Aliança da China com cartéis mexicanos continua a alimentar mortal crise de fentanil nos EUA, diz Ex-funcionário da DEA

Por JM Phelps

Distribuir e traficar fentanil para os Estados Unidos é a “ferramenta perfeita” na campanha do Partido Comunista Chinês (PCC) de “guerra irrestrita” contra o Ocidente, de acordo com um ex-chefe de divisão da Drug Enforcement Administration (DEA).

“Eles não estão lançando bombas ou colocando exércitos no solo na América, mas ainda estão matando americanos em níveis recordes”, disse Derek Maltz, ex-chefe da Divisão de Operações Especiais da DEA, referindo-se ao plano do PCC para desestabilizar os país usando formas não convencionais de guerra.

“Eles estão se aproveitando de uma enorme população viciada na América”.

O alerta de Maltz veio quando um novo relatório descobriu que a China continua sendo a principal fonte para o tráfico de  fentanil ilícito e substâncias relacionadas ao fentanil nos Estados Unidos, apesar de o regime chinês proibir a droga em 2019. O fentanil é um opioide sintético 50 vezes mais potente do que a heroína.

O relatório de 24 de agosto ( pdf ) da Comissão de Revisão de Segurança e Economia EUA-China também descobriu que, embora as remessas diretas para os Estados Unidos tenham diminuído desde a proibição, o México está desempenhando um papel crescente na explosão de vícios de fentanil e mortes em torno do país.

Os americanos estão sendo mortos em níveis recordes, disse o ex-funcionário da DEA, e “tudo por causa do fluxo maciço de produtos químicos da China”.

Em 2020, durante a pandemia, as mortes por overdoses de opioides sintéticos, principalmente de fentanil, aumentaram para um recorde de mais de 56.000 – um aumento de 20.000 em relação ao ano anterior, de acordo com dados provisórios do National Center for Health Statistics.

O país está enfrentando a pior crise das drogas de sua história, disse Maltz, acrescentando que “a aliança entre a China e os cartéis pode ser a principal ameaça cotidiana a impactar o futuro da América”.

De acordo com o relatório, a “fraca supervisão e regulamentação” do regime chinês de sua indústria química ajudou os esforços dos traficantes de fentanil chineses.

Assim, com redução limitada, os traficantes chineses continuam a enviar precursores químicos para o México para produzir o mortal fentanil. Milhões de comprimidos falsificados contendo fentanil estão sendo produzidos, e a droga mortal é frequentemente misturada com outras drogas, como heroína, cocaína e metanfetamina.

“Milhares de libras de fentanil foram apreendidas este ano”, disse o ex-funcionário da DEA. “Phoenix, por exemplo, passou de zero apreensões em 2015 para 6 milhões de pílulas falsas em 2020, e a liderança da DEA diz que já apreendeu mais de 6 milhões em 2021.”

Maltz referiu-se a uma análise de laboratório da DEA que determinou que 26 por cento dos comprimidos analisados ​​continham doses letais de fentanil.

“Levando em consideração os 6 milhões de comprimidos apreendidos em Phoenix em 2020, isso significa que mais de 1,5 milhão de pessoas foram salvas em apenas um escritório da DEA.”

Esquemas de lavagem de dinheiro agravam o problema

Além do envolvimento da China no aumento das apreensões de fentanil, o relatório de 24 de agosto também reconhece as operações de lavagem de dinheiro entre o país asiático e os cartéis mexicanos.

Enquanto Maltz elogiava a aplicação da lei por se infiltrar nas “redes criminosas transnacionais chinesas”, ele disse que o PCC continua a aumentar o tráfico de drogas para o México. “E os criminosos transnacionais estão de fato assumindo os serviços de lavagem de dinheiro para os cartéis.”

De acordo com o relatório, “O desafio do fentanil cresceu em complexidade desde que os fornecedores chineses começaram a desenvolver suas táticas em 2019”. Maltz acredita que há dois componentes principais que contribuem para a evolução dessa crise massiva.

“A China tem os produtos químicos para a produção de drogas e os serviços de lavagem de dinheiro – e sem os produtos químicos ou o dinheiro, eles não poderiam operar.”

O mercado internacional de lavagem de dinheiro tornou-se mais atraente para o PCC e os cartéis mexicanos.

Descrevendo a operação, Maltz disse: “A China tem corretores sentados no México com chefões do tráfico e estão fazendo acordos para arrecadar dinheiro em toda a América. O dinheiro é movido de um banco chinês para outro no exterior, e então eles estão atendendo aos pedidos legítimos de bens de consumo para serem enviados para a América do Sul, América Central e México. ”

Na próxima etapa, disse ele, os bens de consumo são vendidos e o dinheiro circula de volta para os traficantes de drogas. Ele chama isso de “processo sofisticado”, acrescentando que a polícia está agindo o mais rápido possível para se infiltrar nas operações.

No entanto, as investigações criminais e de lavagem de dinheiro são dificultadas pela cooperação “limitada” entre as autoridades chinesas e americanas, concluiu o relatório.

Maltz disse que durante a administração Trump, “houve algum movimento positivo para impedir a exportação de fentanil puro e análogos do fentanil para fora da China – [mas] os criminosos transnacionais chineses ficaram muito espertos e começaram a reduzir as exportações de fentanil e aumentar a exportação do precursor químico. ”

Embora os produtos químicos que a China possa estar exportando sejam produtos químicos legítimos, ele disse que o regime “está simplesmente permitindo que os cartéis mexicanos façam mais do trabalho sujo na produção de fentanil”.

Em vez de ver o fentanil puro enviado aos laboratórios no México, grandes quantidades de produtos químicos estão sendo enviadas.

“O processo está mudando porque é isso que os criminosos fazem”, disse Maltz. “A China e os cartéis mexicanos continuarão fazendo ajustes para reduzir sua vulnerabilidade – e ambos são muito espertos nisso.”

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas