Alimentos transgênicos serão rotulados como ‘bioengenharia’ com nova regra em vigor

Será uma mudança na descrição de produtos que possuem componentes de ‘engenharia genética’ ou organismos geneticamente modificados

Por Zachary Stieber 

Os produtos dos EUA contendo organismos geneticamente modificados serão rotulados como “bioengenharia” a partir de agora, sob as novas regras de divulgação de alimentos que entraram em vigor no dia 1° de janeiro.

Trata-se de uma mudança na descrição de produtos que possuem componentes de “engenharia genética” ou organismos geneticamente modificados (OGM), também chamados de transgênicos.

As empresas tiveram até 1º de janeiro para cumprir as novas regras que foram finalizadas durante o governo Donald Trump. O governo seguiu uma lei aprovada pelo Congresso em 2016 para criar um padrão nacional que divulgasse alimentos que são ou podem ser bioengenharia.

A regra nacional “evita um sistema de disparidade estado a estado que pode confundir os consumidores”, declarou o então secretário de Agricultura, Sonny Perdue.

A atualização dos requisitos de rotulagem gerou críticas e um desafio legal do Center for Food Safety, que afirma que eles são confusos.

“Essas regulamentações não têm a intenção de informar o público, mas são projetadas para que as empresas possam ocultar o uso de ingredientes geneticamente modificados de seus clientes”, afirmou Andrew Kimbrell, diretor executivo do centro, em um comunicado esta semana. “É uma fraude regulatória que estamos tentando rescindir em um tribunal federal”.

A Associação Comercial Verde, o Instituto de Política Agrícola e Comercial e o Projeto Não-OGM estão entre os outros oponentes da regra.

“Em geral, muitos produtos que contêm OGM não serão rotulados, o que significa que a ausência de uma declaração de bioengenharia (BE) não significa que um produto não seja OGM”, relatou o projeto em um comunicado quando os padrões foram lançados.

O Congresso, no National Bioengineered Food Disclosure Act, orientou os fabricantes de alimentos a colocar um texto, um símbolo ou um link digital, como um código QR, nos rótulos, se os produtos tivessem ingredientes produzidos pela bioengenharia. Os legisladores usaram o termo bioengenharia, mas permitiram que o Departamento de Agricultura usasse termos semelhantes. No entanto, a agência optou por manter o termo bioengenharia.

Apoiadores do regulamento incluem grupos da indústria alimentar, como o Food Marketing Institute e a Grocery Manufacturers Association.

“A regra fornece uma maneira consistente de fornecer transparência em relação aos alimentos que vendemos e permite aos nossos clientes em todo o país os meios para aprender mais sobre produtos comestíveis que contêm ingredientes da bioengenharia”, afirmou o Marketing de Alimentos, em 2018.

No entanto, alguns apoiadores até mesmo incentivaram a administração de Joe Biden para atrasar o prazo de conformidade à luz de problemas incontroláveis ​​da rede de fornecimento.

A administração “deve adotar uma posição que ‘não cause danos’ agora, permitindo que as empresas se concentrem em atender aos consumidores”, declarou a Associação de Marcas de Consumidor em um comunicado recente.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas