movimento óbvio seria Blinken e Sullivan defenderem os EUA e expulsarem a delegação do PCC após serem desrespeitados. Mas eles não fizeram. Eles vão voltar amanhã para perder ainda mais prestígio. É difícil dizer como eles poderiam ser piores nisso. ”

Em terceiro lugar, Yang traçou uma “linha vermelha” para o lado dos EUA, não o contrário.

De acordo com um relatório do Nikkei Asia, Yang disse, em primeiro lugar, que “os Estados Unidos não têm qualificação para dizer que querem falar com a China a partir de uma posição de força”.

Yang acrescentou que a “liderança e o sistema político da China são apoiados de todo o coração pelo povo chinês, e qualquer tentativa de mudar o sistema social da China será inútil”, de acordo com um comunicado à imprensa de 19 de março no site da Embaixada da China nos Estados Unidos .

Outro ponto que Yang fez em seu longo discurso foi uma série de questões de segurança e direitos humanos que os Estados Unidos levantaram com o lado chinês, incluindo a perseguição aos uigures pelo PCC, sua repressão em Hong Kong, sua coerção econômica de aliados, seus ataques cibernéticos no Estados Unidos e seus atos de agressão contra Taiwan. Yang declarou que tudo isso são assuntos internos da China e que o regime comunista “se opõe firmemente à interferência dos EUA”.

De acordo com Yang, “o que os Estados Unidos deveriam fazer é … cuidar da sua própria vida … em vez de fazer comentários irresponsáveis ​​sobre os direitos humanos e a democracia na China”.

Para resumir o significado de Yang em uma frase, é o que ele disse em suas observações iniciais que “não há como estrangular a China”. Isso implica que o PCC não tem medo de confrontar os Estados Unidos e usa o confronto como um meio para impedir que o lado americano recue sem lutar.

A quarta armadilha está na intenção do lado americano de buscar cooperação com o PCC, mesmo diante de um confronto tão feroz. Após as negociações, Blinken falou em uma coletiva de imprensa sobre áreas muito específicas nas quais os Estados Unidos e a China poderiam cooperar.

“Também pudemos ter uma conversa muito franca ao longo dessas muitas horas em uma agenda extensa. No Irã, na Coreia do Norte, no Afeganistão, no clima, nossos interesses se cruzam ”, disse ele .

Além disso, funcionários do governo Biden disseram que estão abertos a flexibilizar algumas das restrições de visto impostas aos cidadãos chineses sob o governo Trump. Ao fazer isso, o lado americano trocou sua posição ofensiva com o PCC e voluntariamente abriu mão de sua vantagem.

Resumindo, o Partido Comunista Chinês é mais astuto e perverso do que a maioria das pessoas pode imaginar. Essa rodada de negociações foi a maneira do PCC de testar as águas, e agora ele tem uma imagem clara das intenções dos Estados Unidos. Espera-se que execute táticas cada vez mais fortes, passo a passo, visando Taiwan depois que terminar com Hong Kong.

É claro que também existem pessoas perspicazes nos Estados Unidos, como o ex-secretário de Estado Mike Pompeo. Ele foi aparentemente o primeiro a analisar o encontro entre os Estados Unidos e a China no Alasca, escrevendo no Twitter: “A força detém os bandidos, a fraqueza só convida à guerra”.

O lado dos EUA tem uma boa mão, mas não consegue jogá-la com eficácia. Qual é o problema? Os formuladores de políticas dos EUA devem primeiro reconhecer a natureza perversa do regime comunista chinês e conhecer a si mesmos e a seus oponentes para vencer.

O autor e especialista em China Gordon Chang escreveu no Twitter: “Yang Jiechi, em seu discurso de abertura no Alasca, disse: ‘não há como estrangular a China’. Bem, na verdade existe, e Pequim, com sua conduta cada vez mais perigosa, não deixará ao mundo outra escolha senão fazê-lo. ”

Esperançosamente, a voz de Chang será ouvida no nível de formulação de políticas dos EUA.

Wang He tem mestrado em direito e história e estudou o movimento comunista internacional. Ele foi professor universitário e executivo de uma grande empresa privada na China. Wang agora mora na América do Norte e publica comentários sobre os assuntos atuais e a política da China desde 2017.

As visões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas