Americano conta como foi torturado e drogado nas ‘prisões negras’ da China

Por Jan Jekielek, Frank Fang

Depois de ser injetado com uma substância desconhecida, forçado a tomar pílulas não identificadas e severamente espancado, um americano de São Francisco pensou que não conseguiria sair vivo das prisões negras secretas da China.

Warren Rothman disse que foi levado a quatro prisões negras diferentes, lugares comuns que as autoridades chinesas transformam em prisões não oficiais para sujeitar os detidos a impunes abusos. Durante sua provação, Rothman disse que foi amarrado, teve terra enfiada na boca e foi chutado e socado.

“Eu realmente pensei que aquele momento era o fim da minha vida. Eu não estava aceitando, mas pensei que era isso. Eu ouvi os guardas brincando sobre eu tossir e cuspir a terra”, Rothman relembra o que se passava em sua mente na época.

A experiência angustiante aconteceu há mais de 10 anos, mas Rothman, um cidadão americano que se formou na Universidade de Yale, disse que sua história deveria ser um aviso para quem viaja para a China.

“A China é realmente uma prisão negra gigante. É uma prisão enorme”, disse ele em uma entrevista recente para o “American Thought Leaders”, da EpochTV .

“Até um estrangeiro com passaporte e visto pode entrar e não sair.”

Autor de “Kafka na China : A República Popular da Corrupção”, Rothman apontou exemplos recentes (dos canadenses Michael Kovrig e Michael Spavor) para explicar como a China sempre tem “uma razão oculta” para não permitir que estrangeiros saiam, mesmo que eles não tenham feito nada de errado.

Os dois Michaels foram detidos arbitrariamente na China desde dezembro de 2018, suas prisões coincidiram com os esforços dos EUA para extraditar Meng Wanzhou, diretora financeira da gigante chinesa de tecnologia Huawei .

De acordo com o grupo de direitos humanos Safeguard Defenders, pessoas em muitos países, incluindo Austrália, Japão, Estados Unidos, além de Kovrig e Spavor, foram vítimas da “diplomacia de reféns” do regime chinês.

Atualmente, a assessoria de viagens do Departamento de Estado sobre a China alerta os cidadãos norte-americanos que Pequim “aplica arbitrariamente as leis locais” e que eles podem ser detidos “sem o devido processo legal” quando viajam para a China. A nota também diz que o regime chinês usa detenções arbitrárias para “ganhar influência nas negociações sobre governos estrangeiros”.

“A China comunista é basicamente um regime criminoso. Ela opera por meio do crime”, disse Rothman. “Não é um regime contra o qual podemos fazer qualquer coisa, exceto nos opor.”

O calvário

Antes de se tornar um escritor, Rothman era um defensor público que havia trabalhado para escritórios de advocacia em Nova Iorque e na Europa antes de abrir sua própria empresa.

O encarceramento ocorreu em 2008, lembra Rothman, quando um dia depois de uma caminhada matinal, ele voltou para seu apartamento em Xangai e encontrou o local completamente destruído.

Aterrorizado, ele começou a fazer as malas enquanto considerava suas opções. Mas antes que ele pudesse decidir o que fazer a seguir, a tarde caiu e 12 bandidos apareceram em sua porta. No dia seguinte, um grupo maior de 15 bandidos apareceu para intimidá-lo.

No terceiro dia, seu assistente jurídico, um cidadão chinês que ele contratou invadiu seu apartamento seguido por quatro bandidos. Eles o arrastaram para fora do prédio e para dentro de uma van branca sem identificação. Eles o levaram a um lugar que ele chamou de “prisão negra quatro estrelas” porque era um quarto normal de hotel quatro estrelas.

Em pouco tempo, ele foi levado para outra prisão negra, um espaço atrás de um consultório médico localizado em um shopping dilapidado.

Eventualmente, ele acabou em uma instalação que tinha uma enfermaria. Ele foi amarrado a uma cadeira por pelo menos sete horas enquanto era torturado.

“Sofri chutes e socos nas pernas, nas costas e nos braços”, lembra Rothman.

Ele foi então arrastado para o que ele pensava ser a seção de enfermagem do estabelecimento.

No entanto, ele mais tarde reconsiderou: “é um verdadeiro hospital.” “E lá estou eu, sendo torturado em um hospital de verdade, e os médicos e enfermeiras não estavam prestando atenção nele.”

Ele foi então amarrado a uma cama de hospital e uma mulher com uniforme de enfermeira o injetou uma substância desconhecida. Na época, Rothman achou que a injeção era um tranquilizante, porque lhe disseram que lhe dariam outra injeção mais tarde. O homem então acreditava que tal injeção continha um agente letal para matá-lo.

No entanto, a segunda injeção nunca ocorreu. Rothman disse que foi forçado a engolir um punhado de comprimidos de uma substância desconhecida.

Como ele continuou a tomar essas pílulas não identificadas, ele disse que teve “reuniões intermináveis ​​com a equipe do hospital”, durante as quais eles perguntaram sobre seus pensamentos e sentimentos.

“No final dos 10 dias, finalmente consegui sair. Mas só percebi minha saída no instante em que me soltaram”, disse.

Preocupações

Foi apenas em retrospecto que Rothman percebeu o que poderia ter levado a sua experiência angustiante.

Meses antes de retornar ao seu apartamento em ruínas, ele soube que seu assistente jurídico ajudou a organizar um suborno de US$ 3 milhões para garantir que seu cliente, uma empresa americana, pudesse obter um acordo na China.

“Eu não tinha uma prova direta. Tudo que eu tinha era o que aconteceu comigo”, disse Rothman. “Não tinha outros inimigos em Xangai, mas tentei e tentei encontrar uma razão para isso.”

Rothman disse que repreendeu seu assistente jurídico por pelo menos uma hora. Ele disse a ele que o que ele havia feito era “a coisa mais nojenta” que ele já tinha visto.

Mais tarde, ele escreveu um livro de memórias sobre suas experiências na China, incluindo os dias que passou em prisões negras.

“Eu quero alertar as pessoas. Quero que as pessoas leiam este livro e entendam a realidade da China do ponto de vista de quem passou por algumas das piores condições neste páis”, explicou.

“[China] é um país que não se baseia em leis; É construído em padrões fantasiosos. Padrões que podem surgir do nada. Ordens do Partido [Comunista Chinês], basicamente, é disso que estou falando. É assim que eles governam aquele país.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas